Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFPA

2024
Descrição
  • LEONARDO CARDOSO PEREIRA
  • Efeito Da Correção Do Erro Sobre O Desempenho Motor No Finger Tapping Test Executado Em Dispositivos Móveis

  • Orientador : GIVAGO DA SILVA SOUZA
  • Data: 28/05/2024
  • Mostrar Resumo
  • O Finger Tapping Test é um teste psicomotor utilizado em protocolos de pesquisa e exames neurofisiológicos para a detecção de sintomas decorrentes de alterações cognitivas e motoras, no entanto, as pesquisas o têm aplicado com padrões de procedimentos inconsistentes mesmo na avaliação de condições semelhantes, e sem avaliação dos efeitos dessas diferenças sobre o desempenho no teste. Este estudo visou avaliar o efeito da administração de uma consequência para erros sobre o desempenho no teste. O Finger Tapping Test foi aplicado em adultos de ambos os sexos com idades entre 18 e 60 anos, por meio de um aplicativo para dispositivo móvel. O estudo envolveu três fases de coleta: linha de base; consequência para erros sem instruções e consequência para erros com instruções. Comparamos o desempenho nas diferentes fases do teste em dois grupos etários de cada sexo. Os achados mostram que a apresentação da consequência para erro com instrução (relativa a que o bip sinalizava erro) gerou mudanças comportamentais que dependeram da consequência, especificamente, reduzindo o total de toques em local incorreto. No entanto, quando a consequência foi apresentada sem instrução, houve potencialização do comportamento, que aumentou em total de ocorrências em no número de erros, especialmente nos homens mais jovens. As frequências sonoras devem ser cautelosamente utilizadas em testes de desempenho motor, considerando o seu potencial de influência sobre o desempenho em testes motores.

  • GABRIELA CRISTINA PENICHE DOS SANTOS
  • Mapeamento Geográfico, Clínico e Adequação Consumo Alimentar de Crianças e Adolescentes com Diagnóstico de Epilepsia

  • Orientador : DANIELA LOPES GOMES
  • Data: 06/02/2024
  • Mostrar Resumo
  • Objetivos: avaliar a distribuição domiciliar, traçar o consumo alimentar, perfil epidemiológico e clínico das crianças e adolescentes com diagnóstico de epilepsia do Estado do Pará, atendidas em um Hospital Universitário em Belém. Metodologia: Estudo transversal descritivo dos casos atendidos em ambulatório de epilepsia do Hospital Universitário Bettina Ferro de Souza. Para a avaliação da distribuição geográfica e do perfil sociodemográfico utilizou o instrumento Ficha de Perfil Epidemiológico da Epilepsia no Pará, já para o perfil clínico e o consumo alimentar, utilizou-se os instrumentos Ficha de avaliação Clínico-Nutricional e Recordatório 24hs que contou com coleta em triplicata com diferença de sete dias entre eles. Após a coleta foi realizada a análise da composição nutricional das dietas, e posteriormente a comparação com os valores de referência das DRI’s para avaliar a adequação da ingestão. Resultados: Os dados mostram que as famílias estão mais concentradas na região nordeste do estado, havendo uma percentagem ligeiramente superior do sexo masculino, concentrados na faixa de 9-13 anos, média de idade de 9 anos e 4 meses, domicílios com uma média de 4 pessoas residentes, a maioria dos responsáveis possui renda de até 1 salário, recebem benefícios sociais, não trabalham fora do lar, possuem o ensino médio completo e são provenientes do interior do estado. A primeira crise ocorreu com uma média de idade de 2,1 anos, a maioria não apresenta crises há seis meses, mas necessitam de medicação antiepiléptica, crises do tipo generalizada e fazem uso de politerapia. No consumo observou-se uma maior adequação de Vitamina A, Ferro e Vitamina C em todas as faixas, na Vitamina E o perfil de inadequação se sobrepõe em todas as faixas, no fósforo e zinco a adequação foi 100% nas faixas iniciais, enquanto nas faixas de 9-13 e 14-18 a inadequação se sobrepôs. O consumo abaixo do recomendado se sobressaiu no potássio entre as faixas com exceção do sexo masculino na faixa de 9-13 anos, já no cálcio somente nas faixas de 1-3 e 9-13 anos no sexo masculino a ingestão está dentro do recomendado, o consumo de fibras nas faixas de 1-3, 4-8 e 9-13 anos do sexo feminino têm maior ingestão abaixo do recomendado, já a ingestão de sódio em sua maioria é abaixo do máximo de consumo tolerável com exceção da faixa de 1-3 anos. Conclusão: Os dados evidenciam a necessidade de um acompanhamento constante do consumo alimentar, pois o padrão de adequação servirá para tratar e /ou prevenir deficiências nutricionais que poderão influenciar no tratamento clínico. Novos estudos deverão ser desenvolvidos com maior abrangência, principalmente quanto à distribuição geográfica, o padrão de consumo alimentar e os fatores associados que possam influenciar no quadro clínico-nutricional dessa população.

2023
Descrição
  • MÁRCIA SOARES AMORIM
  • Comportamento alimentar e repertório vocal de Brotogeris versicolurus (Aves, Psittacidae)

  • Data: 11/10/2023
  • Mostrar Resumo
  • O tema desta dissertação é a comunicação vocal que acompanha a atividade de alimentação dos indivíduos da espécie de periquito-de-asa-branca (Brotogeris versicolurus), ela está dividida em dois capítulos, no primeiro capítulo o tema abordado é o comportamento alimentar e itens que compõem a dieta de Brotogeris versicolurus, sendo uma espécie onívora e bastante adaptada ao ambiente urbanizado O segundo capitulo é descrever o repertório vocal de Brotogeris versicolurus no contexto de alimentação, agressividade e chamados em voo, em três áreas de estudos em Belém, Pará onde foram analisadas gravações emitidas por Brotogeris versicolurus em seus contextos comportamentais. Nós encontramos diferentes tipos de sons de chamados em voo, agressividade, alarmes e chamado por alimento. Classificamos 4 categorias comportamentais: (1) Os chamados contato em voo na chegada na árvore-alvo. (2) O chamado de contato pousado relacionado à alimentação. (3) O Contexto de agressividade indicando o chamado de alerta e defesa do território nas vocalizações agonísticas. (4) E contexto de alimentação relacionado a defesa por alimento. B. versicolurus são aves sociais e vivem em bandos, apresentam repertórios complexos, diversidade nos sons relacionados à alimentação. Apresentam sons de reconhecimento específicos nos chamados em voo, todas essas considerações serviram para identificar quanto Brotogeris versicolurus apresenta vários sons relacionados ao comportamento alimentar.

  • LOANNE VALÉRIA XAVIER BRUCE DE SOUZA
  • O receptor serotoninérgico 5-HT1A no comportamento tipo-ansiedade em ensaio biocomportamental

  • Data: 29/09/2023
  • Mostrar Resumo
  • A ansiedade é uma emoção normal representando uma reação a um perigo potencial, enquanto o medo pode ser definido como uma reação ao perigo real, explícito. Quando patológica, a ansiedade pode trazer prejuízos à qualidade de vida do indivíduo à medida que se torna persistente, incontrolável e inapropriada. Dados epidemiológicos mostram como a ansiedade pode se mostrar prejudicial em níveis tanto econômicos e sociais, além de ser considerada como um problema de saúde pública. Relacionado com algumas funções fisiológicas e comportamentais como estados de ansiedade está o receptor 5-HT1A, que faz parte do sistema serotoninérgico (5-HT). A utilização de organismos-modelo para a avaliação de fenômenos biocomportamentais é importante para fundamentar hipóteses sobre as bases biológicas desses fenômenos. Tendo isso em vista, o zebrafish (Danio rerio Hamilton 1822), conhecido também como paulistinha ou peixe-zebra, mostra-se um organismo-modelo ideal para estudar o papel deste receptor no comportamento, devido tanto às homologias descritas entre o receptor 5-HT1A de mamíferos e de peixes teleósteos quanto às similaridades funcionais do sistema serotoninérgico. Com base na literatura, hipotetizamos que a ativação do receptor 5-HT1A irá produzir aumento do comportamento tipo-ansiedade nesse animal. O tratamento de coortes de zebrafish com 8-OH-DPAT, um agonista pleno do receptor 5-HT1A, diminuiu o comportamento tipo-ansiedade no teste de distribuição vertical eliciada pela novidade, mas não no teste de preferência claro-escuro, ambos considerados desfechos de comportamento tipo-ansiedade para essa espécie. O mesmo tratamento diminuiu a aproximação social tanto em teste de investigação social quanto em teste de novidade social. Esses efeitos sugerem uma participação de heterorreceptores 5-HT1A na ansiedade e na preferência social do zebrafish, diminuindo ambas. Dessa maneira, o estudo desse receptor revela-se importante para a melhor compreensão do comportamento tipo-ansiedade em zebrafish e sua relação com fenômenos semelhantes em vertebrados.

