PROFBIO Programa POS-GRADUACAO EM ENSINO DE BIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA Telefone/Ramal: Não informado

Site alternativo:

http://
Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFPA

2023
Descrição
  • ALESSANDRO DE BARROS RIBEIRO
  • A GAMIFICAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO EM MICROBIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO

  • Orientador : AGENOR VALADARES SANTOS
  • Data: 19/12/2023
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho propõe urna abordagem não tradicional para o ensino da microbiologia no ensino médio, utilizando a estratégia de ensino conhecida como Gamificação. A Gamificação, que está em sintonia com as novas formas de interação e relacionamento das pessoas com o mundo, tem sido relacionada psicologia comportamental e cognitiva, buscando compreender como as pessoas aprendem e se motivam. Ao adotar a Gamificação como estratégia de ensino, busca-se atrair, envolver e engajar os estudantes de forma voluntária, trazendo ludicidade ao processo de aprendizagem. Espera-se estimular um maior interesse dos estudantes pela microbiologia, promovendo uma aprendizagem mais significativa e contribuindo para a melhoria dos resultados educacionais. A utilização de jogos na educação tem sido uma estratégia cada vez mais adotada para tornar o processo de aprendizagem mais significativo e atrativo para os estudantes. No ensino de microbiologia no ensino médio, essa abordagem pode ser especialmente benéfica, uma vez que os jogos permitem que os alunos aprendam de forma lúdica e interativa, fugindo do modelo tradicional. Ao utilizar jogos no ensino de microbiologia, é possível estimular o interesse dos estudantes pelo tema, promovendo uma aprendizagem mais ativa e participativa. Além disso, os jogos permitem que os alunos experimentem situações desafiadoras relacionadas ao tema, e para a aplicação dos conhecimentos adquiridos em seu cotidiano. Em resumo, espera-se que a nossa proposta de sequência didática utilizando a estratégia de gamificação e jogos educacionais possa ser inovadora e eficaz para o ensino de microbiologia no ensino médio. Espera-se também que ela permita que os alunos desenvolvam habilidades importantes, como pensamento crítico, resolução de problemas e trabalho em equipe, ao mesmo tempo em que aprendem sobre microbiologia de forma mais divertida. Além disso, a gamificação pode ajudar a combater a falta de motivação e engajamento dos estudantes em relação ao ensino tradicional, que muitas vezes se baseia na memorização de informações sem conexão com a vida real. Portanto, a nossa proposta surge como uma alternativa para melhorar a qualidade do ensino de microbiologia no ensino médio e formar alunos mais preparados para os desafios do mundo contemporâneo.
    Palavras chaves: gamificação, microbiologia, motivação, ensino.

2022
Descrição
  • FERNANDO JULIO DE OLIVEIRA PEREIRA
  • Gamificação no ensino de Botânica: Estratégia para a aprendizagem de Morfologia Floral no Ensino Médio. 

  • Data: 17/10/2022
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho consiste de uma proposta pedagógica como Produto Educacional que tem como objetivo propor uma Sequência Didática Gamificada e Investigativa (SDGI) sobre Morfologia Floral nas aulas de Botânica aos estudantes do Ensino Médio. A SDGI constitui-se de atividades que envolvem a cooperação e a colaboração, a partir da utilização de elementos inerentes aos jogos, tais como: missões, pontuações, níveis, distintivos e recompensas, que caracterizam a estratégia da Gamificação, com o intuito de promover a autonomia, o protagonismo, o engajamento, a motivação e a tomada de decisões frente a desafios e obstáculos propostos em sala de aula ou fora dela. A SDGI traz em sua proposta o estudo morfológico das flores quanto às suas características gerais, origens, funções, adaptações, classificações e importâncias econômicas, sociais e ambientais a ser executada em 12 horas-aulas de 45 minutos de duração cada, em um total de 4 encontros, a serem desenvolvidos tanto em sala de aula quanto em espaços pedagógicos como laboratório de informática, bibliotecas e fora do espaço escolar.

  • MILENE PIMENTEL TAVARES LIMA
  • PODCASTS NO ENSINO DE BIOLOGIA: Uma proposta para a aprendizagem significativa de parasitoses intestinais

  • Data: 30/09/2022
  • Mostrar Resumo
  • As parasitoses intestinais constituem-se um dos principais problemas de saúde pública que acomete grande parte da população global e estão intimamente relacionadas às condições sanitárias e representam um importante problema de saúde pública, dessa forma, o ensino dos parasitos e seus meios de transmissão contribui para a promoção de saúde e prevenção dessas infecções. A escola, local fundamental para a veiculação, mediação e problematização de conceitos, hábitos de vida, valores e atitudes, possui impacto na formação da criança e do adolescente uma vez que essa instituição contribui para o desenvolvimento de atitudes saudáveis. Adequar o material didático às especificações e às necessidades do aluno é uma forma de valorizar as experiências que este traz de sua vida extraescolar, viabilizando uma metodologia que estimule a sua criatividade e que favoreça a formação de memórias em longo prazo, as quais são necessárias para a aprendizagem significativa. A inserção das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) no ambiente escolar não deve ser entendida apenas como mais um instrumento de transmissão do conhecimento, mas sim uma maneira em como esses artefatos tecnológicos serão usados, servindo como eixos estruturantes de uma aprendizagem criativa, crítica, empreendedora, personalizada e compartilhada. Refletir sobre a produção de mídias digitais, por meio da utilização de podcast e da interação do aluno com o computador/smartphone, constitui-se estratégia pedagógica fomentadora da aprendizagem de conhecimentos biológicos e instrumento para ações de educação em saúde promovidas por alunos do ensino médio. O conteúdo didático a ser gravado no podcast será construído por meio de uma sequência didática investigativa (SDI) sobre ensino de parasitoses. A validação do produto foi realizada por profissionais da educação básica. A partir da análise dos dados, concluímos que há a necessidade de criar estratégias educacionais que acompanhem as mudanças na sociedade, principalmente no quesito da tecnologia, e possibilidades para que os estudantes tenham a oportunidade de compreender criticamente o meio em que estão inseridos, além de compreender a importância de possuir conhecimentos básicos científicos necessários.

  • ANA LUIZA FERREIRA CORRÊA DE CARVALHO
  • APRENDIZAGEM EM GENÉTICA HUMANA: produção de vídeos de animações para o ensino de anomalias cromossômicas

  • Orientador : LEONARDO DOS SANTOS SENA
  • Data: 29/09/2022
  • Mostrar Resumo
  • Genética é a ciência da hereditariedade, ramo que estuda os mecanismos de transmissão e variação dos caracteres. Esta ciência mostra-se com grande relevância em diversos aspectos do cotidiano. No entanto, possui uma variedade de conceitos pouco intuitivos e abstratos, fatores estes que dificultam a construção de habilidades e competências relacionadas a este tema. Na perspectiva de minimizar estas dificuldades, o presente trabalho propõe a construção uma estratégia de metodologia ativa para otimizar a aprendizagem sobre as anomalias cromossômicas. Esse preceito vem em consonância com o documento normatizador da educação básica, Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que prevê o desenvolvimento de habilidades e competências na área da genética, utilizando ferramentas digitais. Nesse contexto, a criação de vídeos de animações a partir da utilização do celular e aplicativos gratuitos pode trazer novas perspectivas ao ensino promovendo significação durante a construção desses conhecimentos. Assim, enfatizar a construção dos conhecimentos teóricos de forma prática, pode instigar a criatividade do aluno e sua expertise em usar recursos disponíveis para a criação de instrumentos teórico-práticos digitais, baseando-se num ambiente cooperativo. Esse raciocínio teórico pode ser denominado de “Cultura Maker” (aprender – fazendo).

  • RUBENS DE AQUINO OLIVEIRA
  • SEQUÊNCIA DIDÁTICA INVESTIGATIVA PARA A APRENDIZAGEM EM ECOLOGIA

  • Data: 31/08/2022
  • Mostrar Resumo
  • Buscar novas maneiras para facilitar o processo de ensino-aprendizagem para os nossos
    estudantes é o desafio de professores e daqueles que almejam uma educação de qualidade.
    Modelos de ensino pouco eficientes que não deixam os nossos alunos como protagonistas de
    seu processo de aprendizagem precisam ser revistos e se possível substituídos, o que deixa
    claro a necessidade de outras iniciativas. No ensino de Biologia muitos alunos reclamam a
    forma como os conceitos são explorados na escola, seja pela complexidade do conteúdo ou
    pelo método que é utilizado, o que deixa as aulas desestimulantes, pouco atraentes e muitos
    acabam taxando como uma disciplina chata e conteúdo de difícil compreensão. Pensando em
    contrapor esse olhar sobre o ensino de Biologia, em particular a ciência da ecologia com seus
    conceitos imprescindíveis para um ambiente equilibrado, e contribuir para um ensino de
    qualidade, o presente trabalho realizou uma busca na literatura sobre a temática e
    concomitante confeccionou um produto didático cuja proposta de ensino faz o uso de
    atividades sequenciais pautadas no Ensino Investigativo, para ser implementado em alunos do
    Ensino Médio. O produto é um Guia Didático com as atividades para auxiliar a docência em
    suas práticas, além de um estímulo na produção de seu próprio roteiro de aula, e com o
    propósito de facilitar para os alunos a compreensão e a aquisição do conhecimento científico
    sobre a ecologia.

  • MARIA SUELI ALBUQUERQUE MELEM
  • APRENDIZAGEM EM BIOLOGIA EVOLUTIVA: ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO DE “VÍDEOS DE BOLSO” POR ALUNOS DA EJA – EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

  • Data: 30/08/2022
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho se configura como uma produção didática que tem como objetivo desenvolver uma estratégia de produção de vídeos-de-bolso para promover a aprendizagem de conceitos de Biologia Evolutiva entre alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA). A estratégia foi estruturada com base na ideia de produção autoral dos estudantes no processo de aprendizagem de conceitos de Biologia Evolutiva. A forma de apresentação da estratégia é configurada num Guia Didático que apresenta a estratégia organizada em 05 momentos distintos que vão desde a apropriação de conceitos gerais de Evolução Biológica, problematização, elaboração do primeiro e do segundo vídeo e a socialização de novos conhecimentos. Consideramos que a estratégia pode ser aprimorada para se adequar a diferentes públicos da EJA promovendo ambiente educacional favorável ao desenvolvimento da autonomia e da criatividade dos jovens e adultos estudantes da EJA.

