News

Banca de DEFESA: RHANA BEATRIZ MAIA DE FREITAS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RHANA BEATRIZ MAIA DE FREITAS
DATA: 30/06/2022
HORA: 15:00
LOCAL: PPGEDUC/UFPA-Cametá
TÍTULO:

A CABANAGEM EM CAMETÁ (1835-1840): OUTROS OLHARES E NOVAS ABORDAGENS NOS DISCURSOS E CONTEÚDOS ESCOLARES


PALAVRAS-CHAVES:

PALAVRAS-CHAVE: Cabanagem em Cametá; Conteúdo escolar; Imaginário anti-cabano


PÁGINAS: 162
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Educação
SUBÁREA: Ensino-Aprendizagem
ESPECIALIDADE: Métodos e Técnicas de Ensino
RESUMO:

O  trabalho tem por objetivo analisar a produção e reprodução de textos e imagens relacionados ao tema da Cabanagem nos livros didáticos e paradidáticos, buscando a forma com que esse conteúdo é trabalhado pelos professore nas escolas de Ensino Fundamental da cidade de Cametá. Assim como, refletir a respeito das discussões bibliográficas e vertentes teóricas existentes sobre a Cabanagem em Cametá e as atualizações historiográficas já realizadas em que sujeitos cabanos se tornam parte dessa história, problematizando a versão hegemônica construídas pelas elites locais. Para concretizar esses objetivos utiliza-se o apoio teórico-metodológico de autores que discutem o movimento cabano, como: Raiol (1970), Salles (1992), Di Paolo (1990) e Ferreira (1999). Assim como, autores cametaenses e memorialistas, como: Barbosa (1998), Tamer (1998), Mocbel (1985) e Cardoso (2014). Buscando a caracterização dos livros didáticos e dos currículos escolares são usados autores como: Bittencourt (1998;2008), Saviani (2016) e Arroyo (2013). A base teórica para analisar o imaginário cametaense sobre a Cabanagem, que contém o mito da Samaumeira, o título de “Cidade Invicta”, a imagem heroica de padre Prudêncio das Mercês Tavares e o Painel/Monumento “Resistencia à Cabanagem”, são os estudos de Néstor Canclini (2008) e Eric Hobsbawm (1997). Acrescido de documentos oficiais disponibilizados pelo Arquivo Público do Pará e pelo Arquivo da Diocese de Cametá. Dados parciais da pesquisa demonstram que o imaginário anti-cabano construído em Cametá se faz muito presente, mas inúmeras reflexões já contestaram sua existência. E por meio dos livros didáticos pouco é possível ampliar as discussões sobre esse acontecimento, sendo muito importante o papel do professor nessa mediação. Esse imaginário anti-cabano construído pela elite pós-Cabanagem em Cametá, e mantido pelos memorialistas cametaenses, ainda é muito vivo, estando nos trabalhos sobre o tema e em sala de aula, mas muitas críticas e reflexões já foram realizadas a esses símbolos que apresentam somente um lado da história cabana em Cametá. Essa não é uma realidade somente dos monumentos e praças, mais sim dos livros didáticos, que em sua maioria, se concentram em simplificar processos complexos, que pouco ajudam em uma análise mais ampla dos acontecimentos históricos, ainda mais sendo regional e na Amazônia.

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2524613 - BENEDITA CELESTE DE MORAES PINTO
Interno - 3329971 - MARIA LUCILENA GONZAGA COSTA
Externo à Instituição - ELIANA RAMOS FERREIRA
Notícia cadastrada em: 17/06/2022 09:13
SIGAA | Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação (CTIC) - (91)3201-7793 | Copyright © 2006-2024 - UFPA - bacaba.ufpa.br.bacaba1