  • LARISSA NUNES DE OLIVEIRA
  • O papel do receptor 5-HT2C no comportamento tipo-ansiedade em peixes paulistinhas (Danio rerio Hamilton 1822)

  • Data: 29/09/2023
  • Mostrar Resumo
  • Os transtornos mentais comuns são muitas vezes incapacitantes e demonstram-se em crescimento numérico no âmbito global. A psicopatologia experimental é uma área de estudo dos fenômenos psíquicos geradores de tais transtornos, utilizando-se muitas vezes de experimentos com modelos animais em busca de possíveis causas e tratamentos. Transtornos de grupos diferentes podem apresentar base patológica compartilhada, com compartilhamento de sintomas. Um exemplo desta base patológica compartilhada é a participação do sistema serotonérgico nestes transtornos. Este sistema é composto por diversos receptores, à exemplo do 5-HT2C. De forma geral, sabe-se que os agonistas do 5-HT2C aumentam os comportamentos de ansiedade, mas o seu papel nos transtornos do humor permanece controverso. O paulistinha (Danio rerio) pode servir como um modelo animal interessante para aprofundar-se acerca do tema, pois combina a relevância de ser um vertebrado com a escala de um invertebrado que demanda de um pequeno espaço para a sua manutenção, o baixo custo e a praticidade para triagens em larga escala. O presente estudo tem o objetivo de descrever o papel do receptor 5-HT2C em testes comportamentais relacionados à ansiedade, com possível relevância translacional. Para isso, foram utilizados três grupos de peixes: um grupo tratado com o fármaco MK-212, agonista do receptor 5-HT2C; um outro grupo tratado com o fármaco RS-102221, antagonista ao receptor 5-HT2C; e um terceiro grupo será o grupo controle, sem utilização de fármaco algum. Os três grupos foram expostos a dois testes comportamentais: distribuição vertical eliciada pela novidade (DVEN) e preferência claro-escuro (PCE). O MK-212 não produziu efeitos no DVEN, enquanto o RS-102221 diminuiu a geotaxia nesse teste; esses efeitos são consistentes com uma excitação tônica da ansiedade no DVEN. O MK212 diminuiu o tempo no lado branco, e aumentou a avaliação de risco no PCE, enquanto o RS102221 não produziu efeitos nesse teste; esses efeitos são consistentes com um aumento de ansiedade no PCE após ativação aguda do receptor. Assim, efeitos tônicos e fásicos da ativação desse receptor são observadas em diferentes testes comportamentais.

  • VIVIANE KHARINE TEIXEIRA FURTADO
  • AVALIAÇÃO DO TREMOR DOS PÉS EM PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON

  • Data: 28/09/2023
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A Doença de Parkinson (DP) é uma doença neurodegenerativa, que se manifesta principalmente através de sintomas motores, incluindo tremor, rigidez, lentidão do movimento (bradicinesia) e dificuldades na marcha. Dentre os sintomas motores, os tremores, tem bastante destaque clínico e científico e o tremor da mão tem sido o foco avaliativo principal nos pacientes mais sintomáticos. O tremor de outras regiões, como no pé, tem sido menos avaliados quanto suas características e potencial clínico. Objetivo: Comparar o tremor dos pés de pessoas com e sem doença de Parkinson. Métodos: Foram recrutados participantes com e sem diagnóstico de doença de Parkinson na faixa etária entre 50 e 80 anos. Os participantes tiveram o tremor dos pés registrados por sensores inerciais embutidos em aparelhos de telefonia móvel em duas posições: máxima dorsoflexão ativa e máxima flexão plantar ativa do tornozelo. Foi extraída a amplitude do tremor. Foi usando um teste t de amostras pareadas para comparar a amplitude do tremor durante ambos os movimentos em cada pé e um teste t de amostras independentes para comparar o tremor durante os movimentos entre os grupos. Foi considerado um nível de significância de 5%. Resultados: Em participantes controle houve maior tremor na flexão plantar que na flexão dorsal do tornozelo no pé direito, mas não houve diferença no pé esquerdo. Nos pacientes com doença de Parkinson houve maior tremor na flexão dorsal que na flexão plantar no pé direito, mas não houve no pé esquerdo. Os pacientes com doença de Parkinson apresentaram maiores amplitudes de tremor que os participantes controle. Conclusão: O tremor de pé pode ser um potencial indicador de alterações motoras na doença de Parkinson já que a assimetria do tremor de pé diferiu entre participantes controles e com doença de Parkinson e os pacientes com doença de Parkinson apresentaram maiores tremores de pé que os controles.

  • JOSIANE MEDEIROS POMPEU
  • FATORES ASSOCIADOS AO VOLUME DE LEITE MATERNO ORDENHADO POR MÃES DE RECÉM-NASCIDOS PREMATUROS INTERNADOS

  • Data: 25/09/2023
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O melhor alimento para o recém-nascido pré-termo é o leite da própria mãe. A Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano orienta uma norma para coleta de leite materno no ambiente neonatal, sendo fundamental para ofertar o melhor alimento ao recém-nascido enfermo pois, auxilia sua recuperação e favorece a manutenção do aleitamento materno. Objetivo: Investigar fatores comportamentais, dados sociodemográficos e de manejo da amamentação associados ao volume de leite materno ordenhado pelas mães de recém-nascidos prematuros internados. Método: Trata-se de um estudo correlacional, transversal e de caráter analítico. Foram incluídas na pesquisa, mães de recém-nascidos prematuros internados na Unidade Neonatal da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, com idade igual ou superior a 18 anos, livres de doenças que contraindicassem a amamentação. Foram aplicados instrumentos de avaliação como: questionário de informações pessoais, Inventário de Ansiedade e o Inventário de Depressão. A quantidade de leite ordenhado e a frequência na sala de apoio para a ordenha, foram verificados por meio de planilha já existente na sala de apoio do Banco de Leite Humano da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará. A análise estatística foi realizada no software Statistical Package for the Social Sciences versão 21.0, que indicou a frequência das variáveis estudadas, média e desvio padrão, por meio da Regressão Linear Simples. Resultados: 69,09 % das mães estão na faixa etária de 18 a 30 anos de idade; 72,73% possuem o Ensino médio; 54,5% possuem apenas 1 filho e 50,9% destas, estão em uma união estável. Em relação a ocupação, 47,27% são donas de casa. Quanto aos recém-nascidos prematuro, 89,9% estão entre 1 a 20 dias internados. Quanto ao número de vezes que a mãe entrou na sala de apoio do Banco de Leite Humano, para fazer a ordenha de leite materno 53,64% delas, entrou apenas 1 vez por dia e a média do volume de leite ordenhado foi de 50 ml por dia. Em relação aos níveis de ansiedade e depressão, a maioria das mães apresentou grau moderado, com 31% e 48%, respectivamente. Níveis baixos de ansiedade e depressão foram associados a maior quantidade de leite materno ordenhado. 62,3% das mães, são procedentes de cidades do interior do estado do Pará. Conclusão: Mães de recém-nascidos prematuros enfrentam diversos desafios em relação à produção de leite materno. A frequência da ordenha e a estimulação precoce, têm um impacto significativo na produção e no volume de leite ordenhado. Quanto maior os níveis de ansiedade e depressão materna, menor o volume de leite ordenhado. Pode-se observar também que quanto mais próxima ao local de internação do recém-nascido prematuro, maior foi a frequência na ordenha de leite materno.

  • ÊNIO RICARDO MACEDO VILHENA
  • Impactos do acompanhamento psicológico e nutricional no pré e pós-cirúrgico de candidatos a cirurgia bariátrica no Brasil

  • Data: 22/09/2023
  • Mostrar Resumo
  • A cirurgia bariátrica é eficaz no tratamento da obesidade, exigindo acompanhamento psicológico e nutricional. Contudo, restrições no acompanhamento persistem, particularmente devido à falta de protocolos psicológicos precisos no Brasil. Além do reganho de peso, a satisfação com a imagem corporal e comportamento alimentar são cruciais a longo prazo. Este estudo analisou 398 pacientes após cirurgia bariátrica, identificando correlações entre acompanhamento nutricional/psicológico e variáveis. Resultados mostraram alta correlação negativa (p < .001) entre acompanhamento psicológico pré e nutricional pré (r=0,280), sugerindo que pacientes com menos consultas prévias com psicólogo buscaram mais apoio nutricional. Similarmente, correlação negativa (p < .001) foi observada entre acompanhamento psicológico pré e nutricional pós (r = 0,470), indicando que menos consultas prévias com psicólogo se relacionaram com maior busca por orientação nutricional após cirurgia. A correlação positiva (p < .001) entre acompanhamento psicológico pré e pós (r = 0,399) mostrou que maior suporte pré se relacionou com maior continuidade pós-cirúrgica. Satisfação com a imagem corporal correlacionou-se negativamente (p < .01) com acompanhamento nutricional pré (R = 0,140), sugerindo que mais consultas se associaram a menor insatisfação com imagem. Comportamento alimentar após cirurgia correlacionou-se com acompanhamento psicológico/nutricional pós. Além disso, a satisfação com a imagem corporal correlacionou-se com comportamento alimentar e reganho de peso (p < .001). Reganho de peso correlacionou-se com comportamento alimentar (r = 0,219) e satisfação com a imagem corporal (p < .001, r = 0,219). Essas correlações ressaltam a importância do suporte multidisciplinar para otimizar resultados pós-cirúrgicos, particularmente em relação ao comportamento alimentar e satisfação com a imagem corporal. Mais estudos são necessários para compreender a complexidade dessas associações.