  • RENATO VASCONCELOS MOIA FILHO
  • JOGO INVESTIGATIVO DOS BIOMAS BRASILEIROS: Tabuleiro de Sala Ampliado para o ensino médio

  • Data: 30/08/2022
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho se configura como uma produção didática no campo do ensino de biologia que apresenta a descrição do processo de concepção, planejamento e montagem de um protótipo de Jogo Investigativo de Tabuleiro, em tamanho ampliado, destinado à aprendizagens sobre o tema dos ‘Biomas Brasileiros’, entre estudantes do ensino médio. O desenvolvimento do jogo compreende duas etapas: a) a concepção e planejamento da atividade investigativa de aprendizagem, b) a montagem do jogo investigativo de tabuleiro. Na primeira etapa, concebemos a dinâmica do Jogo de tabuleiro em tamanho ampliado tendo como base teórica e metodológica alguns aspectos do ensino investigativo tais como a colaboração em equipes de trabalho, a problematização dos fenômenos, a elaboração de hipóteses, busca e tratamento de informações e a comunicação científica que, no âmbito do plano de desenvolvimento será uma atividade realizada dentro da dinâmica do jogo. A segunda etapa diz respeito à montagem do jogo que envolve o design gráfico dos biomas em tamanho ampliado para ser impresso em material de lona, as peças, cartas e demais acessórios. Em termos conclusivos, consideramos que o produto educacional pode ser reproduzido por professores e escolas que buscam diversificar recursos e estratégias para o ensino de biologia, adotando processos educacionais dinâmicos e motivadores baseados em propostas de desenvolvimento de habilidades investigativas que estimulam o protagonismo do aluno.

  • OTAVIO MOYSES RODRIGUES BEZERRA
  • PROFESSORES DE BIOLOGIA E APRENDIZADO MÓVEL (M-LEARNING): Aplicativo móvel para uso no ensino de verminoses

  • Orientador : JACKSON COSTA PINHEIRO
  • Data: 30/08/2022
  • Mostrar Resumo
  • A notória expansão das tecnologias de informação e comunicação inevitavelmente traz para o espaço escolar diversas possibilidades de buscar e trabalhar informações. Com a ampliação do acesso à telefonia móvel a aprendizagem móvel ou Mobile Learning tem se destacado pela sua praticidade e possibilidade de estudos offline. Como objetivo propõe desenvolver um aplicativo móvel para uso pedagógico de professores de biologia para aulas sobre verminoses e propor reflexões acerca das características e potencialidades do Mobile learning. Nessa perspectiva o presente trabalho culminou em reflexões acerca das potencialidades da aprendizagem móvel no ensino de biologia e também na construção de um produto educacional denominado Worms Study, o qual almeja contribuir para o ensino de biologia especificamente sobre alguns aspectos do conteúdo de verminoses. O produto (aplicativo móvel + roteiro de aprendizagem) foi construído a partir da análise dos apontamentos acadêmico-científicos e incorpora os aspectos mais relevantes da aprendizagem móvel. O presente trabalho, assim, contribuiu com o ensino de parasitologia e forneceu um recurso pedagógico para facilitar o ensino desses conteúdos.

  • ANTONIO JOSE MONTEIRO LEITE
  • STOP MOTION EM SMARTPHONE COMO RECURSO DIDÁTICO PARA A APRENDIZAGEM DE BIOLOGIA CELULAR NO ENSINO MÉDIO

  • Data: 30/08/2022
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho se propõe a investigar e discutir as possibilidades pedagógicas de uma
    técnica de animação digital que favoreça o interesse a aprendizagem do conteúdo de Biologia Celular
    no Ensino Médio. A proposta consiste na utilização da técnica do Stop Motion como uma forma de
    estratégia pedagógica de produção de animação em vídeo para os estudantes do primeiro ano do
    Ensino Médio, utilizando um recurso bastante comum entre eles, o smartphone, o que possibilitará que
    tenham um maior interesse pelos conteúdos de Biologia Celular e mais uma estratégia para superar o
    ensino tradicional, vão expressar o que realmente aprenderam. O trabalho tem como produto previsto
    um guia didático composto por uma Sequência Didática - SD, um manual de procedimentos e as
    orientações para a produção de Stop Motion em smartphone para auxiliar professores de Biologia, em
    especial no campo da Biologia Celular, quanto ao uso da técnica, que pode ser adaptada de acordo
    com as diferentes realidades escolares. A SD consta de cinco momentos: 1- Discussão e
    questionamento sobre os assuntos de Biologia Celular; 2 - Aula expositiva sobre os conteúdos de
    Biologia Celular; 3- Oficina da técnica de animação em Stop Motion; 4- Construção do cenário, roteiro,
    filmagem e edição de vídeo em Stop Motion e 5- Apresentação e avaliação das animações. A SD será
    avaliada posteriormente e essa avaliação será desenvolvida no ambiente de trabalho profissional do
    pesquisador: uma escola pública no município de Belém, Pará – pertencente à Secretaria de Educação
    do Estado – SEDUC- PA, Participará da pesquisa uma turma de 1º ano do Ensino Médio com 30
    estudantes, com idades variando entre 14 e 17 anos, nos diferentes níveis cognitivos, selecionada
    aleatoriamente. Os dados coletados servirão de base para a construção da ideia de que o Stop Motion
    em smartphone pode ser uma importante ferramenta facilitadora da aprendizagem dos conteúdos
    abstratos da Biologia Celular.

  • LUIS FLAVIO GARCIA MENDES
  • APRENDIZADO DE HISTOLOGIA VEGETAL E AS METODOLOGIAS ATIVAS: uma sequência didática fundamentada na Aprendizagem Baseada em Equipes

  • Orientador : ROBERTA MACEDO CERQUEIRA
  • Data: 29/08/2022
  • Mostrar Resumo
  • O ensino de Botânica no Ensino Médio é permeado entre métodos tradicionais expositivos, no qual o professor é o condutor principal de uma metodologia memorística, focada geralmente na transmissão de conteúdo e na passividade do aluno. Na contramão deste paradigma habitual das aulas de Biologia está a proposta das Metodologias Ativas, centradas na autonomia e na colaboração dos estudantes. Nelas, eles são os protagonistas do próprio processo de ensino-aprendizagem. Dentro deste universo de Metodologias Ativas, encontramos a Aprendizagem Baseada em Equipes/ABE, também conhecida como TBL do inglês Team Based Learning, que busca estimular a autonomia dos estudantes, explorando também o aprendizado aos pares. É neste contexto e buscando romper com este paradigma habitual das aulas de Botânica que este estudo busca analisar como o processo de ensino-aprendizagem dos conceitos de Botânica sobre Histologia Vegetal pode ser beneficiado, a partir da utilização de uma Sequência Didática envolvendo etapas da Aprendizagem Baseada em Equipes. Ao fim do processo esperamos construir um aprendizado significativo da Botânica para os estudantes do 3º ano do Ensino Médio, da Escola Estadual Acácio Felício Sobral, localizada no bairro de Canudos, em Belém-PA.

  • RINALDO BARRAL SOUZA
  • CONSTRUÇÃO E APLICAÇÃO DE PARÓDIAS MUSICAIS DESTINADAS À EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO COTIDIANO ESCOLAR

  • Data: 29/08/2022
  • Mostrar Resumo
  • A utilização de paródias musicais no ensino de Biologia tem se demonstrado como um eficiente método no processo de ensino aprendizagem, sobretudo no que diz respeito ao bem estar e motivação em sala de aula. Assim sendo, este trabalho procura aplicar de forma lúdica os conceitos que envolvem a Educação Ambiental, com observância dos Parâmetros Curriculares Nacionais de Meio Ambiente e Saúde, adentrando em uma transversalidade possuindo de cunho interdisciplinar. A ideia central é proporcionar a docentes e discentes uma ferramenta a mais na jornada por uma educação de qualidade em escolas do ensino básico, públicas e privadas, com abrangência também ao nível superior. A proposta inclui inicialmente atividades interdisciplinares com estudantes do Ensino Fundamental e Médio, com foco na Educação Ambiental crítica a fim conscientizá-los a respeito dos problemas ambientais existentes em suas respectivas comunidades e também permitir a percepção do ambiente a sua volta. O tópico referente aos materiais e métodos se baseia na abordagem qualitativa a partir de uma pesquisa de opinião. As paródias como produção de texto permitem a recriação de uma obra já existente a partir da reflexão sobre um tema. Assim sendo, foi abordado o tema de forma mais dinâmica, tornando a aula mais interessante para os alunos. As músicas parodiadas se baseiam em clássicas produções nacionais e internacionais, aproveitando melodias de fácil assimilação, incorporando nas letras os problemas e soluções associados aos problemas do meio ambiente, em especial da região habitada pelos alunos. Desta forma foi possível fornecer um material eficiente e proveitoso às comunidades estudantis como um todo, bem como uma ferramenta de trabalho a diversos professores que se interessam em aprimorar suas metodologias em sala e na vida diária.

  • VERONICA GIULIANE MONTEIRO FERREIRA
  • EBOOK COM UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE BOTÂNICA: APRENDIZAGEM DE PLANTAS MEDICINAIS DO MUNICÍPIO DE MOJU-PARÁ

  • Data: 29/08/2022
  • Mostrar Resumo
  • Na Amazônia, os conhecimentos acumulados por indígenas e caboclos podem fornecer preciosas informações sobre o atual debate relativo ao uso e manejo de recursos naturais, especialmente daqueles de origem vegetal. O resgate desse conhecimento propicia elementos fundamentais para a conservação da biodiversidade, para as alternativas de subsistência e mesmo para a manutenção da diversidade cultural. Este trabalho tem como objetivo construir possibilidades de ensino sobre espécies vegetais encontradas na Amazônia utilizadas na saúde por meio de uma sequência didática (SD) que parte de conhecimentos etnobotânicos de estudantes do ensino médio de uma escola pública de Moju-Pará. Este estudo foi inspirado no ensino investigativo, um tipo de abordagem que considera o aluno como sujeito do conhecimento e o que ele constrói em sala de aula é resultado da interação com os outros que estão no mesmo espaço social, compartilhando os saberes populares e transformando-os progressivamente em científicos. A metodologia envolve a construção de um e-book etnobotânico ilustrado, com uma SD sobre plantas medicinais, usadas no município de Moju-Pa, indicadas por 35 alunos de uma turma do 2º ano do ensino médio, que tem o propósito de contribuir para o ensino de Biologia por meio da abordagem do assunto “espécies amazônicas e seu aproveitamento na saúde e economia” da disciplina de Biologia do ensino médio. Os resultados obtidos nesta produção confirmaram a expectativa inicial, pois pode-se sistematizar e construir o produto educacional que é uma SD em formato de e-book, onde foi possível introduzir uma riqueza de ideias e conteúdos, como: nomenclatura científica, morfologia vegetal e a etnobotânica no ensino de Biologia através de uma SD, e com isso construir conhecimento científico utilizando dados empíricos.

