News

Banca de QUALIFICAÇÃO: LUANA RODRIGUES CARNEIRO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUANA RODRIGUES CARNEIRO
DATA: 22/04/2019
HORA: 13:00
LOCAL: sala 001 - predio Orlando Cassique - CUNTINS
TÍTULO:

Mulheres pescadoras e as representações da sexualidade na construção de uma identidade cultural.


PALAVRAS-CHAVES:

Mulheres pescadoras – Emancipação – Sexualidade - Gênero


PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Educação
RESUMO:

Nesta pesquisa discutiremos “Como a divisão sexual do trabalho serve para sustentar os discursos e para fortalecer instrumentos de controle e poder sobre as práticas o trabalho produtivo das mulheres pescadoras, que atuam como coordenadoras dos setores de localidade de pesca, na qual os homens pescadores detêm controle e poder institucional na entidade a partir da percepção das mulheres pescadoras”. Nossas análises se fundamentarama partir de elementos como: a cultura local, modos de vida e práticas cotidianas e suas narrativas sobre a sua atuação como mulheres frente à luta para se entenderem como autoras com diferentes atuações dentro de uma sociedade tão machista e que privilegiam a atuação do homem pescador. Apontamos como objetivo geral: Analisar como a divisão sexual do trabalho serve para sustentar os discursos e instrumentos de controle e poder sobre as práticas das mulheres pescadoras, que atuam como coordenadoras de localidade de pesca, na qual os homens pescadores detêm controle e poder institucional na entidade? Logo, para possibilitar o alcance de tais objetivos definimos como objetivos específicos: a) Identificar a percepção das mulheres pescadoras sobre a divisão sexual do trabalho no interior da organização política da Colônia Z -16; b) Discutir a partir dos relatos das mulheres pescadoras suas perspectivas de gênero e sexualidade, trabalho, emancipação feminina na Colônia Z -16; c) Apontar como tem se construído os discursos e instrumentos de controle e de poder sobre as práticas de trabalho das mulheres pescadoras na Colônia Z -16. Tomamos como principais referencias: Pinto (1997), Thompson (1992), Costa (1995) entre outros. E como metodologia optamos pela História Oral se mostra como um caminho metodológico capaz de dar voz aos sujeitos – protagonistas ou testemunhas de acontecimentos – e que possibilita a reconstrução da história por meio dos relatos individuais ou coletivos. Para a realização da coleta de dados optamos pela utilização de um guia de entrevistas semiestruturada, para trabalhar com relatos das mulheres pescadoras acerca das vivências na pesca, utilizamos um roteiro de perguntas articuladas com os objetivos de pesquisa, sendo que entrevistaremos as pescadoras/coordenadoras das 12 coordenações vinculadas à entidade Colônia Z-16 de Cametá, Estado do Pará, de cada localidade, selecionada de acordo com a atuação organizacional na Z-16. Deste modo, encontramos na história oral, o modo mais apropriado para a captação das memorias das pescadoras, com seus testemunhos pessoais, ou seja, os relatos orais em primeira pessoa, nos quais os entrevistados procuram reconstruir as ricas experiências plenas de realidade vivenciadas por elas.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - FLAVIO BEZERRA BARROS
Presidente - 263.026.912-49 - MARA RITA DUARTE DE OLIVEIRA - UFC
Interno - 1769360 - MARIA SUELI CORREA DOS PRAZERES
Notícia cadastrada em: 15/03/2019 16:51
SIGAA | Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação (CTIC) - (91)3201-7793 | Copyright © 2006-2024 - UFPA - castanha.ufpa.br.castanha2