  • ANA CAROLINA BAIA SILVA DE OLIVEIRA
  • Avaliação de modelo suplementar de ensino da leitura e escrita para escolares de risco para o fracasso acadêmico

  • Data: 20/09/2023
  • Mostrar Resumo
  • A leitura e escrita envolvem o domínio de habilidades que permitem ao indivíduo interagir com o código linguístico. Para a consolidação de repertórios a aquisição de habilidades preditoras são consideradas fundamentais para sua aprendizagem. É nesse cenário de desafios que a investigação é necessária para verificar as condições de ensino capazes de minimizar dificuldades na aquisição inicial de leitura e escrita e levar o aprendiz a desenvolver o processo de leitura e escrita de forma adequada e autônoma. Em um estudo piloto procurou-se avaliar um modelo de suplementação de ensino que adotou o programa RTI (Response to Intervention), associando os paradigmas da consciência fonológica e da equivalência de estímulos em escolares do ciclo inicial da alfabetização com dificuldades de leitura e escrita. Os estudantes foram submetidos a um levantamento de repertório de habilidades básicas para leitura e escrita através da aplicação do protocolo de identificação precoce de problema de leitura - IPPL. De acordo com o desempenho foram constituídos dois grupos, Grupo A (com risco) e B (sem risco). Os Grupos A e B receberam intervenção em camada 1 do RTI através do programa PRIPROF-T e o Grupo A recebeu intervenção associada do programa GEIC-ALEPP caracterizando a camada 2 do RTI. Os dados da pesquisa mostraram que após um trimestre de intervenção os escolares expostos ao modelo RTI (Grupo A e Grupo B) com programas de suplementação de ensino alcançaram avanços significativos em seu repertório de habilidades preditoras da leitura e escrita. Destaca-se aquisições positivas em diversas habilidades metafonológicas, dentre elas: Segmentação silábica (SS), Produção de palavra a partir de fonema inicial (PPF), Síntese fonêmica (SF), Análise fonêmica (AF), Identificação de fonema inicial (IFI); além de habilidades como, Memória operacional fonológica (MOF) e Leitura de palavras e pseudopalavras (LLPP) que obtiveram variações porcentuais com significância estatística. A avaliação de desempenho acadêmico da turma obtida pós-intervenção alcançou uma proporção de 73% de aproveitamento. O estudo promoveu resultados positivos no que se refere à aquisição de repertórios preditores para a aquisição da leitura e escrita. Os dados sinalizam uma redução no quantitativo de escolares classificados ¨sob atenção¨ com risco de dificuldades de leitura e escrita, com aumento significativo de sua média na habilidade Leitura de palavras e pseudopalavras (LPPP); Escolares dos Grupos A e B alcançaram a habilidade e/ou expansão no seu repertório de palavras lidas. Constatou-se que as tecnologias de ensino suplementar se constituíram em uma oportunidade de sucesso no ensino suplementar para crianças com dificuldade de leitura e escrita.

  • EFRAIM ALEXANDRE BARRETO DIAS
  • VALIDAÇÃO E REPLICABILIDADE DE MEDIDAS ACELEROMÉTRICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DAS FASES DO SALTO DE CONTRA-MOVIMENTO

  • Data: 20/09/2023
  • Mostrar Resumo
  • Atualmente, as técnicas utilizadas na análise do movimento têm evoluído quanto ao armazenamento e processamentos de dados, indispensáveis para compreensão de parâmetros do movimento. No estudo do movimento, o salto vertical, está presente em diversas modalidades esportivas. Nesse sentido, a avaliação do salto tem sido classicamente realizada utilizando plataforma de força. Contudo, a plataforma de força apresenta um alto custo e por esse motivo, novas possiblidades têm sido levantadas para tentar baratear a avaliação do salto. Uma delas são as unidades de medição inerciais, como os acelerômetros comerciais, denominados de sensores inerciais, capazes de analisar o movimento e poder descrever o movimento. O objetivo desta dissertação é avaliar a validação e replicabilidade de um acelerômetro comercial para medir os intervalos relacionados com as fases do salto vertical de contra-movimento (CMJ). Foram avaliados 15 participantes com idade entre 18-40 anos. O teste consistiu na execução do salto vertical de contramovimento, analisados em sensores inerciais e plataforma de força. Através da plataforma de força foram identificadas as fases do CMJ. Através do sensor inercial foi buscado identificar os componentes transitórios acelerométricos que possam ser usados para identificar as fases do salto determinadas pela plataforma de força. Para cada componente transitório acelerométrico, foi identificado quanto tempo deste componente. Foi usada análise de Bland-Altman e correlação linear para validar os resultados obtidos com o acelerômetro e o coeficiente de correlação intraclasse para avaliar a replicabilidade da plataforma e do acelerômetro para realizar as medidas  relacionadas às fases do CMJ. Foi observado que houve alta correlação entre as medidas acelerométricas e da plataforma de força, no entanto houve um viés significativo para a medida de duração do tempo de vôo medido pelo acelerômetro, sendo este mais longo que o medido pela plataforma de força. Ambos os equipamentos apresentaram moderada a alta replicabilidade para todas as medidas realizadas. O acelerômetro mostrou-se um equipamento válido e replicável para a identificação das diferentes fases do CMJ.

  • RÔMULO EVANDRO BRITO DE LEÃO
  • Análise por Ressonância Magnética Funcional das áreas corticais e subcorticais da função de deglutição

  • Data: 19/09/2023
  • Mostrar Resumo
  • Embora o ato de deglutir possa ser considerado uma ação voluntária de transferência do alimento da cavidade oral para o estômago, essa função do corpo humano pode ser iniciada muito antes da apresentação do alimento e requer extensa atividade do cérebro que permite que o processo de deglutição ocorra de maneira coordenada, segura, eficaz, prazerosa e possibilita o indivíduo se comportar em nível social garantindo interação com o meio e manutenção do próprio corpo. Entretanto, os mecanismos neurológicos da deglutição ainda não são totalmente claros e requerem investigação para melhor definição de seu padrão de normalidade e entendimento de suas alterações mediante distúrbios que possam acometer o Sistema Nervoso Central (SNC). Então, este trabalho tem por objetivo analisar as áreas corticais e subcorticais ativadas durante a função de deglutição. Trata-se de um estudo quanti-qualitativo, de caráter observacional, transversal e descritivo, com amostra por conveniência (não-probabilística) do tipo contínua. Fizeram parte deste estudo o total de 9 homens hígidos, com mínimo de 3 horas de jejum, submetidos a Ressonância Magnética Funcional (RMF) de 1 Tesla com sequencias axiais de T2 Flair, 3D Bravo e sequências ecoplanares BOLD para avaliação funcional de deglutição. Cada participante era solicitado a realizar múltiplas deglutições de saliva com um estímulo gustativa na boca (bala de menta) durante o tempo de 1 minuto com intervalo de 1 minuto (relação 1:1). Durante análise dos exames foram identificadas o total de 13 áreas cerebrais ativadas durante a deglutição, sendo o Tálamo, Cerebelo, Córtex Motor Primário, Córtex Somato Sensorial, Córtex Cingulado Anterior, Córtex Occipto Parietal Inferior, Córtex Frontal Inferior, Córtex Temporal Superior, Córtex Frontal Medial, Córtex Parietal Superior, Núcleo Ambíguo, Núcleo Salivar Inferior e Córtex Insular. A área do Córtex Motor Primário, onde é caracterizado o Homúnculo Motor, foi a única área comum em ativação entre todos os voluntários da pesquisa (100%), seguido do Córtex Frontal Medial esquerdo (77,78%), Córtex Occipito Parietal Inferior esquerdo (77,78%) e Cerebelo do lado esquerdo (77,78%). Já a menor frequência de áreas que não foram ativadas na amostra desta pesquisa foram o Córtex Frontal Medial (11,11%) e Córtex Frontal Inferior (11,11%). Embora seja observado áreas comuns de ativação no cérebro na amostra deste estudo, não é possível dizer que o sistema nervoso central se comporta da mesma maneira para a mesma tarefa de deglutir. Assim, a natureza distribuída dessa rede neurológica da deglutição ajuda a explicar por que tantas condições neurológicas repercutem em disfagia, sendo, então, esses achados de grande relevância clínica, pois ao entender as áreas corticais para determinada função é possível compreender melhor como a natureza de distribuição da rede neurológica da deglutição os efeitos sinaptogênicos que pacientes com lesões neurológicas desenvolvem no processo de reabilitação de deglutição quando essa dificuldade se encontra prejudicada. A deglutição envolve uma rede de distribuição de áreas neural muito ampla, ainda pouco compreendia e possível de ser maior do que se supõe.

  • THAINARA DAIANE MAFRA DA SILVA
  • RESPOSTAS ASSERTIVAS E AUTORREGRAS DE MULHERES ENTRE 31 E 49 ANOS EM RELACIONAMENTOS AFETIVOS AMOROSOS

  • Data: 18/09/2023
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo objetivou: a) identificar em quais situações mulheres heterossexuais, com idade entre 31 a 49 anos, apresentam dificuldade de emitir os comportamentos de fazer pedidos, recusar pedidos, lidar com críticas, expressar descontentamento e pedir mudança de comportamento a seus parceiros amorosos; b) identificar autorregras associadas a essas dificuldades c) descrever a frequência com que as mulheres apresentam autorrelatos indicativos de assertividade e, d) testar se há associação estatisticamente significativa entre a assertividade e variáveis sociodemográficas. Para isso, 135 mulheres que estavam em um relacionamento heterossexual com tempo de duração maior que dois anos, com nível superior completo ou incompleto e que residiam na região metropolitana Belém PA, responderam a um Questionário Sociodemográfico, um Questionário de Assertividade em Relacionamentos Afetivos Amorosos e um Inventário de Habilidades Assertivas (IHS). Os resultados mostraram que a maioria das mulheres apresentaram um escore bom ou mediano de habilidades assertivas e que a variável trabalho (se a mulher trabalha ou não), a área de atuação profissional e a renda pessoal tiveram associação significativa com a assertividade. Além disso, observou-se que as dificuldades que envolviam lidar com críticas do parceiro apresentaram os maiores índices de ocorrência, e situações que envolviam recusar pedidos, ocorreram em menor frequência ainda que, de forma geral, todos os comportamentos alvos do estudo tenham apresentado uma frequência significativa de situações dificultadoras para sua emissão. Observou-se também que a dificuldade de emitir os comportamentos assertivos investigados ocorreram frequentemente relacionadas a situações financeiras e tarefas domésticas. E o motivo mais apontado para a não emissão dos comportamentos assertivos foi a esquiva de conflitos, indicando que há contingências aversivas envolvidas. Os resultados têm implicações de caráter inovador na área de habilidades sociais e comportamento assertivo de mulheres.