  • DANIELLE QUADROS DE OLIVEIRA
  • DESENVOLVIMENTO DE JOGO DIDÁTICO SOBRE O PROCESSO FOTOSSINTÉTICO E SUA APLICABILIDADE COMO FERRAMENTA DE ENSINO

  • Data: 26/08/2022
  • Mostrar Resumo
  • O processo fotossintético compreende absorção da luz, conversão energética, transferência de elétrons e uma via enzimática complexa, resumidamente pode ser descrito como um processo de conversão de energia luminosa (fótons) em produtos químicos estáveis, utilizando de reações biofísicas e bioquímicas que ocorrem nos cloroplastos. Os conceitos bioquímicos necessários para a compreensão da fotossíntese muitas vezes não são abordados de forma eficiente para maior alcance no processo de ensino-aprendizagem. O ensino da fotossíntese não é simples, além de interdisciplinar, é um tema considerado de difícil compreensão e assimilação para muitos alunos, além disto percebe-se que parte dos docentes possuem certa dificuldade em abordar este conteúdo. Neste trabalho foi elaborado uma sequência didática, baseada em metodologias ativas, e construído um jogo didático sobre fotossíntese com participação dos alunos, objetivando maior protagonismo dos mesmos. O público-alvo foi 45 alunos de turma do 1º ano do Ensino Médio de Escola Estadual (Ananindeua-PA). Devido as restrições sanitárias impostas pela pandemia de COVID-19, o jogo Fóton-síntese foi inicialmente construído pelo professor no formato de tabuleiro e cartas, com o afrouxamento das restrições e o retorno das atividades presenciais foi dado prosseguimento a elaboração de novas questões para as cartas e discussão das regras e dinâmica do jogo em colaboração com os alunos. Durante a aplicação da estratégia didática, o professor acompanhou como observador tomando nota das reações e opiniões dos alunos individualmente ou em grupos para avaliação. Para acompanhamento e validação, antes e após a realização do jogo, foram aplicados questionários, sobre o tema alvo e sobre motivação. A análise quantitativa dos questionários e das observações qualitativas foram utilizadas na validação. A maioria dos alunos participaram ativamente da estratégia aplicada, 66,7% nunca haviam participado de jogo didático e 51,5% sentiam dificuldades em aprender sobre fotossíntese. Após aplicação da estratégia, com o uso do jogo Fóton-síntese, os alunos descreveram a atividade como agradável, que gostariam de repetir e que fosse utilizado em outras disciplinas, se sentiram motivados e disseram que facilitou a aprendizagem sobre fotossíntese. A utilização de metodologias ativas na sequência didática teve impacto positivo na motivação e interesse dos alunos e a participação na construção e no jogar do Fóton-síntese contribuiu para maior alcance da metodologia favorecendo maior participação e a aprendizagem dos alunos.

  • ANA CARLA GOMES CASTRO
  • PROPOSTA DE ENSINO POR INVESTIGAÇÃO PARA APRENDIZAGEM DE CONCEITOS DE EVOLUÇÃO BIOLÓGICA NO ENSINO MÉDIO

  • Data: 26/08/2022
  • Mostrar Resumo
  • A evolução dos seres vivos é o tema central e norteador do pensamento biológico, sendo fundamental ser trabalhado no ensino médio como eixo estruturado das demais áreas da biologia. Esse trabalho teve como objetivo elaborar uma Sequência Didática Investigativa (SDI) com conceitos-chave em evolução biológica e discutir sobre as contribuições do ensino por investigação dentro dessa temática na formação do pensamento crítico dos estudantes. A SDI é voltada aos professores d                a    educação básica e poderá ser aplicada em turmas de 2° ou 3° anos do Ensino Médio, pois será distribuída de forma gratuita. A proposta tem como base a abordagem investigativa para que os docentes diversifiquem as suas             estratégias de ensino para despertar a curiosidade e a criatividade dos estudantes, orientando-os a pesquisarem novas metodologias, bem como incentivar a promoção de atividades experimentais que possam estimular e ajudar na compreensão dos conceitos e no entendimento do fazer científico, especialmente nas relações evolutivas entre grupos biológicos baseadas na alteração de seus caracteres através do tempo. A validação da SDI foi realizada por profissionais da educação básica e do magistério superior, bem como foi utilizada em sala de aula com uma turma do 3° ano do Ensino Médio em uma escola na região norte brasileira. Os resultados foram surpreendentes no sentido de atestar a grande dificuldade dos estudantes na compreensão da evolução biológica enquanto ciência, bem como dos conceitos relacionados, especialmente da mudança dos caracteres ao longo do tempo, da variabilidade e das relações de parentesco entre seres vivos. Enquanto docente da rede pública, o trabalho foi desafiador e marcante, estimulando a mudança na prática educativa. 

  • THIAGO AMORIM SALGUEIRO
  • TECNOLOGIA ASSISTIVA NO ENSINO DE BIOLOGIA: APRENDIZAGEM EM GENÉTICA PARA ALUNOS SURDOS

  • Data: 25/08/2022
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem como objetivo desenvolver um produto educacional adaptado como
    tecnologia assistiva para o ensino e a aprendizagem de conceitos e procedimentos analíticos
    em genética para estudantes surdos no ensino médio, o qual denominamos de “QUADRO
    MAGGENÉTICO”. A metodologia foi organizada na estruturação e desenvolvimento do
    produto educacional a partir da construção de um conjunto de peças magnéticas, sendo
    algumas tridimensionais, cartas de caráter instrutivo, cartas de caráter avaliativo e vídeos
    explicativos com interpretação em LIBRAS para serem utilizadas no quadro magnético. Além
    da descrição do processo de construção de cada item do produto educacional foi descrito
    também a aplicabilidade de todo o conjunto de peças e cartas do “QUADRO
    MAGGENÉTICO” a serem utilizadas nas salas de aula pelo professor de Biologia e pelos
    professores da Sala de Atendimento Educacional Especializado (SAEE) de maneira mais
    dinâmica, atrativa e com maior participação do aluno no seu processo de aprendizagem, visto
    que o produto foi desenvolvido para a promoção da autonomia do estudante surdo. O produto
    educacional surgiu dentro de um olhar direcionado às dificuldades enfrentadas pelos
    estudantes surdos, ao se depararem com o universo de conceitos de natureza abstrata
    presentes nas aulas de genética. O desenvolvimento do presente recurso educacional nos
    mostra que é possível criar meios de produzir conhecimento, aprendizado e inclusão, mesmo
    com realidades adversas, com a falta de incentivo e escassez de recursos no âmbito escolar.

  • JOICE DO SOCORRO FARIAS DA SILVA COSTA
  • RECURSOS DIDÁTICOS PARA O ENSINO MÉDIO: UMA ABORDAGEM ACERCA DA TEMATICA METODOS ANTICONCEPCIONAIS

  • Data: 25/08/2022
  • Mostrar Resumo
  •  

    A fase da adolescência é marcada pelo despertar da sexualidade com transformações físicas, psíquicas e emocionais, que coloca o adolescente em estágio de vulnerabilidade. Esses jovens obtêm informações, na maioria das vezes, de forma incorreta ou por outros adolescentes ou em sites não confiáveis que contribuem para a prática do sexo de forma insegura. O trabalho teve o objetivo de produzir e utilizar o E-book como recurso didático para aprendizagem e divulgação dos métodos anticoncepcionais aplicado em uma Sequência didática (SD). A metodologia foi desenvolvida a partir de dois tópicos: 1-Construção de um E-book sobre métodos contraceptivos. 2- Elaboração de uma sequência didática que consistiu nas seguintes etapas, a) levantamento de conhecimento prévio dos alunos; b) aula expositiva e dialogada sobre sistema reprodutor feminino e masculino, IST e gravidez; c) aplicação do E-book; d) aula expositiva e dialogada com interação entre os saberes adquiridos e conhecimentos prévios; e) apresentação de cenas teatrais; f) validação do E-book e da SD pelos próprios alunos. O resultado desse trabalho foi construção de dois produtos educacionais, um E-book sobre Métodos Anticoncepcionais e uma Sequência Didática como medida para aplicação do E-book. A partir desses produtos foi observado maior estímulo do aluno e um amadurecimento quanto as informações do conteúdo sobre métodos anticoncepcionais, no qual foi demonstrado pela participação nas atividades realizadas em sala de aula. Entre elas houve a realização de cenas teatrais baseada na história relatada no próprio E-book e na criação de novas histórias que representassem situações que pudessem ocorrer no cotidiano do adolescente, caso não houvesse um conhecimento correto sobre esses métodos. Desse modo, o material produzido atendeu as expectativas dos alunos e consolidou que a metodologia adotada estimulou a reflexão acerca da temática e a motivação no processo ensino-aprendizado.

  • ROGERIO SILVA E SILVA
  • Supermercado como espaço não formal para o ensino de Botânica: sequência didática para aprendizagem ativa no ensino médio

  • Data: 12/08/2022
  • Mostrar Resumo
  • O ensino de botânica tornou-se um verdadeiro desafio para alunos e professores na educação básica. Os motivos são extremamente variados, acredita-se que metodologias tradicionais pautadas em aulas meramente descritivas, onde o aluno é apenas um agente passivo no processo de ensino e aprendizagem, tem se mostrado um dos obstáculos para o ensino de botânica. Conteúdos e metodologias no ensino médio são voltados, quase que exclusivamente, para a preparação do aluno para os exames vestibulares, em detrimento da formação para o exercício da cidadania e para a progressão no trabalho e em estudos posteriores. Esta pesquisa, objetiva investigar se uma sequência didática de botânica, que utilize um supermercado como espaço não formal de ensino, pode favorecer a aprendizagem ativa sobre organologia vegetal. Será aplicada uma sequência didática, distribuída em seis momentos, junto a uma turma de 2º ano do ensino médio, com o intuito de promover maior envolvimento dos alunos pela botânica.

  • ANA CRISTINA DE OLIVEIRA ROSA
  • ENSINO DE ECOLOGIA EM ESPAÇO NÃO FORMAL DE ENSINO: PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO MÉDIO

  • Data: 05/08/2022
  • Mostrar Resumo
  • A importância da Ecologia está na compreensão das complexas relações dos seres vivos com  a biosfera. Como podemos possibilitar que os estudantes visualizem fenômenos ecológicos, onde eles se processam? Como alternativa, apresentamos a utilização de espaços não formais para o ensino e a aprendizagem de Ecologia, de modo que estudantes entendam sua inserção nas relações ecológicas, como parte integrante da natureza. Desse modo, apresentamos uma Sequência Didática Investigativa (SDI) de Ecologia em Espaço Não Formal de Ensino desenvolvida no 3º Ano do Ensino Médio de uma escola pública do Município de Castanhal no interior do Pará. A pesquisa teve abordagem prática e qualitativa, utilizando como instrumentos de coleta de dados: gravações audiovisuais, fotografias, anotações sobre as falas dos estudantes e observações em campo. Na aplicação das atividades, os(as) estudantes protagonizaram a exploração de um ambiente fora da sala de aula convencional e apresentaram mudanças sobre sua consciência ecológica, principalmente no que se refere às ações antrópicas e os seus impactos. Com a utilização de espaços não formais aliados a atividades de caráter investigativo, verificamos um aumento do interesse e da participação dos estudantes sobre problemas  ambientais  e  a reflexão sobre a necessidade e a possibilidade de intervir na realidade observada. Essa contribuição para a aprendizagem em Ecologia aparece como resultado de uma abordagem mais articulada do conhecimento e da integração do(a) estudante ao ambiente, resultando em um ensino contextualizado por meio da vivência dos conhecimentos ecológicos na prática. Como resultado dessa atividade foi elaborada uma SDI, um produto educacional produzido para professores da educação básica e avaliado por eles. Um dos destaques na avaliação da SDI é a de que os professores da educação básica a utilizariam em suas aulas pela praticidade, objetividade, contextualização do ensino de Ecologia, protagonismo dos(as) estudantes e interdisciplinaridade da proposta de ensino.

