News

Banca de DEFESA: VITOR SERRA RODRIGUES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: VITOR SERRA RODRIGUES
DATA: 22/09/2023
HORA: 09:00
LOCAL: Campus Universitário do Tocantins/Cametá
TÍTULO:

A emergência de identidades negras-surdas nas escolas em Breves/PA


PALAVRAS-CHAVES:

Identidade. Surdez. Negritude. Análise do Discurso.


PÁGINAS: 130
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Educação
SUBÁREA: Ensino-Aprendizagem
ESPECIALIDADE: Avaliação da Aprendizagem
RESUMO:

Este trabalho teve como objetivo geral pesquisar sobre o processo de construção das identidades de negros (as) - surdos (as) no ambiente escolar do município de Breves, Estado do Pará. Como objetivos específicos, buscou-se analisar as narrativas de alunos negros-surdos na cidade de Breves-PA, contribuir com os estudos sobre Educação de surdos no estado do Pará e colaborar com os estudos para a formação de professores em Breves-PA. A pergunta norteadora desta pesquisa foi a seguinte: Qual a visão do aluno sobre sua representatividade no âmbito escolar como um sujeito identificado como negro-surdo? A metodologia utilizada para este trabalho foi a da pesquisa bibliográfica, e de campo. Iniciamos com estudos bibliográficos sobre temas centrais neste trabalho, quais sejam, Educação Especial e Inclusiva, Libras, Educação de Surdos, Negros, Racismo e Identidades Negras- Surdas; para tanto utilizou-se de referências na área como Skliar (1997, 1998, 2005, 2016), Foucault (1995, 2000, 2003 e 2009), Buzar (2009, 2012), Coracini (2003, 2010, 2013 e 2015), Lopes (2010), Munanga (2004, 2006), Hall (1997, 2006), Gomes (2002, 2003), Sá (1999, 2002, 2006), Furtado (2012, 2016), dentre outros. Foram entrevistadas quatro pessoas negro(a)s - surdo(a)s do Município de Breves-PA, em que cada um procura apresentar um pouco seus sonhos, planos, decepções, anseios e lutas em seus próprios mundos na luta para consecução de suas identidades. Esta pesquisa foi classificada como qualitativa, exploratória, bibliográfica-documental e de campo. Para um devido aprofundamento e intepretação das falas dos entrevistados, utilizou de uma ferramenta teórica chamada Análise do Discurso, com base em Orlandi (2005). Logo, tal mecanismo seja o mais ideal para compreender e desenvolver tudo o que é dito (e o que não é dito) pelos sujeitos desta pesquisa sobre ser negro (a) e surdo (a) no Marajó. Como resultados, observamos que: apesar da escola promover a inclusão dos referidos alunos, através do ensino da Libras e do estudo das relações étnico-raciais, os alunos em questão ainda descrevem experiências negativas referentes a situações de preconceito que sofreram dentro da escola. Com isso consideramos necessária a construção de políticas de inclusão voltadas para essa população a serem desenvolvidas dentro das escolas, principalmente na educação básica.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 3159363 - LUCAS RODRIGUES LOPES
Interno - 3285940 - ANDREA SILVA DOMINGUES
Interno - 2524613 - BENEDITA CELESTE DE MORAES PINTO
Externo à Instituição - JUSCELINO FRANCISCO DO NASCIMENTO
Notícia cadastrada em: 05/09/2023 11:42
SIGAA | Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação (CTIC) - (91)3201-7793 | Copyright © 2006-2024 - UFPA - castanha.ufpa.br.castanha1