News

Banca de QUALIFICAÇÃO: LENISE MENDES RODRIGUES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LENISE MENDES RODRIGUES
DATA: 29/01/2021
HORA: 09:00
LOCAL: Campus Universitário de Cametá
TÍTULO:

A FORMAÇÃO PARA AS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS, PELO PARFOR, NO CURSO DE HISTÓRIA: currículo e trajetória de professoras egressas em Cametá/PA


PALAVRAS-CHAVES:

Educação. Relações Étnico-Raciais. PARFOR. Curso de História. Desenho Curricular


PÁGINAS: 110
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Educação
SUBÁREA: Currículo
ESPECIALIDADE: Currículos Específicos para Níveis e Tipos de Educação
RESUMO:

Este trabalho tem como objetivo analisar a formação de professoras, através do curso de História da Universidade Federal do Pará, contempladas pelo Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica – PARFOR, tendo como foco de observação os estudos sobre as relações étnico-raciais aplicados à análise do currículo do curso e às práticas sociais e escolares de docentes egressas do Campus de Universitário de Cametá/PA. O programa PARFOR foi lançado em 28 de maio de 2009 como uma ação emergencial por conta das exigências da LDB na formação dos professores com ensino superior. Implementado pela Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), a proposta se constituiu através de um regime de colaboração entre a União, os estados, o Distrito Federal, os municípios e as IESs, para articular a oferta de cursos de formação inicial e continuada nas modalidades presencial e a distância para professores da rede pública de educação básica. A parceria com as instituições de ensino superior foi feita por meio de assinatura de Termo de Adesão ao ACT (UFPA, 2019). A cidade de Cametá, lócus da pesquisa, se destaca pela diversidade cultural e uma história que, segundo Larêdo (2013), a constitui como o mais antigo e tradicional município da região do Baixo Tocantins. O ano de implementação do PARFOR em Cametá coincidiu com a criação da Faculdade de História no Campus Universitário daquele município. Contudo, o desenho curricular de base para o curso de história não seguiu as diretrizes da recém criada Faculdade, mas as de Belém. Em particular no que diz respeito ao direcionamento dado pela lei 11.645/2008, que instituiu a obrigatoriedade da inclusão da temática de história e cultura afro-brasileira e indígena na educação básica e no ensino superior, o curso ofertou apenas uma disciplina, denominada de História da África, na parte final do curso. Considerando o impacto do plano na formação da população negra da região, será observada a relevância da formação étnico-racial dada pelo curso de história e da ação de egressas do curso no retorno a suas comunidades. A metodologia utilizada nessa pesquisa foi pautada no uso da história oral, através das entrevistas, conforme indica Portelli (1997). Com os dados pretendemos compreender a formação que receberam através do programa, suas histórias de vida, enquanto mulheres docentes, e o contato que tiveram com a única disciplina de temática racial no curso de história. Para que possamos entender a repercussão das relações étnico-raciais nos cursos de graduação nas universidades contamos com os seguintes aportes teóricos: Oliveira (2015), Gomes (2003), Costa (2016), Bittencourt (2008, 2011, 2018), entre outros abordados no trabalho. 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2425811 - LUIZ AUGUSTO PINHEIRO LEAL
Interno - 2299112 - JOSE VALDINEI ALBUQUERQUE MIRANDA
Externo à Instituição - VIVIANE DE OLIVEIRA BARBOSA
Notícia cadastrada em: 30/12/2020 10:24
SIGAA | Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação (CTIC) - (91)3201-7793 | Copyright © 2006-2024 - UFPA - castanha.ufpa.br.castanha2