  • LANAIDE LOBATO VIANA
  • SEQUÊNCIA DIDÁTICA INVESTIGATIVA: UMA PROPOSTA PARA O ENSINO MÉDIO DE BIOLOGIA COM ÊNFASE EM DIVISÃO CELULAR

  • Data: 24/06/2022
  • Mostrar Resumo
  • Perante os desafios dos professores de Biologia no ensino de divisão celular, principalmente na abstração de conceitos, é que a proposta de um ensino inovador é necessária para estimular os estudantes a construir sua aprendizagem com protagonismo, criticidade e articulação com conhecimentos prévios que dispõem da realidade a qual vivem. Sob essa perspectiva, desafiadora aos docentes que atuam no Ensino Médio, é proposto como Produto Educacional, uma Sequência Didática Investigativa com o objetivo de contribuir para o processo de ensino e aprendizagem de estudante do 10 ano de Ensino Médio acerca do tema divisão celular. A referida proposta foi elaborada para execução em oito aulas e realizada em cinco etapas: 1) Levantamento do Conhecimento Prévio; 2) Resolução de Situação-problema; 3) Sistematização do Conhecimento; 4) Contextualização Social do Conhecimento e 5) Construção de Infográfico. Os resultados esperados com a SDI consistem no protagonismo do estudante no processo de aprendizagem da temática divisão celular e que possa tornar os conteúdos contextualizados e com sentido para a vida do aluno.

  • DEBORA GRACIELEM ALVES DA SILVA
  • EXPERIMENTOTECA DE BIOLOGIA: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COLABORATIVA PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO

  • Data: 01/04/2022
  • Mostrar Resumo
  • A Experimentoteca tem sido uma estratégia pedagógica utilizada nos últimos anos com o intuito de permitir vivências e experimentações no Ensino de Biologia na Educação Básica, por meio da elaboração de kits didáticos que objetivam despertar o interesse dos alunos em investigações científicas, desenvolver habilidades para resoluções de problemas e ampliar a reflexão pelas Ciências Biológicas, dentre elas a Microbiologia. A abordagem do seu conteúdo nas aulas de Biologia é de extrema relevância, pois estão diretamente relacionados à saúde dos seres vivos e ao funcionamento do meio ambiente. No entanto, o que se observa na maioria das escolas é que as aulas dessa temática são ministradas de forma meramente tradicional, pela ausência de estratégias de ensino-aprendizagem eficientes o que inviabiliza o conhecimento científico do aluno. O presente trabalho teve por objetivo investigar os potenciais pedagógicos da construção de uma Experimentoteca de Biologia para aprendizagem colaborativa dos alunos do Ensino Médio. Com a colaboração de uma turma do 3º ano do Ensino Médio, foi produzido um Jogo Didático através do qual os alunos tiveram a oportunidade de revisar o conteúdo de Microbiologia de forma lúdica, permitindo que os mesmos fizessem correlações com questões da vida cotidiana que envolvam saúde, questões ambientais e aspectos relacionados a bioética. Além disso, foi observado que estas atividades podem ser realizadas com materiais de baixo custo e fácil acesso, contribuindo para a aprendizagem colaborativa da Microbiologia no Ensino Médio. Durante as pesquisas solicitadas, na elaboração do jogo e a criação de regras, foi visível a colaboração e a participação dos alunos, a turma apresentou maturidade nos debates, desta forma as atividades em sala se mostraram muito produtivas.

2021
Descrição
  • ADELSON LUIS CARDOSO
  • PROJETO HORTO MEDICINAL ESCOLAR ‘CONHECENDO A BOTÂNICA’ COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM EM BIOLOGIA.

  • Orientador : ROBERTA MACEDO CERQUEIRA
  • Data: 30/08/2021
  • Mostrar Resumo
  • O presente Trabalho de Conclusão de Mestrado (TCM) objetivou a elaboração de um Projeto de Horto Medicinal Escolar. A implantação ocorreu na Escola Estadual Presidente Dutra, localizada na vila de Itupanema, no município de Barcarena/PA. Por meio da abordagem qualitativa, através de questionamentos, entrevistas semiestruturadas e observação direta, foi utilizada a Aprendizagem Baseada em Projetos (ABP) com o objetivo de iniciar os Estudantes em projetos de investigação, culminando com a criação de Artefatos contendo Códigos de Resposta Rápida (QR Code), para leitura pela câmera do Smartphone. As atividades inerentes à implantação foram desenvolvidas juntamente com 36 Estudantes do 3º ano do Ensino Médio, tendo como proposta educativa a aplicação de conteúdos integradores em Botânica, visando integrar os conhecimentos prévios adquiridos sobre a importância das Plantas Medicinais no cotidiano dos Estudantes, permitindo-os contextualizar o tema e ampliar seus saberes sobre o assunto através da modalidade prática desenvolvida e, por conseguinte, propor que o Projeto ao ser validado e publicado possa ser adotado por Professores no ensino de Biologia em outras Escolas

  • THAISE DA SILVA SOUZA
  • ENSINO INVESTIGATIVO DE ECOLOGIA: Sequência didática para o Ensino Médio

     

  • Data: 12/07/2021
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem como objetivo estruturar uma Sequência Didática Investigativa (SDI) para promover a aprendizagem de conceitos e relações socioambientais em Ecologia, entre estudantes do ensino médio.  A metodologia de produção didática se organizou nas seguintes etapas: levantamento bibliográfico; apropriação das características do Ensino Investigativo (EI); definição da estrutura da Sequência Didática Investigativa, seleção e organização de conteúdos de Ecología, materiais, estratégias e encadeamento de eventos didáticos da SDI de ecología problematizando um contexto real de impacto ambiental. A SDI aqui apresentada foi construída com base no modelo do ciclo investigativo sugerido por Pedaste et al (2015) para o Ensino por Investigação e configurada para o nível de investigação estruturada, conforme propõem Banchi e Bell (2008). Utilizamos o contexto científico do desastre socioambiental causado pelo rompimento de uma barragem de minério na cidade de Mariana (MG), ocorrido em 05 de novembro de 2015, para abordar conteúdos conceituais, procedimentais e atitudinais ligados à Ecologia (conceitos básicos, poluição da água e do solo, fragmentação do hábitat, problemáticas ambientais, políticas e sociais impostas à população daquele municipio mineiro). Devido este trabalho ter sido desenvolvido durante o período de pandemia da Covid19 não foi possível planejar e desenvolver uma metodologia de pesquisa de validação, tanto para experimentar o desenvolvimento da SDI em situação prática na escola quanto para discutir suas qualidades e limites no processo de aprendizagem dos alunos. Em termos conclusivos, podemos destacar que o processo de estruração de um modelo de SDI capaz de potencializar a aprendizagem científica de estudantes do ensino médio tende a demandar do professor tanto o domínio do conteúdo de ecologia quanto a compreensão das relações econômicas, políticas e sociais presentes em problemáticas ambientais do mundo real. Essa compreensão docente é de fundamental importância para que o professor possa escolher recursos e estratégias que forneçam ajuda pedagógica para os estudantes pensarem hipóteses e mecanismos de solução para os problemas apresentados, desenvolvendo sua capacidade investigativa e compreensiva das relações entre ciência e sociedade. Por sua vez, o planejamento de uma sequência didática investigativa, com foco no Ensino de Ecologia, exige esforços para conceber e planejar etapas de um processo educativo que ajude os alunos entenderem conceitos próprios da Ecologia e, para além disso, da natureza da Ciência e das relações entre Ciência, Tecnologia, Sociedade e Ambiente.

  • ANGELICA ANUTE FERREIRA FERNANDES GOMES
  • SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE FISIOLOGIA HUMANA

  • Data: 12/04/2021
  • Mostrar Resumo
  • O Ensino por Investigação é visto como uma abordagem que, ao contrário do modelo convencional expositivo, começa com uma problematização, sendo essa uma questão norteadora para a motivação da aprendizagem dos alunos, na qual a proposta é o aluno raciocinar na construção do conhecimento e a ação docente é de orientar e encaminhar as reflexões dos estudantes nesse processo. Este projeto objetiva promover o Ensino Investigativo de temas da Fisiologia Humana por meio da elaboração de Sequências Didáticas Investigativas (SDI) que contemplem os níveis confirmativo e estruturado de investigação para o ensino de Fisiologia Humana. A abordagem metodológica escolhida para trabalhar este tema foi a abordagem investigativa, a qual deu origem ao produto intitulado: PROPOSTA DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE BIOLOGIA. O Produto Educacional proposto são duas Sequências Didáticas Investigativas (SDI) para a aprendizagem dos Sistemas Digestório e Respiratório, ambos conteúdos de Fisiologia Humana. As Sequências Didáticas Investigativas seriam aplicadas com uma turma do Ensino Médio, em uma escola estadual localizada no município de Ananindeua/PA, porém com a interrupção das aulas presenciais devido a pandemia de Covid-19, não foi possível. Desse modo, o presente trabalho foi reestruturado com novos objetivos propostos os quais resultaram na elaboração do produto educacional apresentado.

2020
Descrição
  • CAMILA MARREIRA PACÍFICO
  •  

    SEQUÊNCIA DIDÁTICA INVESTIGATIVA DE BIOÉTICA EM GENÉTICA:

     Temas e dilemas no Ensino de Biologia

  • Data: 17/12/2020
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho consiste na elaboração de uma Sequência Didática Investigativa (SDI) para o ensino de Bioéticaem Genética, no contexto dos conteúdos de Biologia para o ensino médio. O objetivo é promover o ensino de bioética por meio de recursos e estratégias variadas, com base no ensino investigativo. A abordagem metodológica escolhida para trabalhar este tema foi a abordagem investigativa, a qual deu origem ao produto intitulado: ENSINO DE BIOÉTICA EM GENÉTICA: Sequência Didática Investigativa para o Ensino Médio. Em termos finais, não conclusivos, pode-se perceber que alguns passos são fundamentais para a elaboração de um produto com foco num processo de ensino e de aprendizagem para o contexto dos estudos em Biologia, tais como: Conhecer as características de uma SDI, por meio de levantamento bibliográfico; definir os aspectos do ensino investigativo que seriam contemplados na SDI e a escolha dos temas a serem abordados na SDI. Além disso, a estruturação de uma SD implica que cada momento e as etapas de uma SDI devem estar devidamente apresentados no formato de orientação para o professor, explicitando objetivos pretendidos, a duração das atividades, o local de realização das mesmas, os recursos materiais, didáticos e metodológicos necessários, a metodologia aplicada e a proposta de avaliação. O ensino investigativo deve ser o eixo estruturante da SD, razão pela qual cabe definir características comuns na literatura, tais como: escolha do objeto de estudo e problematização, expressão de ideias prévias dos alunos e projeção de hipóteses, construção e comunicação de novas informações produzidas pelos alunos e, finalmente, expressão e comunicação científica.