  • JULIANA VIEIRA CARVALHO
  • Relação entre o estado nutricional, comportamento alimentar e insatisfação com a imagem corporal em profissionais de educação física.

  • Data: 18/09/2023
  • Mostrar Resumo
  • A propagação de imposições socioculturais referentes aos padrões de corpo ideal no ambiente esportivo, pode gerar impactos negativos, como insatisfação com a imagem corporal e comportamento alimentar disfuncional na saúde dos profissionais de educação física que trabalham em locais como academias de musculação, uma vez que, o ambiente das academias possui diversas características que podem elevar a insatisfação com a imagem corporal, devido à grande quantidade de espelhos, cartazes com corpos esculturais, o uso de roupas justas e a convivência com sujeitos de corpos musculosos e definidos. Tudo isso acaba gerando uma cobrança social entre esses profissionais, para que eles tenham um físico considerado “padrão”, colocando à prova a sua competência profissional baseada apenas na aparência física. Dentro do âmbito esportivo, o ambiente no qual o indivíduo está inserido pode ser um meio propagador de pressões socioculturais motivadas pelo padrão corporal ideal. Portanto, este estudo teve como objetivo investigar a presença de comportamentos de risco e percepção de imagem corporal associados a possíveis práticas alimentares inadequadas que podem desencadear os Transtornos Alimentares (TAs) em professores de academias de musculação em Belém do Pará. Estudo transversal descritivo analítico realizado com 70 participantes entre homens e mulheres adultos professores de educação física atuantes em academias de musculação na cidade de Belém do Pará, com faixa etária de 20 a 59 anos. Os dados foram obtidos pela aplicação da escala de atitudes alimentares Disordered Eating Attitude Scale (DEAS) para a análise de comportamentos alimentares de risco, uma escala de silhueta proposta por kakeshita (2009) para avaliar a percepção de imagem corporal e um questionário desenvolvido pela pesquisadora para avaliar indicadores, os quais possam determinar a relação da população estudada com fatores que envolvam aspectos de saúde e modo de vida dos indivíduos. A avaliação do estado nutricional e acúmulo de gordura corporal foram feitos pelo Índice de Massa corporal (IMC), por meio do peso e altura, circunferência da cintura e dobras cutâneas. Os dados foram submetidos a estatística descritiva, por meio do cálculo de medidas de tendência central e dispersão ou frequência e proporção, e a analítica por meio dos testes do teste qui-quadrado de Pearson, teste mann-whitney e teste de correlação de spearman, o nível de significância estatístico adotado foi de p<0,05. Participaram da pesquisa 48 homens e 22 mulheres. A pontuação média das atitudes alimentares (98,24 ± 8,99) identificou que os participantes não possuíam atitudes alimentares disfuncionais. A média do IMC dos participantes foi de 26,17 kg/m2 (± 3,21), em que a maioria da população foi classificada com sobrepeso (41,1%), A média do percentual de gordura foi de 19,52 (± 7,5), com cerca de 27,1% da população com uma classificação elevada. Referente a avaliação de satisfação de imagem corporal a maioria da população (45,71%) desejava diminuir de tamanho corporal. Dessa forma concluiu-se que, os indivíduos apresentam uma insatisfação com a imagem corporal a qual está relacionada com o estado nutricional, percentual de gordura e circunferência da cintura. Além disso, os participantes foram identificados com poucas atitudes transtornadas, porém a presença de insatisfação corporal pode também levar a possíveis comportamentos alimentares disfuncionais. 

  • CARLOS MARIANO AGUIAR FERREIRA DA SILVA
  • FADIGA MENTAL E DESEMPENHO FÍSICO DE ATLETAS DE BASQUETEBOL EM CADEIRA DE RODAS: UMA ABORDAGEM DE CARGA COGNITIVA INDIVIDUALIZADA

  • Data: 24/08/2023
  • Mostrar Resumo
  • Estudos sobre a relação entre fadiga mental (FM) e desempenho físico sugerem que a FM pode diminuir o desempenho motor de atletas em diferentes esportes. Assim, o objetivo deste estudo foi analisar a influência da fadiga mental no desempenho físico de atletas de basquetebol em cadeira de rodas (BCR). Onze atletas do sexo masculino participaram do estudo. Trata-se de um estudo experimental com medidas repetidas (crossover e randomizado) composto por três sessões experimentais: 1) Linha de base - familiarização: para seleção dos participantes e familiarização com os instrumentos; 2) Baixa demanda cognitiva (BDC): compreende uma tarefa física após assistir a um documentário por um período de trinta minutos; 3) Alta demanda cognitiva (ADC): compreende a realização de um teste físico após a indução da fadiga mental. A carga cognitiva foi individualizada para a condição FM. Para a avaliação do desempenho físico, foi realizado o teste intermitente Yo-Yo, e o desempenho cognitivo foi avaliado por meio do teste Stroop. As condições de ADC e BCD foram comparadas por meio dos testes t de Student e testes de Wilcoxon, de acordo com a normalidade dos dados. A condição ACD resultou em uma diminuição no desempenho físico para distância (BDC: 1169±429m; ADC: 924±399m; p<0,01) e tempo de teste (BDC: 18±6,89 min; ADC: 14±6,49 min; p<0,01). A nível de esforço percebido (PSE) ao final do teste físico diferiu significativamente entre as condições (BDC: 15±0,9; ADC: 17±1,4; p<0,002). Concluímos que o FM reduziu o desempenho físico em um teste específico de BCR.

  • PRISCILLE FIDELIS PACHECO HARTCOPFF
  • ALTERAÇÕES ELETROCORTICOGRÁFICAS, ELETROCARDIOGRÁFICAS E DE CÁLCIO SÉRICO CAUSADAS POR DOSE SUPRAFISIOLÓGICA DE VITAMINA A

  • Data: 11/08/2023
  • Mostrar Resumo
  • A vitamina A e seus derivados são amplamente utilizados terapeuticamente, principalmente para pele e cabelos, devido à sua atividade antioxidante que protege as células contra os danos causados pelo excesso de radicais livres. A vitamina A atua em receptores nucleares e, como resultado, aumenta a expressão gênica. Altas doses de vitamina A e seus derivados podem levar a alterações nas funções dos órgãos, como atividade osteoclástica e aumento dos níveis séricos de cálcio, que podem precipitar osteopenia e osteoporose. Pouco se sabe sobre sua atividade no sistema nervoso central; no entanto, há relatos de alterações comportamentais e possibilidade de exacerbação de sintomas depressivos com aumento do risco de suicídio. Foram utilizados 45 ratos Wistar machos para este estudo, aos quais foram implantados eletrodos de prata no córtex motor (coordenada estereotáxica de -0,96 do bregma). Para os exames de ECG foi utilizada a derivação D2 e, posteriormente, foram coletadas amostras de sangue dos animais para dosagem do cálcio sérico. Os ratos foram tratados com 50.000 UI/kg i.p. a cada 24 horas por 3, 7 e 14 dias. Cada grupo teve sua atividade eletrocorticográfica (ECoG), atividade eletrocardiográfica (ECG) e níveis séricos de cálcio avaliados. Demonstrou-se que houve aumento gradativo do cálcio sérico, mas manteve-se dentro da normalidade para a espécie. O ECoG revelou aumento da atividade nas bandas de oscilação cerebral de baixa frequência (delta, teta e alfa). A atividade cardíaca estava próxima do normal com ritmo sinusal e diminuição dos intervalos RR e QT.

  • DANIELLE CASTELO DE CARVALHO MENDES
  • Comportamentos de cuidado e sobrecarga de cuidadores de crianças e adolescentes com Diabetes tipo 1

  • Data: 30/06/2023
  • Mostrar Resumo
  • O Diabetes Mellitus do tipo 1 (DM1) é um distúrbio metabólico comumente diagnosticado em crianças e adolescentes, representando de 5 a 10% dos casos diagnosticados de DM. Seu tratamento envolve o monitoramento da glicemia, aplicação da insulina, um padrão alimentar específico, além da prática de atividades físicas. Assim, é um recurso terapêutico custoso e que para ser bem-sucedido, necessita de modificações comportamentais e adesão do paciente e de sua rede de apoio. Um suporte social adequado implica em ganhos tanto no tratamento quanto no amparo emocional. Assim, o objetivo desta pesquisa foi descrever os comportamentos de cuidado e a percepção de sobrecarga do cuidador no tratamento de crianças e adolescentes com Diabetes Mellitus Tipo 1 (DM1). Trata-se de um estudo transversal desenvolvido no período de janeiro a março de 2023. Participaram da pesquisa, 71 adultos, ambos os sexos, cuidadores de crianças e adolescentes, entre 5 e 17 anos, diagnosticados com DM1, há pelo menos 1 ano e que realizavam tratamento prescrito por equipe de saúde. A coleta de dados foi no formato online, por meio de e-mail e convites nas redes sociais (WhatsApp®, Instagram® e Facebook®). Os instrumentos de pesquisa utilizados foram um questionário sociodemográfico e de percepções sobre DM1, subdividido em nove dimensões e a Escala de Avaliação de Sobrecarga, Zarit Burden Interview (ZBI). Os dados foram avaliados com o auxílio do software R Core Team e a análise estatística por meio do teste qui-quadrado e da técnica de regressão logística ordinal. Os resultados mostraram que a maioria dos cuidadores são mulheres, casadas ou com união estável, com ensino superior completo, renda familiar mensal entre 1 e 3 salários-mínimos, com carga horária de trabalho de 31 a 40 horas semanais. Quanto aos comportamentos de cuidado mais usuais dos participantes, sobressaíram àqueles relacionados ao tratamento do paciente como o controle glicêmico, apoio na aplicação ou ingestão de medicação e acompanhar nas consultas médicas. Foram observadas correlações estatísticas entre as variáveis estado civil, horas trabalhadas, relação com o paciente e se eles têm filhos e os resultados da sobrecarga percebida dos cuidadores, apontando que o perfil dos participantes que são solteiros (as), trabalham mais de 31 horas semanais, recebem de um a três salários-mínimos, possuem um relacionamento razoável com o paciente e tem filhos, apresentou níveis de sobrecarga mais elevados, de leve a moderada (56,34%) e de moderada a severa (25,35%). Conclui-se que além do perfil socioeconômico do cuidador influenciar a sua sobrecarga percebida, a relação com o paciente e o acúmulo de atividades voltadas para a saúde dele contribuiu para que os níveis de sobrecarga fossem mais elevados.

