News

Banca de DEFESA: CLAUDETE COSTA QUARESMA RANIERI

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CLAUDETE COSTA QUARESMA RANIERI
DATA: 25/03/2017
HORA: 09:30
LOCAL: sala 001
TÍTULO:

EDUCAÇÃO E RESISTÊNCIA NA COMUNIDADE DO BAIXO ITACURUÇÁ EM ABAETETUBA NO PARÁ: O PAPEL DA ESCOLA SANTO ANDRÉ NA AFIRMAÇÃO E VALORIZAÇÃO DA IDENTIDADE QUILOMBOLA.



PALAVRAS-CHAVES:

Educação –Resistência- Escola Quilombola- Diversidade Étnico Racial- Identidade Negro Quilombola.


PÁGINAS: 120
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Educação
RESUMO:

O presente trabalho apresenta os resultados da pesquisa Educação e Resistência na Comunidade do Baixo Itacuruçá em Abaetetuba no Pará: O Papel da Escola Santo André na Afirmação e Valorização da Identidade Quilombola, que objetiva compreender como esses processos educativos contribuíram e contribuem para as vivências cotidianas dos elementos constitutivos da resistência quilombola: a educação, a memória e a identidade. Subsidiado teoricamente nos referenciais da educação popular, especialmente nas obras de José Reis, Flávio Gomes, Vicente Salles,Robert Slenes, Nilma Lino Gomes, Miguel Arroyo,Tomas Tadeu da Silva, Antônio Ciampa, Frigoto, Vera Candau, buscamos entender o quilombo na sua epistemologia da resistência. A metodologia da pesquisa etnográfica foi subsidiada pelos aportes do conhecimento colaborativo., A inserção na comunidade aconteceu no período de dezembro de 2015 a agosto 2016. Participaram da pesquisa 18 pessoas e na análise das falas desses colaboradores buscamos compreender como esses processos educativos de resistência e práticas curriculares contribuíram e contribuem para a construção da identidade quilombola dessa comunidade. O estudo foi elaborado por meio da pesquisa de campo, com a utilização da técnica da coleta de dados, observação, registro do cotidiano no diário de campo.O lócus da investigação limitou-se a comunidade Nossa senhora do Perpetuo socorro no Baixo Itacuruçá em Abaetetuba no estado do Pará, por ser uma comunidade Quilombola, com uma trajetória de luta e resistência para garantia de direitos a educação e melhoria nas condições de vida, onde a escola busca se firma como protagonista neste processo de resistência. O registro de caráter etnográfico, a partir de um diário de campo, tem favorecido tal observação. A análise das entrevistas nos possibilitou perceber a emergência de duas compreensões de educação oriundas das falas dos profissionais da educação entrevistados: a de que educação escolar passa por descaso do poder público e que evidencia se como um instrumento da perpetuação e disseminação do preconceito; a de que a educação construída no espaço escolar, através da luta da comunidade, das organizações pode ser um instrumento de transformação dessa própria realidade .


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1255928 - DAMIAO BEZERRA OLIVEIRA
Externo à Instituição - MARIA DAS GRAÇAS DA SILVA
Interno - 2181917 - RAIMUNDO NONATO DE OLIVEIRA FALABELO
Presidente - 2278773 - WALDIR FERREIRA DE ABREU
Notícia cadastrada em: 10/03/2017 11:23
SIGAA | Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação (CTIC) - (91)3201-7793 | Copyright © 2006-2024 - UFPA - castanha.ufpa.br.castanha1