  • VENICIUS LANOA FAGUNDES
  • MAPA TEMÁTICO COM QR CODES PARA O ENSINO DE EVOLUÇÃO HUMANA

  • Data: 14/12/2020
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho consiste no desenvolvimento e na pesquisa de validação de um produto
    educacional configurado como um ‘Mapa da Evolução Humana com QR Codes’’ que
    utiliza os códigos de resposta rápida, os Qr Codes, para promover a aprendizagem da
    evolução humana, sua origem e dispersão a partir do continente africano, situado como lugar
    da origem comum de toda a espécie humana. O contexto da pesquisa é o ensino de biologia
    na educação básica, o locus está situado na Universidade Federal do Pará, no município de
    Belém e os participantes são docentes-pesquisadores com experiência na formação de
    professores de biologia na UFPA, que formarão um painel de especialistas. A metodologia
    deste trabalho está configurada em duas etapas: 1. Elaboração do produto educacional: mapa
    da origem e dispersão humana com Qr Codes e, 2. Pesquisa de Validação sobre o
    desempenho do produto para a aprendizagem sobre evolução humana. Para a elaboração do
    produto, foram utilizadas as ferramentas Canva e Paint 3D para a criação do mapa, dos QR
    codes e dos PDFs, gratuitamente disponíveis na internet. A pesquisa de validação é de
    natureza qualitativa, a coleta de dados foi feita por meio de questionários on-line. As
    informações obtidas foram organizadas em 2 categorias de análise: Aspectos positivos que
    qualificam o produto educacional e aspectos que necessitam de adequações. Os resultados
    mostraram que o produto tem avaliação positiva em muitos aspectos técnicos e pedagógicos
    tais como a forma alternativa de abordar o tema da evolução humana e a linguagem clara e
    objetiva, mas mostrou necessidade de adequações em alguns aspectos tais como a adequação
    à norma culta da língua e o uso de questões problemas como mobilizadores de
    conhecimento. No geral o produto foi avaliado como positivo para o objetivo da
    aprendizagem sobre evolução humana.

  • NILTON CLEBER MELO DO NASCIMENTO
  • APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DA SALA DE AULA INVERTIDA NO ENSINO DE BOTÂNICA PARA O ENSINO MÉDIO

  • Data: 12/11/2020
  • Mostrar Resumo
  • O ensino por investigação surgiu como alternativa às aulas tradicionais, onde o professor é a única fonte de conhecimento. Nesse contexto, a sala de aula invertida (flipped classroom) é considerada uma inovação no processo de aprendizagem, onde a ideia é que o aluno absorva o conteúdo através do meio virtual, e, ao chegar na sala presencial, ele já esteja ciente do assunto a ser desenvolvido. A sala de aula invertida cria condições de se ter uma participação mais ativa dos alunos, implicando em uma mudança da prática e do desenvolvimento de estratégias que garantam a organização de um aprendizado mais interativo e intimamente ligado a situações reais dos estudantes. Esse tipo de mudança mostra-se essencial e urgente no ensino de botânica, uma vez que mesmo desfrutando de uma série de benefícios gerados pelas plantas, poucos conhecem a extensão dos recursos apropriados desses seres. Mostra-se necessária uma melhor compreensão, por parte dos alunos, da importância das plantas em seu cotidiano. Contudo, muitos estudantes e professores consideram o ensino da botânica nos moldes tradicionais pouco atrativo ou até mesmo desestimulante. É objetivo do presente trabalho criar um guia metodológico aplicando a metodologia da sala de aula invertida no ensino de botânica para o Ensino Médio. Nessa metodologia, serão utilizadas videoaulas produzidas em espaços verdes da cidade, estimulando os alunos ao reconhecimento da flora local e a identificação de suas características básicas. São esperadas alterações positivas no processo de ensino e aprendizagem e uma valorização da importância da botânica no cotidiano dos alunos.

  • VÂNIA GONÇALVES PARENTE
  • SESSÕES TUTORIAIS APOIADAS NA APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS (ABP) PARA O ENSINO DE ECOLOGIA: TRABALHANDO OS CONCEITOS ECOLÓGICOS NO CONTEXTO DA MINERAÇÃO

  • Data: 04/11/2020
  • Mostrar Resumo
  • É notória a relevância dos problemas ambientais causados pelas atividades humanas nos meios de comunicação, incluindo a mineração. Nesse contexto, é grande a preocupação de se formar alunos com conhecimentos acerca dos conceitos ecológicos, para exercer sua cidadania de forma crítica e reflexiva, visando a conservação dos recursos naturais e evitando problemas como esses. Para tanto, é necessário adotar formas de ensino e aprendizagem que favoreçam o protagonismo do aluno, levando o aluno a “aprender a aprender” – as metodologias ativas. Dentre elas, a Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP) se desenvolve por meio de problemas que são elaborados a partir da observação da prática vivenciada, tendo como objetivo de integrar conceitos, noções e princípios com o conteúdo em questão. O objetivo do presente trabalho foi conhecer as possibilidades de aplicação de Sessões Tutorias, utilizando-as na perspectiva da metodologia Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP), no ensino e aprendizagem do conteúdo de Ecologia para o Ensino Médio. O cenário são os problemas socioambientais decorrentes dos impactos causados pela atividade de mineração. Tal temática é de grande relevância atualmente, haja visto os recentes desastres ambientais provocados por empresas de mineração no Brasil. Buscou-se criar um cenário instigante, conduzindo o aluno a refletir e argumentar sobre as alterações ambientais do meio em que vive. Também foi desenvolvido um guia didático-pedagógico para aplicação das Sessões Tutoriais (ST), com enfoque na apropriação de conceitos ecológicos, para professores que tenham interesse em usar metodologias ativas em sala de aula.

  • ERICK JOSE DOS SANTOS SILVA
  • Histórias em quadrinhos (HQs) para o ensino de biologia: uma abordagem para aprendizagem ativa sobre doenças cardiovasculares

  • Data: 30/10/2020
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa compreende um estudo de validação de produto educacional concebido na forma de uma Estratégia Metodológica denominada Histórias em Quadrinhos (HQs) para o ensino de Biologia: uma abordagem para aprendizagem ativa sobre doenças cardiovasculares. Essa estratégia pretende ser instrumento orientador para professores de Biologia que planejam usar HQs em suas aulas, de modo a colaborar com a aprendizagem ativa dos estudantes. A abordagem de pesquisa empregada envolveu duas etapas, em que a primeira consistiu no desenvolvimento e construção da estratégia metodológica voltada para o ensino de doenças cardiovasculares por meio da construção de HQs e a segunda etapa contempla a pesquisa de validação, que foi realizada com professores de Biologia da educação básica. O critério de escolha dos sujeitos participantes da pesquisa (professores) foi que estivessem em formação continuada em nível de mestrado, voltado para o ensino de Biologia. Nesse sentido, participaram dessa pesquisa 16 (dezesseis) professores regularmente matriculados em duas turmas de Mestrado Profissional em Ensino de Biologia, em uma Universidade Pública Federal, no ano de 2020.  Para essa validação foi construído um questionário on-line utilizado durante a coleta de dados, que levou em consideração para a análise dois aspectos fundamentais: os aspectos técnicos e os aspectos pedagógicos. A partir da coleta de dados foi possível fazer a tabulação, realizar a análise e verificar as contribuições dessa estratégia para o ensino de Biologia, bem como identificar aspectos que precisam ser melhorados. Nesse sentido, a análise dos dados indicou que a estratégia metodológica apresentou boa aceitação pelos professores participantes da pesquisa e que, de um modo geral, está adequada para sua aplicação na educação básica, bem como indicou aspectos que podem ser melhorados, de forma a contribuir para uma melhor utilização nas escolas.  

  • ROSICLEIDE MOTA BRANDÃO
  • : Tirinhas de Quadrinhos: uma linguagem lúdica para a abordagem da temática socioambiental no ensino médio

  • Data: 30/10/2020
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo principal deste trabalho foi compreender como o uso de tirinhas no ensino médio pode despertar o interesse pela investigação científica, auxiliando na formação de estudantes críticos e cientes das etapas de uma pesquisa. Para isso, os estudantes do segundo ano do Ensino Médio da Escola Estadual João Carlos Batista, localizada no Bairro "Quarenta Horas”, Município de Ananindeua-PA, participaram de uma atividade em campo no entorno do Rio Quarenta Horas, 950m distante da escola. Durante essa atividade os estudantes observaram o entorno do rio e sua condição em relação à paisagem, limpeza, assoreamento e comunidade do entorno, mediados pela professora que os desafiava com perguntas relativas ao hábitat, diversidade, relações ecológicas, entre outros conteúdos relacionados à educação ambiental. A socialização da prática ocorreria em aula posterior, porém devido à interrupção da atividade presencial na escola em função da pandemia de Covid-19, as discussões aconteceram de forma remota, assim como a construção das tirinhas de quadrinhos elaboradas pelos(as) estudantes abordando as questões levantadas durante a atividade de campo. A atividade investigativa é uma ação próxima à realidade do estudante, levando-o a refletir, discutir e construir seu conhecimento de forma significativa e ativa. A validação dessa atividade foi realizada utilizando um questionário denominado "Intrisic Motivation Inventory (IMI1)” como forma de quantificar a satisfação do estudante quanto à atividade. A partir desta experiência foi elaborada uma sequência didática, avaliada por professores do Ensino Médio quanto à pertinência e auxílio para sua prática educacional. Ao final, foi apresentado um relato de experiência sobre a atividade desenvolvida, comparando-a com o método tradicional utilizado pela professora da disciplina antes da aplicação deste trabalho.

  • PETRONILA WANZELER RODRIGUES
  • O USO DO ENSINO HÍBRIDO NA EDUCAÇÃO BÁSICA: ALTERNATIVAS PARA O ENSINO DE EVOLUÇÃO DOS SERES VIVOS

  • Data: 29/10/2020
  • Mostrar Resumo
  • O ensino híbrido é uma forma de abordagem ativa com estratégias de ensino centradas na participação efetiva dos estudantes e na construção do processo de aprendizagem, de forma flexível, interligada, num mundo conectado e digital que se expressa através de modelos de ensino híbridos, com muitas possíveis combinações. A junção de metodologias ativas com modelos flexíveis traz contribuições importantes para o desenho de soluções atuais para os aprendizes de hoje. Neste sentido, associar a temática evolução dos seres vivos como Ciência integradora a essas metodologias proporcionam ao educando um papel de protagonista na aprendizagem, ampliando seu olhar no sentido de discutir problemas, vivenciar a tomada de decisão e desenvolver o raciocínio crítico analítico. Essas habilidades serão fundamentais para seu desempenho profissional e aproximam o processo ensino-aprendizagem do cotidiano do aluno. O objetivo deste trabalho é analisar o uso de estratégia do ensino híbrido como: laboratório rotacional como recurso de ensino-aprendizagem, estimulando o ensino investigativo em Biologia Evolutiva em uma turma do ensino médio da E.E.E.M. ACY DE JESUS NEVES DE BARROS, Marabá-PA, região norte brasileira avaliada com IDEB 2.9 em 2017. Os estudantes foram orientados a utilizar um aplicativo para aparelhos eletrônicos a partir da temática “evolução dos seres vivos”, além de desenvolverem atividades utilizando os modelos de ensino híbrido nesta temática. Este trabalho baseia-se em uma abordagem qualitativa. Foi desenvolvido um guia didático aos professores do ensino médio para aplicação do ensino híbrido (laboratório rotacional e sugestão de atividade no modelo rotação por estação), um aplicativo com o seu respectivo manual, e um relato de experiência sobre o trabalho desenvolvido.