  • KAIMON PALHETA BORGES
  • Pareamento ao modelo por identidade com 12 estímulos visuais em um macaco-prego (Sapajus spp.)

  • Data: 17/05/2023
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo deste trabalho consistiu em desenvolver um procedimento efetivo para treino de pareamento ao modelo por identidade com atraso zero, com 12 estímulos visuais abstratos (grupos de três caracteres alfanuméricos) em um macaco-prego macho, adulto (Sapajus spp.). com histórico experimental em tarefas de discriminação simples. O equipamento foi uma câmara experimental com um monitor sensível ao toque, onde as tentativas eram apresentadas e as respostas registradas. Os estímulos foram 12 grupos de três letras. O procedimento teve quatro fases: 1) treino de pareamento ao modelo não condicional; 2) treino de pareamento condicional ao modelo; 3) treino de pareamento condicional ao modelo com seis comparações; 4) treino de pareamento condicional ao modelo com alternação a cada acerto com aumento gradual do número de comparações por tentativa, de 3 para 6 e para 12 comparações. O sujeito avançava nos blocos de tentativas e nas fases, conforme atingia o critério de número de acertos consecutivos. O estímulo que havia sido S+ em um bloco de tentativas anterior era substituído no bloco seguinte e retornava depois que o desempenho com o novo S+ alcançava o critério. Na fase 4, com os 12 estímulos modelo e com 12 escolhas em todas as tentativas, o sujeito atingiu o critério de desempenho de pareamento ao modelo por identidade. Diante da dificuldade de documentar a emergência de relações condicionais, indiretamente treinadas, as quais comprovariam a formação de classes de estímulos em animais e supondo-se que a dificuldade está na incoerência entre a topografia de controle de estímulos planejada e a desenvolvida pelos sujeitos, este trabalho configura-se em uma etapa da união de discriminações condicionais categoriais a estímulos abstratos que compartilhem com os demais membros da categoria apenas a função.

  • INARA PRISCYLLA RODRIGUES MACHADO
  • Sintomas Neuropsiquiátricos na Doença de Parkinson e a Utilização da Dança como Recurso Terapêutico Complementar em Saúde Mental 

  • Data: 24/03/2023
  • Mostrar Resumo
  • A doença de Parkinson (DP) configura-se como uma doença neurodegenerativa crônica e progressiva. Apesar da característica motora ser amplamente difundida, existem sintomas não motores associados à doença. A depressão e a apatia são algumas das alterações neuropsiquiátricas de maior prevalência em pessoas com a DP. A depressão pode ser definida como um transtorno de desregulação do humor que aliado às mudanças somáticas e cognitivas afetam consideravelmente a vida do indivíduo. A apatia pode ser compreendida como um estado de insensibilidade e/ou sentimento significativo de indiferença generalizado que afeta significativamente a vida do indivíduo, principalmente como uma tendência a não iniciar e/ou concluir as atividades diárias. Além de ser parte da miríade sintomática, tais quadros neuropsiquiátricos afetam diretamente a saúde mental e qualidade de vida das pessoas com DP. Estudos demonstram que a dança proporciona uma intervenção complementar integrativa que abrande aspectos biopsicossociais bem como é aprazível e atrativa. Logo, o presente estudo buscou investigar a ocorrência de quadros de depressão e apatia na doença de Parkinson e analisar a influência da prática de dança nesses aspectos.

  • YAN RAFAEL BATISTA ELMESCANY
  • Competição e Cooperação por Recursos entre Irmãos e Ambiente Parental em Famílias Nucleares

  • Data: 24/03/2023
  • Mostrar Resumo
  • Os eventos de competição e cooperação entre irmãos são considerados práticas comuns que envolvem a sua relação durante seu período de desenvolvimento. Através de uma ótica evolutiva, estudos demonstram que a competição entre irmãos, na espécie humana e em espécies não humanas, é fomentada pela disputa de recursos limitados, enquanto a cooperação pode depender da qualidade da coparentalidade promovida pelos pais e do temperamento dos irmãos mais velhos (primogênitos). Dentre os recursos envolvidos na relação fraterna durante a infância, consideramos o compartilhamento de itens pessoais e a disputa pela atenção dos pais voltados para a competição e a proteção e/ou assistência na criação dos irmãos mais novos voltados para a cooperação. A maneira como se constitui a relação entre irmãos desde o seu início depende de fatores ambientais encontrados dentro do seu contexto familiar e protagonizados por seus pais, na forma como ditam as interações entre os indivíduos pertencentes a família. Dessa forma, a compreensão das relações de cooperação e competição entre irmãos passa pela elucidação de como a família está constituída e de como estão estruturadas as relações entre os irmãos, entre eles e os cuidadores e o ambiente parental experienciado. O objetivo desta pesquisa foi avaliar possíveis relações entre variáveis socioeconômicas, de configuração familiar, do ambiente parental (qualidade da relação dos pais e do cuidado do pai), e níveis de competição e cooperação por recursos em irmãos durante a infância a partir da percepção materna. Foram utilizadas medidas indiretas através de instrumentos aplicados às mães, com o objetivo de observar maiores ou menores níveis de competição e cooperação por recursos entre os irmãos durante a fase de desenvolvimento da infância, bem como, seus níveis de envolvimento positivo e negativo. As participantes foram compostas por mães de dois filhos do sexo masculino (até 12 anos de idade), de dois tipos de configurações familiares selecionadas para esta pesquisa, são elas, as Famílias Nucleares compostas por mãe, pai e filhos, e as Famílias Monoparentais Maternas, compostas por mãe e filhos. Os instrumentos foram aplicados em ambiente virtual (Google Forms). Os instrumentos deste estudo são três questionários que foram aplicados às mães, o questionário de caracterização ambiental do desenvolvimento, o questionário de competição e cooperação por recursos (QCCR) e o inventário de comportamento de irmãos (SIB). Após o aceite do Comitê de Ética, a pesquisa foi divulgada amplamente para a população brasileira, nas redes sociais (Facebook, Instagram e Whatsapp) e por meio da indicação de amigos, utilizando o método Bola de Neve. Os dados obtidos, por meio das mães, acerca das variáveis sociodemográficas, de ambiente parental, dos níveis de competição/cooperação e de envolvimento positivo/negativo dos irmãos, foram tratados através dos testes estatísticos de correlação, qui-quadrado e análises post hoc. Houve correlação positiva entre as subescalas de companheirismo e empatia e empatia e ensino, indicando a consistência do fator de envolvimento positivo do SIB já prevista dentro do instrumento e entre a subescala de empatia do SIB com a subescala de cuidado do QCCR, apontando que provavelmente maiores níveis de comportamentos voltados para o cuidado do irmão mais novo redundam em maior o nível de empatia do irmão mais velho pelo mais novo. Encontramos correlações que demonstram haver presença de comportamentos de envolvimento positivo e de cooperação, podendo indicar um cenário onde seja vantajoso para os irmãos em termos de custo/benefício serem empáticos e cooperativos entre si. Contudo, como nosso tamanho amostral é pequeno, não podemos confirmar esse cenário com mais robustez. Foram encontradas diferenças estatisticamente significativas entre os grupos de renda apenas em relação aos escores de atenção e não foram encontradas diferenças significativas entre os grupos de renda em relação aos escores de cuidado. Análises post hoc evidenciaram que houve diferença estatisticamente significativa nos escores de competição por atenção dos filhos de mães com rendas entre 3 a 6 salários mínimos e mães com rendas entre 9 a 12 salários mínimos. Foi observado efeito de teto nos escores de cuidado e participação do pai, assim como os escores de qualidade da relação dos pais. Não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas entre os grupos de renda em relação ao cuidado do pai com os filhos e em relação à qualidade do relacionamento dos pais. Sendo os irmãos, expostos a uma renda familiar mais alta, exibiram níveis mais baixos de comportamentos tipificados como problemas de conduta dentro de famílias nucleares e como não foi encontrado diferenças significativas entre renda e cuidado do pai, assim como, entre renda e qualidade do relacionamento do pai com a mãe, presumimos que, além da pequena amostra que temos, o efeito de teto acerca desses dois fatores possam ser associados a constituição de um relacionamento de maior apoio entre os pais e a manutenção de um ambiente doméstico mais saudável para os irmãos. Não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas entre os níveis de cuidado do pai em relação aos escores de competição por brinquedos, por atenção e em relação aos escores de cuidado entre irmãos. Também não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas entre os níveis de qualidade da relação do casal em relação aos escores de competição por brinquedos e por atenção, e em relação aos escores de cuidado entre irmãos. Consideravámos que medidas do papel do pai na dinâmica familiar pudessem avaliar a influência da coparentalidade e apoio entre o casal sobre a relação de competição e cooperação entre os irmãos. Portanto, é necessário o desenvolvimento de mais pesquisas que foquem nos aspectos que se relacionam no estudo do complexo fenômeno da relação entre irmãos.

