Notícias

Banca de DEFESA: RAQUEL CORREIA DE OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RAQUEL CORREIA DE OLIVEIRA
DATA: 24/06/2021
HORA: 15:00
LOCAL: PLATAFORMA GOOGLE MEET
TÍTULO:

PROTEÇÃO SOCIAL E JUVENTUDES NA AMAZÔNIA MARAJOARA: análise dos reflexos e desafios do atendimento de jovens nos CRAS do município de Breves – Marajó/PA


PALAVRAS-CHAVES:

(Des)Proteção Social. Política Social. Assistência Social. Direitos.


PÁGINAS: 235
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Serviço Social
SUBÁREA: Serviço Social Aplicado
RESUMO:

A presente dissertação apresenta como proposta de estudo o tema proteção social e juventudes, cujo objetivo geral é analisar as demandas dos(as) jovens e as dificuldades que se apresentam na sua inserção enquanto sujeitos demandatários dos programas, serviços e projetos desenvolvidos nos Centros de Referência da Assistência Social (CRAS) do município de Breves/Marajó-PA. Para alcançar tal objetivo, o estudo pautou-se na teoria social crítica, e se desenvolveu por meio do método dialético, tendo como procedimento metodológico a realização de pesquisa bibliográfica, análise documental e pesquisa de campo, consideradas enquanto etapas articuladas entre si. A revisão bibliográfica compreendeu a leitura de obras que tratam sobre proteção social e juventudes, políticas sociais e assistência social, permitindo refletir sobre tais categorias. A análise documental se deu a partir da leitura de documentos elaborados pela SNJ, IBGE, IPEA e Ministério da Cidadania, bem como pela análise do Plano Municipal de Assistência Social – 2018/2021 e de relatórios de gestão produzidos pelos CRAS. A pesquisa de campo foi realizada na SEMTRAS e nos CRAS, tendo como instrumentos para a coleta de dados a observação sistemática e a entrevista semiestruturada com profissionais e jovens usuárias dos serviços socioassistenciais. Os resultados apontam que as juventudes destacam-se enquanto segmento que cada vez mais vivencia em seu cotidiano processos de negação e violação de direitos, o que demonstra a existência de uma realidade de (des)proteção social para os(as) jovens pertencentes à classe trabalhadora brevense. O estudo também possibilitou a identificação de limites e potencialidades existentes no trabalho que os CRAS desenvolvem com esses(as)jovens. Quanto às limitações, os(as) profissionais indicam a falta de recursos e infraestrutura adequada; ausência de subsídios financeiros para os(as) jovens que finalizam os cursos de geração de renda; a ausência de acompanhamento dos(as) jovens que participam das atividades voltadas para a qualificação profissional; a ausência de uma formação para trabalhar com jovens; baixo número de ações para as juventudes; falta de planejamento específico para pensar o atendimento; bem como o fato de a Secretaria da Juventude não ter sido criada. Enquanto potencialidades verifica-se a motivação dos(as) jovens para superar os desafios; a participação nas ações em que se envolvem; e, por último, a criação de parcerias para desenvolver as ações no âmbito dos CRAS, no entanto, aponta-se a diferença existente entre a formação de parcerias e o trabalho intersetorial.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ADERLI GOES TAVARES
Interno - 2328999 - DANIELA RIBEIRO CASTILHO
Presidente - 2767692 - ROSELENE DE SOUZA PORTELA
Notícia cadastrada em: 21/06/2021 18:50
SIGAA | Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação (CTIC) - | Copyright © 2006-2022 - UFPA - jatoba.ufpa.br.jatoba1