  • GILBERTO CARDOSO BAHIA
  • PROBLEMATIZAÇÃO NO ENSINO DE BIOLOGIA COM O ARCO DE MAGUEREZ: UM EBOOK PARA PROFESSORES DESENVOLVIDO EM CONTEXTO AMAZÔNICO

  • Data: 28/10/2020
  • Mostrar Resumo
  • A busca por novas práticas pedagógicas, que possam se aplicar ao ensino de biologia, vem ascendendo nos últimos tempos, sempre com o intuito de potencializar o processo ensino e aprendizado, a partir de dinâmicas metodológicas que possibilitem este enfoque. Nesta perspectiva, a pesquisa trouxe uma metodologia baseada no construtivismo: a Problematização, tendo como referência o “Arco de Maguerez”, que apresenta na sua didática, o enriquecimento do protagonismo discente, arraigada ao princípio investigativo retida em seu cerne pedagógico, além de consolidá-la como uma prática educacional que proporcione um pensamento crítico-reflexivo dos atores envolvidos no processo. Outrossim, buscamos neste contexto, apresentar uma estratégia pedagógica para o ensino de temas relacionados à realidade contextualizada da região Amazônica, presentes no conteúdo programático de biologia, como sensibilização socioambiental, recursos hídricos, saneamento básico, profilaxia de endemias, entre outros, que apresentem uma problemática científica e levem à construção de hipóteses e aplicações a realidade. Sendo assim, o presente trabalho tem como objetivo principal refletir sobre possibilidades da metodologia da problematização estruturada pelo Arco de Maguerez no processo de qualificação no ensino de biologia, a partir da produção de um eBook destinado a docentes do ensino médio, que trabalhem esta temática dentro do assunto de ecologia e/ou educação ambiental. O produto contém o passo-a-passo para construção de sequências didáticas com a prática supracitada, que será validada após a análise e avaliação de professores de biologia que conduzem temas referentes a educação ambiental/ecologia. A pesquisa será quantitativa, com base na coleta e análise de dados de uma planilha que foi respondido por professores de biologia da educação básica e mestrandos do programa de Profbio/2018 e expresa em tabelas e gráficos. O critério de seleção dos sujeitos da pesquisa vinculou-se a condição de trabalharem com projetos de educação ambiental/suatentabilidade e/ou estivessem em serviço na educação básica, ou em formação continuada em nível de mestrado. Destes foram triados quinze participantes, tendo em vista trabalhos realizados com projetos de educação ambiental e sustentabilidade em suas instituições de ensino e mestrandos do programa de mestrado profissional em ensino de biologia/2018. Após validação o produto (eBook) estará disponível para consulta e execução.

  • LUCIANA MONTEIRO DA COSTA
  • PROPOSTA DE ENSINO INVESTIGATIVO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO MÉDIO UTILIZANDO ROBÓTICA E ESPAÇOS NÃO FORMAIS DE APRENDIZAGEM

     

  • Data: 26/10/2020
  • Mostrar Resumo
  • A água enquanto elemento importante para a manutenção da vida e do equilíbrio biológico é um tema complexo e que exige uma abordagem contextualizada e interdisciplinar por parte do professor. A conexão do conhecimento a situações reais e ao uso de tecnologias são exigências para a formação atual do estudante do Ensino Médio, ao mesmo tempo em que desafia a prática pedagógica. Assim como nos desafia a mudança de paradigma no ensino e na aprendizagem quando são propostas Metodologias Ativas de Aprendizagem inserindo o estudante no centro deste processo, de forma ativa e com reconhecidos ganhos em motivação e aprendizagem. O objetivo principal da pesquisa foi o de investigar e analisar a aplicabilidade de uma proposta pedagógica com uso da robótica educacional como ferramenta integradora e motivacional no estudo da ‘Água’, na promoção da Educação Ambiental com uma abordagem investigativa em um afluente do Rio Murucupi, situado no entorno da Escola Estadual Eduardo Angelim, no Município de Barcarena-PA, região norte brasileira, incluindo a produção e a validação de um Roteiro Didático para professores de Biologia do Ensino Médio. As atividades investigativas foram elaboradas buscando contribuir não somente com a prática docente, mas também para a interação social, motivação na construção do conhecimento e na resolução dos desafios, autonomia e comunicação, despertando o olhar dos estudantes para o entorno da escola. A metodologia da pesquisa foi realizada com base em abordagem quantitativa complementada por abordagem qualitativa. Partindo de uma visão integrada do ambiente e dos conhecimentos prévios compartilhados, os(as) estudantes foram desafiados(as) a propor soluções para a construção de um robô que serviu de apoio a eletrodos que medem a temperatura, a turbidez e o pH da água do Rio Murucupi e da escola. Apesar da rica e significativa experiência e também do aprendizado docente na implementação de práticas inovadoras, a falta de estrutura é apontada como um desafio ainda a ser superado. Os alunos demonstraram motivação nas atividades, a construção colaborativa e o compartilhamento da aprendizagem com a comunidade na Feira de Ciências constatando melhora na aprendizagem bem como na auto estima individual, e principalmente no reconhecimento da importância da educação ambiental e da água para a comunidade. Todas as etapas serviram para realizar na prática, a vivência de uma investigação científica e validar o Roteiro Didático elaborado a partir destas experiências com os(as) estudantes.

2019
Descrição
  • JACKSON LUIZ DE LIMA PINHEIRO
  •  MODELO DE ENSINO DE FERMENTAÇÃO POR SALA DE AULA INVERTIDA

  • Data: 19/11/2019
  • Mostrar Resumo
  • O projeto em questão corresponde ao uso da Metodologia “sala de aula invertida” (flipped classroom) na construção de um MODELO de ENSINO de FERMENTAÇAO, para que sirva como um elemento motivador nas aulas de biologia do ensino médio. Será uma experiência envolvendo a “modelagem” para o ensino de biologia no tópico fermentação, em que constará a aplicabilidade de vídeo aulas e a forma de desenvolver as mesmas. Tal projeto objetiva descrever as condições teóricas e metodológicas necessárias para o desenvolvimento de aulas invertidas e como aplica-las, o locus é o SISTEMA DE ENSINO EQUIPE em Belém do Pará, envolvendo como sujeito da pesquisa os alunos do 1º ano do ensino médio. A metodologia do trabalho envolverá a construção de um modelo de ensino de fermentação, que para tal será necessário o desenvolver de quatro etapas: a produção de três vídeo aulas (fermentação alcoólica, fermentação láctica e fermentação acética), apresentação da Metodologia Ativa (Sala de Aula Invertida) aos discentes envolvidos, disponibilização das vídeos aulas na PLATAFORMA SEELIGA ( www.seeliga.com.br), mediação em sala de aula e aplicações de situações problemas a serem analisadas pelos alunos. A coleta de dados será realizada por fichas de avaliação do desempenho dos alunos e aplicação de questionário em que o sujeito resolve questões relacionadas ao tópico Fermentação.

  • SILVIO CÉSAR CARDOSO DE MORAES
  • Guia Para Professores de Biologia: aproximações às Metodologias Ativas

  • Data: 08/10/2019
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho se pauta em um estudo de validação que objetiva evidenciar aspectos técnicos, teóricos e metodológicos de um GUIA PARA PROFESSORES DE BIOLOGIA: Aproximações às Metodologias Ativas como um recurso auxiliar no processo formativo de Professores de Biologia em busca de conhecimentos iniciais sobre o referido tema. O contexto de produção pedagógica e estudos é a formação de Professores de Biologia e os participantes da pesquisa compõem um grupo de professores-pesquisadores da área de Ensino de Biologia, selecionados conforme os seguintes critérios: a) Experiência com formação inicial e continuada de Professores de Biologia, b) Participante de Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências ou Ensino de Biologia; c) Graduação em Ciências Biológicas, d) Docente da UFPA atuando no campus universitário de Belém onde se desenvolve a pesquisa. A metodologia do trabalho foi planejada em quatro etapas: 1. Elaboração do Produto Educacional: etapa de estudos, definições e produção dos conteúdos do Guia para Professores de Biologia: aproximações às metodologias ativas; 2. Elaboração de Instrumento de Verificação e Validação do produto: etapa de definição dos aspectos de análise; 3. Coleta de dados: realizada por meio de formulário online, disponível em plataforma digital, acessada pelos participantes da pesquisa, num período pré-definido de tempo; 4. Organização dos dados: sob a forma de categorias ligadas aos eixos de verificação (técnicos) e validação (teóricos e metodológicos) para onde convergem diferentes pontos de vista dos participantes, os quais se estruturam em função de recorrências, comunalidades e divergências. A análise dos dados indica, em linhas gerais, que o Guia oferece uma aproximação teórica e metodológica que carece de apoio de outros recursos para aprofundamento do professor, no entanto, nesta fase de produção já apresenta qualidade para um recurso de formação continuada de professores de biologia.

     

  • PAULO ROBERTO DE SOUZA FERREIRA JÚNIOR
  • ECODIVERSÃO: JOGO DE TABULEIRO PARA O APRENDIZADO SOBRE OS BIOMAS BRASILEIROS

  • Data: 27/09/2019
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo da pesquisa é apresentar os resultados da investigação do uso de um jogo de tabuleiro contextualizado, com recentes pesquisas científicas, como estratégia lúdica de ensino-aprendizagem para uma abordagem diferenciada sobre os biomas brasileiros, conservação de espécies e ecossistemas e principais ameaças à biodiversidade. O trabalho foi realizado com 16 alunos do 2º ano do Ensino Médio Integral da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Professor Temístocles de Araújo, Belém-Pará, com IDEB de 3.2 em 2017. Na primeira aula foram ministradas aulas expositivas e dialogadas sobre o conteúdo específico de Ecologia. Na segunda e terceira aula os alunos foram organizados em oito grupos, e receberam o material necessário para a produção dos jogos de tabuleiros por bioma escolhido, baseando-se em livro didático, em e-books  e em produções científicas disponíveis na internet. Na quarta aula as equipes, em forma de circuito, realizaram as atividades propostas no jogo de tabuleiro até que a equipe vencedora concluísse com maior número de vitórias. A análise de dados consistiu na aplicação de questionário diagnóstico, observações, registros, questionário sobre a atividade proposta no jogo de tabuleiro e sobre o tema biomas brasileiros, tendo como principal resultado o aumento da motivação do alunado, com a dinâmica despertando o interesse na pesquisa pelos discentes sobre essa temática. Além da inserção inovadora dos biomas “águas continentais” e “costeiro/marinho” no Ensino Médio e o roteiro metodológico foi  motivador e instigou a buscar por informações além do que está disposto nos livros didáticos e nas aulas tradicionais de ecologia, fazendo isso de forma lúdica.