  • JEANE LORENA DIAS KIKUCHI
  • Fatores associados a diferentes padrões de comportamento alimentar e atitudes alimentares transtornadas em candidatos a cirurgia bariátrica atendidos em um hospital público de referência no Pará, Brasil

  • Data: 24/03/2023
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Pacientes em pré-operatório de cirurgia bariátrica podem apresentar comportamentos alimentares inadequados como comer emocional, compulsão alimentar, beliscar/mordiscar e/ou grazing que podem prejudicar os resultados do tratamento. A avaliação de padrões de comportamento alimentar tem sido, muitas vezes, negligenciada em programas tradicionais para o tratamento da obesidade, que focam na diminuição ponderal sem considerar questões psicológicas que envolvem o comportamento alimentar, podendo aumentar a vulnerabilidade aos transtornos alimentares. Objetivo: Analisar o comportamento alimentar, padrões associados ao comportamento de grazing e à susceptibilidade para atitudes alimentares transtornadas em candidatos à cirurgia bariátrica atendidos em um hospital público de referência na assistência à pessoa com obesidade grave no Pará, Brasil. Métodos: Trata-se de um estudo transversal, descritivo e analítico, realizado com candidatos à cirurgia bariátrica de ambos os sexos, acompanhados no ambulatório de endocrinologia de um hospital público na Amazônia. Foram coletados dados referentes ao comportamento de grazing e seus subtipos compulsivo e não compulsivo, por meio do Questionário de Alimentação Repetitiva REP(EAT)-Q, além de informações sociodemográficas obtidas por meio de autorrelato e a descrição do uso de medicamentos obtida no prontuário. Foi avaliada a presença de Atitudes alimentares disfuncionais utilizando a Escala de Atitudes Alimentares Transtornadas (EAAT), que avalia crenças, sentimentos, pensamentos e comportamentos relacionados à alimentação. Para investigar padrões de comportamento alimentar foi usado o Questionário de Três Fatores Alimentares (TFEQ-R21), que avalia as três dimensões do comportamento alimentar: Comer Emocional, Restrição Cognitiva e Descontrole Alimentar. Foi calculado o Índice de massa corporal (IMC) por meio da aferição do peso e da altura e foi realizado o teste da força de preensão palmar por meio de dinamômetro. Esta pesquisa foi aprovada pelo projeto no Comitê de Ética em Pesquisa. Para análise estatística, foi utilizado o software SPSS, versão 24.0. Resultados: Esta dissertação teve seus resultados apresentados no formato de dois artigos. Ambos os estudos foram realizados com 205 participantes com média de idade de 37,5 ± 8,6 anos, sendo na maioria (93,7%) mulheres. No primeiro estudo, a maioria dos participantes (59,5%) não utilizava medicamentos para emagrecer. Cerca de 66,3% apresentavam grazing compulsivo e 56,6% tinham grazing não compulsivo. O domínio com maior pontuação foi o de comer emocional, com 73,5±31,5 (p<0,001). Indivíduos que utilizavam medicamentos para emagrecer apresentaram maior escore no domínio de restrição cognitiva (p=0,017) e menor pontuação para grazing compulsivo (p=0,021) e grazing não compulsivo (p=0,034). Na regressão linear múltipla, foi observada correlação entre o comportamento de grazing compulsivo e o comer emocional (β =0,193; IC= 0,002; 0,013; p=0,009) e o descontrole alimentar (β = 0,429; IC=0,018; 0,035; p=0,000), e entre o comportamento de grazing não compulsivo e o comer emocional (β = 0,303; IC=0,006; 0,20; p=0,000) e o descontrole alimentar (β = 0,363; IC= 0,014; 0,34; p=0,000), ambas independente do gênero e do uso de medicamentos. No segundo estudo, cerca de 82,4% dos participantes apresentavam atitudes alimentares transtornadas (p<0,001). O sexo feminino apresentou maior escore no domínio de descontrole alimentar (p=0,026). Na regressão linear múltipla, observou-se que o comer emocional era um preditor de atitudes alimentares transtornadas, independente do gênero (β = 0,273; IC=0,002; 0,010; p=0,002). Conclusão: Candidatos à cirurgia bariátrica podem ser um público com grande suscetibilidade a desordens do comportamento alimentar. Torna-se essencial identificar de forma precoce comportamentos disfuncionais como forma de prevenção de complicações em decorrência de padrões de comportamento alimentar desordenado que foram mantidos ou mesmo recuperados após a cirurgia.

  • AMANDA OLIVEIRA DA SILVA
  • Comportamentos sugestivos para transtornos alimentares em mulheres no período gestacional e fatores associados

  • Data: 24/03/2023
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo deste estudo foi investigar os fatores sociodemográficos e estilo de vida associados aos comportamentos sugestivos para transtornos alimentares em mulheres grávidas. Foi realizado um estudo transversal, analítico e com amostra por conveniência, não probabilística. A pesquisa foi realizada por meio de um formulário on-line no Google Forms. Para investigar os comportamentos sugestivos para transtornos alimentares em mulheres no período gestacional utilizou-se o Sick, Control, One Stone, Fat, Food Questionnaire - SCOFF-BR. Para a análise descritiva foram calculadas as frequências absolutas e relativas para todas as variáveis do estudo. A fim de verificar as variáveis sociodemográficas e de estilo de vida associadas aos transtornos alimentares em gestantes foram calculadas as razões de prevalência brutas e ajustadas, por regressão log-linear de Poisson, considerando-se p  <0,05. Para o cálculo das razões ajustadas considerou-se
    comportamento sugestivo de transtorno alimentar como variável dependente e todas as demais variáveis com p 0,20 na razão de prevalência bruta, como independentes. Participaram deste estudo 142 grávidas. Os resultados indicaram que após a análise da razão de prevalência ajustada para todas as variáveis com p valor  0,20 as variáveis que mantiveram associação (p  = 0,05) à presença de dois ou mais comportamentos sugestivos para TA foram escolaridade (p valor 0,014), estado nutricional (p valor 0,031), ouvir comentário que engordou mais do que do que deveria (p valor 0,002) e realizar atividade física em excesso (p valor 0,05). O presente estudo embasou-se em referências específicas que afirmaram que há pouco debate e prática clínica
    direcionada às gestantes sobre comportamentos sugestivos a transtornos alimentares e que profissionais devem fazer o uso de instrumentos adequados para a população estudada, que verifiquem peso e altura, para assim, verificar o estado nutricional e observar os comportamentos compensatórios que possam estar presentes. De certo, esse roteiro se faz necessário, já que há evidências na literatura e que foram demonstradas nesta pesquisa, que as categorias mencionadas anteriormente estão associadas a um TA.

  • IZABELLA SYANE OLIVEIRA PEREIRA
  • Relação entre insegurança alimentar, ansiedade e qualidade de vida em mulheres de baixa renda de Belém, Pará

  • Data: 23/03/2023
  • Mostrar Resumo
  • A insegurança alimentar engloba desde a preocupação com a incerteza de dispor regularmente de comida até a vivência de fome, o que pode afetar a saúde física e mental. Este estudo verificou a relação entre a insegurança alimentar, ansiedade e qualidade de vida em mulheres de baixa renda no município de Belém, Pará. A população foi composta por mulheres, com 18 anos ou mais, cadastradas no Cadastro Único do Ministério da Cidadania e assistidas por um dos 12 Centros de Referência da Assistência Social de Belém-PA. Utilizou-se um questionário com perguntas sobre fatores sociodemográficos, consumo alimentar e estado nutricional; Escala Brasileira de Insegurança Alimentar, Inventário de Ansiedade Traço-Estado e o questionário World Health Organization Quality of Life-breef. Calculou-se as frequências absolutas e relativas para todas as variáveis do estudo e a seguir estimou-se a frequência de insegurança alimentar segundo todas as variáveis. Após, calculou-se as razões de prevalência brutas e ajustadas, segundo a insegurança alimentar, por regressão log-linear de Poisson, considerando-se IC 95% e p < 0,05. Das 661 mulheres, 95,8% foram classificadas em insegurança alimentar; 65,8% e 59,3% das mulheres com intensidade significativa de ansiedade traço e estado, respectivamente, e 55,1% e 56,4% das mulheres estavam acima do domínio físico e do domínio psicológico, respectivamente, em relação à percepção de qualidade de vida das mulheres entrevistadas. Não foram encontradas associações entre insegurança alimentar, ansiedade e qualidade de vida. Este estudo contribuiu para o conhecimento do perfil dessas mulheres e para a reflexão sobre o combate da insegurança alimentar, de seus determinantes e consequências, no entanto, novos estudos são necessários para verificar a associação entre insegurança alimentar, ansiedade e qualidade de vida em mulheres de baixa renda.

  • CARLA JULIANE MARTINS RODRIGUES
  • Análise de algumas variáveis envolvidas no comportamento

  • Data: 22/03/2023
  • Mostrar Resumo
  • Foram analisados relatos sobre comportamento alimentar, especificamente sobre ortorexia nervosa e atitudes alimentares, relatos de rigidez comportamental relacionados ao padrão alimentar e religião de estudantes universitários. Os participantes responderam o formulário de caracterização, o questionário sobre comportamentos ortoréxicos – ORTO-15, Escala de Atitudes Alimentares Transtornadas – EAAT, juntamente com o questionário sobre avaliação do comportamento inflexível, a Escala de Rigidez. Dos 205 participantes, 85,6% apresentaram relatos indicativos de comportamentos ortoréxicos, com prevalência do sexo masculino, 16% apresentaram relatos de atitudes alimentares não saudáveis, com prevalência do sexo feminino e vegetarianos tenderam a apresentar escores mais altos que onívoros, houve uma correlação moderada entre rigidez comportamental e atitudes alimentares não saudáveis. Adventistas eram mais inclinados a serem vegetarianos que onívoros, participantes sem religião apresentaram respostas protetoras em relação as variáveis quando comparados com adventistas e católicos. Sugere-se novos estudos que investiguem o comportamento alimentar e suas variáveis de controle para o entendimento ampliado do fenômeno e possíveis intervenções.

