News

Banca de DEFESA: ALICE DO SOCORRO LOUZADA MORAES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ALICE DO SOCORRO LOUZADA MORAES
DATA: 29/12/2020
HORA: 16:00
LOCAL: Plataforma Virtual
TÍTULO:

TRABALHO DOCENTE E PROCESSOS DE INTEGRAÇÃO DE SABERES DE AVALIAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO: O PRESCRITO E O RENORMALIZADO


PALAVRAS-CHAVES:

Integração. Avaliação da aprendizagem. Saberes docentes.  Inovação.


PÁGINAS: 140
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Educação
SUBÁREA: Planejamento e Avaliação Educacional
ESPECIALIDADE: Política Educacional
RESUMO:

O presente trabalho, intitulado “Trabalho docente e processos de integração de saberes de avaliação em Língua Portuguesa no Ensino Médio: o prescrito e o renormalizado”, foi construído a partir da temática de produção de saberes em avaliação da aprendizagem no ensino de Língua portuguesa na Educação Básica, no contexto da Escola Estadual de Ensino Médio Osvaldina Muniz, zona urbana de Cametá – PA, com a finalidade de analisar como os saberes prescritos em avaliação no contexto da atividade de trabalho docente na Educação básica têm se relacionado com saberes experienciais no ensino aprendizagem de Língua portuguesa. Trata-se de investigação desenvolvida no Programa da Pós-Graduação em Educação e Cultura (PPGEDUC), no interior da linha de pesquisa Políticas e Sociedades. S problemática desta pesquisa consistiu em questionar como os saberes presentes em avaliação de Língua portuguesa são renormalizados por professoras no interior do trabalho docente no ensino aprendizagem no contexto do Ensino Médio, considerando possibilidades de integração de experiências, quer voltadas para a emancipação enquanto processo de inovação transformadora ou manutenção da ordem relacionada à inovação na perspectiva tradicional. Para sustentar esta pesquisa, o levantamento bibliográfico se baseou em autores e pesquisadores tais como Hadji (1994), Esteban (1999), Loch (2000), Hoffman (1993, 2014), Vasconcelos (2008) que refletem e problematizam a Avaliação, Scwartz (2000, 2003, 2011, 2016); Charlot (2005), Tardif (2002, 2009) e Trinquet (2010), que nos ajudaram a refletir sobre saberes à luz da Ergologia, Saviani (1991), que embasa a discussão sobre inovação em Educação, entre outros autores que fundamentam o debate apresentado. Do ponto de vista metodológico nos pautamos no Materialismo Histórico-Dialético para fazer uma análise dialética relacionada também com a abordagem ergológica, que nos permitiu compreender a atividade humana, mais precisamente a atividade humana do trabalho docente numa perspectiva qualitativa, de modo a refletir sobre a relação entre saber prescrito e renormalizado. Textualmente, organizamos o trabalho em quatro seções: Seção I; Seção II; Seção III; Seção IV e as Considerações finais. Esta pesquisa revelou, por meio de entrevista semiestruturada, a análise dos nossos principais achados que apontaram a existência de um caráter subversivo em avaliar, pelas parceiras da pesquisa na E.E.E.M. Osvaldina Muniz, possibilitando a visibilidade de múltiplas fontes de saberes e competências, resultado de uma permanente consciência também subversiva nessas trabalhadoras que oscila entre cumprir as metas de avaliação exigidas pelas normas dos documentos oficiais inseridos pela organização do trabalho e/ou intervir na aprendizagem por meio de tecnicazinhas (engenhosidades inovadoras) que vão contra a lógica que prescreve as normas que antecedem seus trabalhos e favorece a manutenção da ordem apontando para a possibilidade de uma perspectiva de inovação dialética. No entanto, conclui-se também que as renormalizações ainda não se concretizam como totalidade de práxis transformadora, pois existem dificuldades no enfrentamento quanto à quebra dos paradigmas de ensino tradicional, mas indicam em sua materialidade na avaliação da aprendizagem de Língua portuguesa na instituição que essa consciência subversiva das professoras aponta para, contraditoriamente, a possibilidade de transformação. Isto acontece justamente porque existe o debate de normas encaixado dialeticamente nas dimensões históricas e humanas dessas profissionais.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2360232 - ANA PAULA VIEIRA E SOUZA
Interno - 159.587.918-85 - ANDREA SILVA DOMINGUES - UFPA
Presidente - 2321894 - DORIEDSON DO SOCORRO RODRIGUES
Interno - 1885506 - EGIDIO MARTINS
Notícia cadastrada em: 03/12/2020 09:51
SIGAA | Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação (CTIC) - (91)3201-7793 | Copyright © 2006-2024 - UFPA - morango.ufpa.br.morango2