     

  • WASHINGTON SILVA DOS SANTOS
  • ROTEIRO ORIENTADOR PARA PRODUÇÃO DE RECURSO AUDIOVISUAL NO ENSINO DE BIOLOGIA

  • Data: 02/09/2019
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo teve como objetivo geral produzir um roteiro para utilização de recurso audiovisual como vídeo documentário que potencialize o ensino investigativo no campo da Biologia. Considerando esse objetivo e por ser um mestrado profissional a proposta resultou na produção do roteiro para o uso de vídeo documentário com o enfoque na temática HIV/AIDS para orientar os professores/as na produção de recurso áudio visual como ferramenta pedagógica que pode potencializar o ensino não somente na área da ciência biológicas, mas podendo ser direcionado para outras áreas de conhecimento. O estudo foi desenvolvido em uma escola pública do Distrito de Icoaraci, localizada na região periférica de Belém – Pa e o caminho metodológico que possibilitou a realização do estudo seguiu os contornos da pesquisa qualitativa, pois, pelo viés desse modelo considerou-se o contexto, os significados dos comportamentos e visão dos estudantes envolvidos no estudo, ao movimentar a temática HIV/AIDS, bem como a relação entre o pesquisador (eu) e os interlocutores. Essa abordagem não se configura asséptica, pois nossos valores e visão de mundo estão envolta na produção do conhecimento. Como produto das investigações elaborou-se um roteiro orientador para elaboração de vídeo documentário para auxiliar professores/as na dinamização e na ressignificação da aprendizagem no ensino de biologia, bem como auxiliar na produção de vídeo documentário com ferramenta pedagógica para outras disciplinas. O estudo proposto mostrou que é possível potencializar o ensino de Biologia por meio de um artefato pedagógico acessível aos alunos para que os mesmos sintam-se motivados e envolvidos no processo de aprendizagem. Com esse estudo foi possivel pensar o poder motivador dos recursos audio visuais quando utilizador como instrumento pedagógico, embora, esse seja uma tecnologia presente no ambiente escolar e fora dele, seu uso com fins pedagógico ainda precisa se fazer constante na escola e, isso sugere futuros debates e investigações que toquem em questões como formação continuada dos professores/as com foco em uso de recursos pedagógicos alternativos, currículo e metodologias de ensino investigativo entre outras.

  • ANDERSON HENRIQUE MESQUITA RUIVO
  • SESSÕES TUTORIAS BASEADAS EM PBL PARA TEMAS DE EDUCAÇÃO SEXUAL: VALIDAÇÃO DE UM MODELO ADAPTADO PARA O ENSINO MÉDIO.

  • Data: 30/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • A proposta desta pesquisa constitui-se em utilizar sessões tutoriais com base na Aprendizagem Baseada em Problemas ou PBL (Problem - Based Learning), a qual é vista como uma abordagem educacional que, ao contrário do modelo convencional que coloca um problema de aplicação ao final da apresentação de um conceito ou conteúdo, utiliza o problema para iniciar e motivar a aprendizagem. Além de promover a eficácia do processo ensino-aprendizagem, facilitando a aquisição dos conhecimentos necessários para a atuação no ensino da Biologia para alunos do ensino médio, esta metodologia pode também contribuir para o desenvolvimento das habilidades e atitudes apontadas como desejáveis para o discente, em sua vida profissional e social. Assim, este trabalho tem o objetivo de investigar as contribuições desta metodologia por meio da aplicação de 4 sessões tutoriais relacionadas ao estudo da sexualidade com ênfase em hormônios sexuais, infecções sexualmente transmissíveis e métodos contraceptivos em uma turma do 1º ano do ensino médio da escola estadual Aldebaro Klautau na cidade de Belém. Dessa forma, a disciplina Biologia aborda o assunto à luz do alcance simultâneo de três objetivos instrucionais, a saber: conhecimento, habilidade e atitude, proporcionando desta forma o protagonismo do aluno na sua aprendizagem. Quanto aos resultados verifica-se que os alunos através das sessões tutoriais percebem que o processo educacional é desenvolvido de forma processual, reflexiva, dialógica, diagnóstica e ressaltam a propiciação de feedback como algo motivador e determinante a fim de solucionar as dificuldades encontradas e reforçar as potencialidades mostradas. Pode-se concluir que os resultados apontam a necessidade do uso de metodologias ativas com a finalidade de buscar de forma contínua e reflexiva, pressupostos pedagógicos estabelecidos pelo currículo.

  • JACKELYNE NORIKO KIKUCHI DE FREITAS
  • Aplicação de Elementos de Gamificação e Jogos Lúdicos no Ensino de Biologia.

  • Data: 30/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • A educação é um processo de constante readaptação, pois precisa se ajustar de acordo com as mudanças sociais, econômicas, culturais e políticas em que está inserida. Então, é importante que professores adotem práticas pedagógicas que permitam aproximar esse cotidiano do alunado a realidade da sala de aula, e é nesse contexto que se insere a Gamificação, uma estratégia de ensino a qual se utiliza elementos e metáforas originárias de vídeo games em ambiente não game. O objetivo deste trabalho foi investigar o desempenho motivacional da gamificação combinada ao uso de jogos no ensino de Biologia para o ensino médio, além de criar um modelo conceitual para o desenvolvimento da prática de gamificação através da criação de um guia, que poderá ser utilizado por professores que tiverem interesse em aplicar a Gamificação em sala de aula. Assim, foi realizado um levantamento bibliográfico que possibilitou compreender e definir a Gamificação, sua associação com jogos, e seu efeito no ensino-aprendizagem. Após determinação da prática, a metodologia foi aplicada em duas turmas, uma do primeiro ano do ensino regular e uma da primeira etapa do ensino para jovens e adultos (EJA) da rede estadual de ensino. A análise dos dados será realizada de maneira quantitativa e qualitativa, justificada pela necessidade de conhecer a opinião do discente sobre a metodologia. Como resultado observamos que a gamificação aumenta o interesse do aluno pela disciplina ministrada, além disso é uma estratégia didática que pode contribuir positivamente e significativamente afim de melhorar o rendimento dos alunos em biologia no primeiro ano do ensino médio e primeira etapa do EJA da rede pública de ensino no turno da noite.

  • KLEBER SALES PEREIRA
  • CONFECÇÃO DE CATÁLOGOS ORGANOGRÁFICOS COMO INSTRUMENTO PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO BOTÂNICO NO ENSINO MÉDIO

  • Data: 30/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • Diante dos desafios que persistem no ensino de Botânica no ensino médio, especialmente, na falta de aproximação dos discentes e professores com os conhecimentos sobre vegetais, torna evidente a necessidade de uma abordagem mais contextualizada, atrativa, criativa, problematizadora e voltada para a realidade dos alunos. Além disso, a participação ativa na construção de saberes significativos e que efetivamente contribuam para uma formação mais completa faz-se necessária. O público alvo desse projeto é composto por discentes do 2º e 3º ano do Ensino Médio, sendo oportunizada vivência dentro de uma nova perspectiva de ensino-aprendizagem, tornando esses aprendentes, agentes ativos na construção de saberes, valorizando a realidade vivenciada, contribuindo assim, para o desenvolvimento do raciocínio e senso crítico na resolução de problemas. Nesse contexto, a presente pesquisa de abordagem qualitativa, tem a finalidade de colaborar para a melhoria no processo ensino-aprendizagem de botânica, utilizando a metodologia de Ensino por Investigação, na construção participativa de catálogos organográficos (Morfologia externa das plantas) com inserção de imagens utilizando os smartphones, propiciando dessa forma, o envolvimento dos aprendentes, que atuam como protagonistas nessa ação/construção e valorizando os conhecimentos do cotidiano.  Para a produção e coleta de dados foi utilizada a técnica de questionários, aula de campo e laboratório, interações em grupos e observação participante, sendo, posteriormente, realizada a análise de conteúdos. Os resultados mostram que os alunos são carentes por aulas mais atraentes e envolventes, evidenciaram aula de campo e práticas em laboratório como as mais eficientes, pois elas promovem ensino contextualizado, constatou-se ainda, valorização das plantas, satisfação nas interações em grupos, promoção de autonomia e construção de conhecimentos botânicos, evidenciados, sobretudo, na confecção dos catálogos, mostrando a importância desse recurso didático como instrumento eficaz na construção de aprendizagem e modifica visão dos alunos sobre os vegetais.


  • LILIANY LOBATO VIANA
  •  

    APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS (PBL) NO ENSINO DE BIOLOGIA: POSSIBILIDADES TEÓRICO-METODOLOGICAS DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS, ABAETETUBA-PA


  • Data: 30/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • O Ensino Orientado para a Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP ou PBL) é uma metodologia de ensino centrada nos alunos, em que lhes estimula e motiva a aprenderem conhecimentos novos resolvendo problemas referentes aos conteúdos curriculares. A metodologia PBL tem como propósito tornar o aluno capaz de construir o aprendizado conceitual, procedimental e atitudinal por meio de problemas propostos que o expõe a situações motivadoras e o prepara para o mundo do trabalho. O objetivo deste estudo foi avaliar a aplicabilidade e a eficácia de uma Proposta Didática de uma Metodologia Fundamentada nos princípios do PBL, no processo de ensino aprendizagem de Biologia no Ensino Médio. Esta pesquisa procurou implementar por meio da aplicação de tutoriais com base nos elementos fundamentais da metodologia do PBL, adaptada para o ensino médio na disciplina de Biologia, em duas escolas públicas, sendo uma localizada na periferia e a outra na zona rural de um município do Estado do Pará, Escolas estas onde os índices de evasão, reprovação e desinteresse dos alunos pelo estudo é alto. Tendo ao final do semestre a avaliação da aplicação desta metodologia avaliada tanto pela professora quanto pelos alunos. Após a contextualização teórica das metodologias ativas, apresenta-se o planejamento, a atividade e o processo pelo qual conduziu-se este estudo. Como avaliação da atividade, propôs-se um questionário, cujos dados levaram a uma análise quali-quantitativa da percepção dos discentes no seu processo de aprendizado. Os resultados obtidos com a pesquisa da Metodologia fundamentada nos Princípios do PBL, mostraram que mesmo os alunos apresentando algumas dificuldades, sobretudo nos estudos em grupos, essa proposta contribuiu de modo relevante para o processo de aprendizagem dos mesmos, concluindo que, uma proposta metodológica fundamentada no método PBL, pode contribuir positivamente para a formação do perfil do estudante do Ensino Médio desejado.