  • RAYANNE VIEIRA DA SILVA
  • PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA E RELAÇÃO ENTRE PERCEPÇÃO DE SINTOMAS DE ANSIEDADE E QUALIDADE DE VIDA DE SEUS CUIDADORES

  • Data: 21/03/2023
  • Mostrar Resumo
  • O autismo ou Transtorno do Espectro Autista (TEA) é, por definição, uma síndrome com-portamental na qual os indivíduos apresentam comprometimento do desenvolvimento motor e psi-coneurológico observado por déficits na aquisição da linguagem e na interação social da criança. A qualidade de vida do cuidador de crianças com TEA sofre grande impacto diante das sobrecargas e estresse familiar, além da ausência de orientações e suporte das instituições, interferindo diretamen-te na família, na relação entre pais e filhos e no convívio social. Em relação ao estado nutricional, é muito comum as crianças autistas possuírem deficiências, pois a maioria apresenta uma alimentação monótona devido a vários fatores, como seletividade alimentar e a neofobia alimentar. Por isso, estudos sugerem que crianças autistas possuem de duas a três vezes mais chances de serem obesas do que a população neurotípica. O presente estudo teve como objetivo investigar a relação entre percepção de sintomas de ansiedade e qualidade de vida de cuidadores de crianças com Transtorno do Espectro Autista atendidas no Centro Integrado de Inclusão e Reabilitação (CIIR), em Belém, e descrever o perfil nutricional destas crianças. O presente trabalho de pesquisa originou dois artigos, apresentados nesta dissertação. O primeiro artigo apresenta uma descrição do perfil nutricional e alterações no comportamento alimentar de 80 crianças portadoras do Transtorno do Espectro Autis-ta assistidas no CIIR Belém, e o segundo verificou a relação da percepção dos sintomas de ansieda-de e qualidade de vida dos cuidadores/pais destas mesmas 80 crianças. Os dados indicam que a maior parte das crianças apresenta seletividade alimentar, e indicam altos níveis de ansiedade e bai-xa percepção de qualidade de vida nos cuidadores das crianças que participaram do estudo. Esses dados sugerem que novas medidas e perspectivas devem ser implantadas pelos serviços de saúde e pelos profissionais que atuam com TEA em instituições públicas e privadas com o objetivo de pro-mover melhores condições de saúde e bem-estar, não somente aos indivíduos com TEA, mas tam-bém aos indivíduos que cuidam dessas crianças, como também contribuem como caminho para fu-turas pesquisas nessa temática.

  • IANKA PACHECO BELTRAO
  • Inserção de Estímulos Abstratos em Categorias Naturais: Favorecendo a Formação de Classes Arbitrárias em Macaco-Prego

  • Data: 21/03/2023
  • Mostrar Resumo
  • Empiricamente, uma das formas de investigar os aspectos ontogenéticos e filogenéticos do comportamento simbólico é por meio do estudo da formação de classes arbitrárias em animais. Parte do desafio em alcançar esse repertório em animais reside na elaboração de protocolos de ensino isentos de fontes indesejadas de controle de estímulo. Este estudo teve como objetivo observar o processo de categorização em macaco-prego, a partir de uma gradual desnaturalização dos estímulos utilizados, até a completa ausência de similaridade entre as imagens apresentadas e a categoria conceitual em si. Foram utilizados dois macaco-prego com histórico experimental em tarefas de categorização. O procedimento aplicado foi uma tarefa de discriminação simples simultânea dividida em blocos de tentativas com características específicas para cada contexto de ensino. Os sujeitos foram expostos a imagens de categorias naturais paradigmáticas, intermediárias, silhuetas, ícones e uma letra representante de cada categoria. Medidas de correção foram aplicadas a cada necessidade de reajuste apresentada pelos sujeitos. Os resultados encontrados mostram que os sujeitos concluíram as cinco fases em um número relativamente baixo de sessões, se levarmos em consideração a complexidade do desempenho exigido. Na fase das letras, diante da alternância de tentativas naturais e puramente abstratas, só foi observado responder quase isento de erros em uma categoria com um único sujeito. Por mais que não se tenha observado responder emergente nas demais categorias, todos os critérios foram alcançados em um volume relativamente baixo de tentativas.

  • GABRIELA CORREIA ULIANA
  • Fatores associados a adesão à contagem de carboidratos e controle glicêmico em adultos com diabetes mellitus tipo 1 no Brasil

  • Data: 20/03/2023
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A Contagem de Carboidratos (CC) é uma estratégia para auxiliar o tratamento de pacientes com Diabetes Mellitus tipo 1 (DM1), sendo reconhecida como um método que proporciona flexibilidade às escolhas alimentares e auxilia no controle glicêmico, entretanto, a falha na adesão a esta estratégia ainda é o principal fator responsável pela redução do desempenho terapêutico com a CC. Objetivo: Analisar os fatores associados a adesão à CC e controle glicêmico em adultos com DM1 no Brasil. Métodos: Tratam-se de dois estudos transversais, descritivos e analíticos, realizados por meio de formulários on-lines, um durante o período de isolamento social e o outro após esse período. O formulário do primeiro estudo coletou dados referentes aos dados sociodemográfico e socioeconômico, aquisição de insumos, hábitos alimentares, CC e distanciamento social. Já o segundo avaliou o conhecimento da CC, dados clínicos e antropométricos, sociodemográfico e socioeconômico, acompanhamento com profissionais de saúde e entendimento dos conceitos da CC. Os formulários foram construídos na plataforma Formulários Google® e divulgados por meio de redes sociais, após a aprovação do projeto no Comitê de Ética e Pesquisa. Para análise estatística, foi utilizado o software Statistical Package for Social Science, versão 24.0. Resultados: O primeiro estudo teve 472 participantes, dos quais 37,71% relataram realizar CC na mesma frequência que antes do distanciamento social. A realização da CC estava associada ao tipo de cidade (p = 0,027), renda familiar (p = 0,000), uso de auxílio financeiro emergencial (p = 0,045), tipo de administração de insulina e monitoramento glicêmico (p < 0,000), e cozinhar mais (p = 0,012). Os participantes que mantiveram ou reduziram o consumo de alimentos ultraprocessados tiveram 0,62 vezes mais chances de aderir a CC (OR 0,626, IC 95%: 0,419–0,935) e os participantes que cozinharam mais tiveram 1,67 vezes mais chances de aderir a CC (OR 1,67, 95% CI: 1,146–2,447). No segundo estudo participaram 173 adultos, dos quais 57,2% apresentavam HbA1c aumentada. Houve associação entre possuir HbA1c adequada e ter o tempo de diagnóstico <10 anos (p=0,006), realizar a CC no almoço (p=0,040) e jantar (p=0,018), utilizar aplicativos específicos (p=0,001) e balança de alimentos para fazer a CC (p=0,001), ter aprendido a fazer a CC com o nutricionista (p=0,037) e saber definir corretamente os conceitos de bolus alimentar (p=0,001), bolus correção (p=0,000) e razão insulina/carboidrato (p<0,000). Os participantes que estavam fazendo a CC tinham 3,273 vezes mais chances de ter a HbA1c adequada e participantes com tempo de diagnóstico <10 anos tinham 2,686 vezes mais chances de ter a HbA1c adequada. Conclusão: Os estudos demonstraram que ter melhores condições financeiras e sociodemográficas e utilizar tecnologias mais avançadas para aplicação de insulina e monitorização glicêmica estava associado a maior adesão à prática da CC, bem como a realização da CC por adultos com DM1 auxiliou na adesão a um estilo de vida saudável durante o período de distanciamento social. Além disso, características da estratégia favoreceram valores adequados de HbA1c nesse público.

  • MARIA DE NAZARETH DE LIMA CARNEIRO
  • Relação entre qualidade de vida e fatores de apego adulto em mães de crianças com e sem diabetes tipo 1

  • Data: 20/03/2023
  • Mostrar Resumo
  • Mães de crianças com alguma situação clínica específica como o diabetes mellitus tipo 1 podem ter o nível de estresse mais elevado, causando uma pior percepção de qualidade de vida, maior ansiedade, e maior evitação (fatores de apego adulto). O objetivo desta pesquisa foi verificar se há relação entre fatores de apego adulto de mães de crianças com e sem diabetes mellitus tipo 1 com a percepção de qualidade de vida dessas mães. Essa pesquisa foi realizada de julho a setembro de 2022, com mães de crianças de 5 a 10 anos, com e sem diabetes. Os dados foram coletados por meio de um questionário on-line, com dados socioeconômicos, a escala de apego Experience in Close Relationship – (Reduzida), e o questionário sobre qualidade de vida WHOQOL-abreviado. Para a análise estatística foi utilizado o Statistical Package for the Social Science (SPSS 24). Foram avaliadas 45 mães de crianças com DM1 e 55 mães de crianças saudáveis. O grupo de mães de crianças com diabetes mellitus tipo 1 apresentou percepção de pior qualidade de vida quando comparados às mães de crianças saudáveis (p<0,05), sem diferença quanto ao estilo de apego. Entende-se, portanto, que ações direcionadas à melhoria da qualidade de vida das mães com crianças com diabetes mellitus tipo 1 são necessárias, diante do impacto que está percepção pode ter no prognóstico da criança.