  • CARLOS ANDRÉ BEZERRA LEITE
  • GAMIFICAÇÃO NO ENSINO DE BOTÂNICA

  • Data: 29/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • O ensino de Botânica sempre foi um assunto muito espinhoso para alunos e professores na Educação Básica. Os motivos dessa problemática são extremamente variados, incluindo a matéria descritiva; os vocábulos que não fazem parte do cotidiano do aluno; o distanciamento daquilo que é ensinado com aquilo que o aluno vê na sua realidade (“cegueira botânica”); o desinteresse por estudar os vegetais. Diante dessas dificuldades, é fundamental que professores que trabalham na biologia criem estratégias para que esse assunto possa se tornar mais atraente para alunos. Uma dessas estratégias é usar metodologias ativas para ensinar botânica, sendo a gamificação uma das mais interessantes. Nela, a sala de aula deve ser transformada em um ambiente de jogo, onde os alunos cumprem tarefas, passam de fase e ganham pontuações na execução dessas tarefas. O presente trabalho teve como objetivo produzir um roteiro de aulas baseado em gamificação para se trabalhar botânica no ensino de biologia com alunos do ensino médio. Para tanto, a gamificação foi aplicada aos alunos do 2o Ano da Escola Estadual Santana Marques. Nessa metodologia, os alunos de uma turma foram inseridos em um ambiente de jogo. Para isso, eles foram divididos em grupos e, durante as aulas, executaram uma série de tarefas que resultaram em recompensas, promovendo uma disputa com objetivo de aumentar o interesse dos alunos pelas aulas de botânica. Ao final da aplicação da gamificação, foi produzido um roteiro de aulas, que poderá ser usado por professores que trabalham na biologia. Esperamos que com a aplicação da gamificação, ocorra um maior interesse dos alunos pelas aulas de botânica e que esse roteiro de aulas ajude na melhoria do ensino de biologia.

  • CHARLES MICHEL ELIAS DE OLIVEIRA
  • Aplicação da Gamificação em abordagem a Bioquímica no Ensino de Biologia para alunos do ensino médio.

  • Data: 28/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • Atualmente temos uma clara divisão entre pessoas que participam das ocupações produtivas e beneficiam-se dos avanços propiciados pela tecnologia e aquelas que se encontram a margem delas. Sendo assim, temos a meta para este século de construir uma sociedade com possibilidade de vida harmoniosa e produtiva para todos. Nesse universo, pode-se destacar que a educação, passa a ter um grau de relevância, para que essa proposta seja atingida. Sendo assim, busca-se com urgência uma reorganização da Educação Básica, para que esta possa contribuir e dar conta dos desafios impostos pelos processos globais e pelas modificações sociais e culturais. Nesse âmbito, a área de ciências biológicas, o ensino de Biologia, assume um papel importante na construção dessa meta. Tentando contribuir com a melhoria desse quadro, uma possível ação para modificar tal contexto, é a utilização de metodologias ativas no ensino. O presente trabalho, propôs a adequação de uma metodologia já utilizada em outras áreas, chamada Gamificação, que consiste na utilização de estratégias de jogos para facilitar o ensino de Biologia. A metodologia foi aplicada em turmas de alunos do ensino médio da rede pública de ensino, no município de Belém, e o tema trabalhado foi o de Bioquímica. A aplicação da estratégia passou por etapas de validação por meio de questionários sobre motivação respondidos pelos alunos, análise qualitativa e quantitativa. Como resultado, a metodologia se mostrou como uma ferramenta prática e motivadora, contribuindo assim para com a formação dos educandos.

  • FABIANO REIS DA SILVA
  • ENSINO DE ARTRÓPODES UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA

  • Data: 23/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho envolve um estudo de validação de um produto educacional configurado em um aplicativo de Realidade Aumentada, denominado de AR3D, que combina imagens virtuais 3D de sessenta espécimes de animais do filo Artrópode com o mundo real. Este aplicativo poderá ser utilizado como recurso pedagógico auxiliando professores de ciências e biologia, bem como estudantes. A metodologia adotada para esse trabalho envolveu duas etapas, sendo que a primeira consistiu na construção e estruturação do aplicativo em um ambiente de desenvolvimento integrado chamado de Unity 3D para ser compatível com dispositivos móveis com câmera que contenham o sistema operacional Android. Na segunda etapa foi realizada validação do AR3D por um painel de especialistas formado por cinco professores formadores da UFPA, pertencentes a programa de pós-graduação de formação de professores de ciências e biologia e de formação em áreas especificas da biologia, para o quais foi disponibilizado um formulário on-line como instrumento de coleta de dados.  Após a apreensão dos dados empíricos foi realizada a análise que considerou os seguintes critérios:  técnicos, reação do usuário e o manual, que evidenciaram os seguintes pontos positivos dentro desses critérios: Eficiência de desempenho, confiabilidade, segurança, manual, motivação, experiência do usuário e conhecimento. Os pontos negativos ficaram o critério usabilidade devido uma baixa pontuação no quesito de adaptação a portadores de necessidades especiais. Como o aplicativo possui mais pontos positivos que negativos conclui-se que ele pode ser um recurso com potencial pedagógico para contribuir no ensino de Biologia, especificamente no que refere ao conteúdo Artrópodes.

  • HERICTON JOÃO DA COSTA RAIOL
  • TECNOLOGIAS APLICADAS AO ENSINO DE BIOLOGIA: utilização de um e-book como instrumento pedagógico para o ensino dos Biomas Brasileiros

  • Data: 19/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • Como introduzir a produção científica gerada na academia ao ensino de biologia em escolas públicas? E ao mesmo tempo, despertar o interesse dos alunos em uma época em que a velocidade da informação é incalculavelmente mais rápida que a produção e atualização do livro didático adotado pelas escolas? Em uma tentativa de investigar esses aspectos relevantes ao ensino-aprendizagem, objetivou-se utilizar a temática “biomas brasileiros” a partir da utilização de um e-book como recurso pedagógico. Para tanto, primeiramente, foi realizado um levantamento dos conceitos sobre biomas, biologia e conservação de espécies animais abordados nos livros-texto do Ensino Médio e, sobretudo, a forma como este conteúdo é disponibilizado aos alunos pelo livro didático. A segunda etapa da pesquisa envolveu a elaboração/construção de um livro digital (e-book) sobre os biomas brasileiros, com uma nova proposta de apresentação do conteúdo relacionado a esta temática, de forma contextualizada com pesquisas científicas recentes, procurando integrar conhecimentos sobre biologia, ecologia e conservação de espécies animais características da fauna brasileira. O conteúdo proposto e a sua forma de apresentação foram elaborados a partir da análise realizada na primeira etapa da pesquisa, com o intuito de complementar as lacunas consideradas no livro didático de Biologia adotado em uma turma do 2º ano da Escola Estadual Presidente Kennedy. A escola localiza-se na Zona Costeira do Norte do Brasil sem avaliação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – IDEB. A aula de aplicação do e-book foi sistematizada em 90’ através de uma orientação didática dividida em: Brainstorming (15’), Socialização/Leitura/Manuseio do e-book em grupo (20’), Socialização no Mapa (35’) e Correção/aplicação do questionário (20’). A proposta do livro digital gratuito tem por finalidade aproximar os recursos digitais no contexto educacional e convívio escolar, tendo em vista as novas tecnologias integrarem o cotidiano da maioria dos nossos estudantes. Após a utilização do livro digital em sala de aula, foram levantadas informações sobre o seu uso, através da análise textual utilizando o Software Iramuteq. Também foi avaliada a importância do seu uso por meio da aplicação de questionários direcionados aos alunos, com o objetivo de validar o conteúdo deste instrumento (livro digital) para o processo de ensino-aprendizagem dos biomas brasileiros em escolas de Ensino Médio da Rede Estadual.

     

  • NATANAEL CHARLES DA SILVA
  •  

          Uso de tecnologia assistiva em coleções zoológicas para aprendizado prático no ensino de zoologia”

  • Data: 26/06/2019
  • Mostrar Resumo
  • A constituição de 1988 estabelece que a educação é um direito de todos e que o ensino será ministrado com base no princípio da igualdade de condições para o acesso e permanência na escola. Diante desta premissa, o presente trabalho fundamentou-se no questionamento sobre como o uso de tecnologias assistivas pode facilitar o aprendizado de pessoas com deficiência visual e auditiva em aulas práticas sobre morfologia e estrutura de animais? Assim sendo, o principal objetivo deste estudo foi a elaboração de um instrumento que viabilizasse descrições técnicas básicas sobre alguns grupos animais depositados em coleções didáticas de zoologia. O resultado desta iniciativa foi o desenvolvimento de uma ferramenta de aprendizagem para alunos com deficiência visual e/ou auditiva na forma de um livro, cujas informações foram adaptadas por meio das seguintes estratégias: Braille, QR Code, impressão em relevo e ao final do livro encontra-se disponível um CD com audiodescrição do conteúdo completo do mesmo. Para tanto, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará, Campi Abaetetuba e Tucuruí, disponibilizou materiais e equipamentos de elaboração, tradutor, bem como os acervos didáticos de invertebrados e vertebrados conservados em meio úmido e seco. Por conseguinte, foi aplicado questionário avaliativo junto a 10 (seis) estudantes do ensino médio e com necessidades especiais, sendo 6 deficientes visuais e 4 auditivos, visando a obtenção de dados quantitativo e qualitativo para a análise de eficiência do livro. Com o questionário de perguntas objetivas foi observado que Pela análise das partes foi possível ter uma excelente noção do funcionamento deste produto no ensino de zoologia para cegos e surdos e com isso, deficientes visuais e auditivos terão acesso ao conteúdo da coleção zoológica e poderão desfrutar do seu conhecimento oferecido de forma equivalente aos demais discentes da turma.

  • MARIA JOSIANE DA SILVA NERY
  • ENSINO DE BOTÂNICA: UMA ABORDAGEM COM HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E PELA VIA DA PEDAGOGIA HISTÓRICO CRÍTICA

  • Data: 26/06/2019
  • Mostrar Resumo
  • Apesar das plantas serem comuns no cotidiano das pessoas, tanto no uso doméstico como nas paisagens, autores falam sobre dois problemas a serem superados no ensino de botânica: a negligência e; o método tradicional de ensino-aprendizagem, no qual os estudantes são meros agentes passivos. A fim de verificar as possibilidades de superação desses problemas, este trabalho utilizou uma história em quadrinhos sobre a evolução das plantas como recurso didático central de uma sequência didática pautada pela Pedagogia Histórico Crítica. O material produzido para este trabalho inclui uma revista com a história em quadrinhos voltada para o estudante e uma sequência didática voltada para os professores. As potencialidades da revista e da sequência didática foram validadas utilizando os seguintes recursos: observação participante, questionário fechado sobre o conteúdo de botânica e questionário aberto sobre a revista e sobre a sequência didática. Tais recursos foram analisados à maneira qualitativa, sendo que para o questionário aberto foi utilizada a análise de conteúdo segundo Bardin (1976). Os resultados indicam que a revista em quadrinhos conseguiu atrair a atenção dos alunos para o tema botânica favorecendo a aprendizagem, assim como a pedagogia histórico crítica agregou sentido ao conteúdo aprendido.

SIGAA | Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação (CTIC) - (91)3201-7793 | Copyright © 2006-2024 - UFPA - morango.ufpa.br.morango2