  • RENATA CRISTINA BEZERRA RODRIGUES
  • Comportamento Alimentar e Imagem Corporal em pessoas que fizeram cirurgia bariátrica no Brasil.

  • Data: 20/03/2023
  • Mostrar Resumo
  • A cirurgia bariátrica se mostra eficaz na perda de peso para aqueles com indicação ao procedimento. Adversidades no comportamento alimentar e na imagem corporal podem influenciar nos resultados do pós-operatório. Este estudo objetivou analisar a relação entre o comportamento alimentar e a imagem corporal em pessoas que fizeram cirurgia bariátrica no Brasil. Realizou-se um estudo transversal, quantitativo, com amostra não probabilística por conveniência e coleta de dados, com auxílio do Google Forms®. Foram coletados dados sociodemográficos, dados do pré e pósoperatório, os domínios do comportamento alimentar com o Three Factor Eating Questionnaire, distorção de imagem corporal com o Body Shape Questionnaire e satisfação com a imagem corporal com a Escala de Silhuetas. Dos 398 respondentes, 93,5% foram do sexo feminino e 57,3% tiveram idade entre 40 e 59 anos. O Bypass gástrico em Y de Roux representou 80,2% das cirurgias e houve 18,9% de reganho de peso. Houve algum grau de distorção de imagem corporal em 38,4% e insatisfação de imagem em 87,5%. A restrição cognitiva foi o domínio do comportamento alimentar mais frequente, 75,9%. Foram encontradas associações entre os domínios restrição cognitiva (p = 0,000) e alimentação emocional (p = 0,000) com distorção de imagem corporal. Não houve associação entre os domínios do comportamento alimentar e insatisfação com a imagem corporal. Concluiu-se que a presença de distorção de imagem corporal pode interferir nas probabilidades de apresentar comportamento alimentar disfuncional, como fator de risco ou proteção. A insatisfação com a imagem corporal apresentou maior frequência na amostra, porém, sem associação com os domínios do comportamento. Os resultados mostraram que a distorção e a insatisfação com a imagem corporal interagem de formas diferentes nos domínios do comportamento alimentar, mas, novas pesquisas são necessárias para confirmar os resultados.

  • STHEPHANI NAZARE E SILVA MARTINS
  • PROPOSTA DE AVALIAÇÃO MOTORA MULTIDIMENSIONAL EM PORTADORES DE DOENÇA DE PARKINSON USANDO SMARTPHONES

  • Data: 16/03/2023
  • Mostrar Resumo
  • A doença de Parkinson é uma doença de alta prevalência mundial, sendo a segunda doença neurodegenerativa mais frequente no mundo. Possui sintomas motores e não motores. Os quatro sinais cardinais motores da doença de Parkinson são o tremor, a bradicinesia, a instabilidade postural e a rigidez. A identificação correta desses sinais é classicamente clínica e subjetiva. Algumas escalas clínicas e equipamentos de alto custo podem permitir a avaliação desses sinais, no entanto ou são pouco sensíveis na identificação dos sinais ou são de alto custo e de difícil acesso à maioria das pessoas. A presença de múltiplos sensores nos aparelhos de telefonia móvel (smartphones) abre a possibilidade de permitir a avaliação desses sinais a um número maior de pessoas. Diversos trabalhos têm apresentado aplicativos que sejam capazes de avaliar diferentes funcionalidades de pacientes com doença de Parkinson. O presente trabalho realizou uma avaliação do tremor de mão, do equilíbrio estático e dinâmico e da mobilidade de mão nos mesmos pacientes com doença de Parkinson e para construção de um indicador funcional motor desses pacientes. Para isso, foram usados aplicativos (Momentum apps) para aparelhos de telefonia móvel desenvolvidos na Universidade Federal do Pará no qual foram obtidas as leituras dos sensores inerciais e da tela sensível ao toque do aparelho para a realização da avaliação do tremor da mão em repouso, avaliação do equilíbrio estático, avaliação do equilíbrio dinâmico durante o teste Timed Up and Go e a avaliação do Finger Tapping Test. Foram avaliados 9 pacientes com doença de Parkinson e 8 participantes como controles sem doença de Parkinson. Os resultados de cada teste foram comparados por testes estatísticos para comparação de duas amostras independentes. Foi realizada também realizada uma análise multivariada com Análise de Discriminantes Lineares para identificar a distância entre os grupos de participantes do estudo.

  • IGOR TAGORE SANTOS DOS PASSOS
  • PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DESCRITIVO DE PESSOAS COM EPILEPSIA EM UMA CLÍNICA DE REFERÊNCIA NO ESTADO DO PARÁ

  • Data: 15/03/2023
  • Mostrar Resumo
  • A epilepsia é classificada de duas formas, segundo sua etiologia e de acordo com a região de início das descargas exacerbadas. A fisiopatologia da epilepsia envolve alterações cerebrais estruturais ou funcionais que desequilibram a atividade elétrica do córtex. A compreensão sobre a causa da epilepsia ainda é bastante discutida, mas há teorias e explicações bem aceitas, como a epilepsia temporal medial que afeta o hipocampo. A epilepsia é uma condição neurológica que afeta cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo e pode ter um grande impacto na qualidade de vida dos pacientes. A epidemiologia é fundamental para entender a prevalência da epilepsia e os fatores de risco associados à sua ocorrência. É de fundamental importância a educação e conscientização pública sobre a epilepsia para melhorar a qualidade de vida dos pacientes e reduzir o estigma social associado à doença. Nos resultados foi visto que a maioria dos pacientes era do sexo masculino e com idades entre 11 e 20 anos. O tipo mais comum de epilepsia foi a epilepsia focal, e a comorbidade mais comum foram as anormalidades morfológicas. O estudo também encontrou associações significativas entre determinados fatores demográficos e clínicos e o tipo de epilepsia. Os resultados demonstraram que a epilepsia focal foi a mais comum, afetando principalmente homens, e que há uma maior prevalência da doença na faixa etária até 20 anos. As particularidades morfofuncionais do cérebro feminino e masculino parecem conduzir a tipos específicos de epilepsias. A falta de informações nos prontuários tem impacto na qualidade do cuidado e assistência da equipe, bem como impacta nas pesquisas de saúde e pesquisas epidemiológicas. Estudos epidemiológicos revelam um panorama antes desconhecido, o que conduz a um impacto na saúde pública conduzindo a mudança de realidade a quem mais importa, a pessoa acometida pela patologia. O presente estudo teve diversas dificuldades em sua realização, que perpassam desde processos burocráticos, passando por significativas folhas impressas de prontuários e chegando à realidade da carência no preenchimento homogêneo, comprometido e humanizado das avaliações. Por fim, mais estudos são necessários objetivando esclarecer o dado epidemiológico acerca da epilepsia na região norte do país. Sugere-se também um trabalho de padronização dos prontuários.

  • CATARINA PEREIRA SOUZA
  • Repertório de Expressões Faciais de Macacos-Prego: Revisão Integrativa de Literatura

  • Data: 10/03/2023
  • Mostrar Resumo
  • As expressões faciais estão entre os principais componentes responsáveis pela transmissão de informações no âmbito das relações sociais. As expressões faciais fornecem informações a quem interage com um determinado indivíduo acerca do seu estado emocional, intenções comportamentais, tipo de relação com os alvos da expressão emitida e com outros objetos ou acontecimentos presentes no cenário em que aquele indivíduo está inserido. A pesquisa sobre expressões faciais encontra-se no escopo da abordagem evolutiva e dos estudos das emoções, tendo o naturalista Charles Darwin como pesquisador pioneiro. A visão universalista do naturalista relativa à continuidade das expressões das emoções no Homem e nos animais não humanos deu subsídios às diversas abordagens teóricas da atualidade sobre a coevolução e função das expressões faciais e emoções. Primatas humanos e não humanos possuem repertórios de expressões faciais que incluem expressões faciais homólogas e estruturas anatômicas semelhantes. O objeto de pesquisa deste estudo foi o repertório de expressões faciais de macacos-prego, um grupo monofilético composto pelos gêneros Sapajus e Cebus. Objetivo: Avaliar se o repertório de expressões faciais de macacos-prego apresenta um padrão conservado de expressões faciais, como o observado em humanos. Método: Utilizando a revisão sistemática do tipo integrativa, compilamos o repertório de expressões faciais descritas na literatura para macacos-prego do gênero Sapajus e Cebus, a fim de identificar as expressões faciais com maior frequência nos estudos analisados e como se compreende esse repertório dentro do escopo da literatura cientifica. Resultados: Foram avaliadas 14 publicações, sendo 9 estudos do tipo descritivo e 5 estudos experimentais. As publicações distribuem-se principalmente nas áreas de 1) descrição comportamental das expressões faciais; 2) discriminação de faces e 3) autorreconhecimento facial. Considereram-se 6 expressões faciais que compõem o repertorio de expressões faciais de macacos-pregopresentes tanto em Sapajus quanto Cebus diferenciando-se em contextos de ocorrência e intensidade da expressão. Conclusão: Existem seis expressões que aparecem nos dois gêneros e são semelhantes em sua configuração facial e tem sobreposição em seus contextos de ocorrência nos dois gêneros, o que pode indicar um padrão conservado dentro do grupo. Macacos-prego apresentam grande variabilidade morfológica, genética, de história de vida e comportamental e essa variabilidade é provavelmente refletida por diferenças sistemáticas na função das exibições faciais. Se fazem necessários mais estudos comportamentais interespecíficos sobre padrões de comportamentos sociais nas demais espécies dos gêneros para entender como cada expressão difere entre as espécies de macacos-prego.

  • BRUNA DANIELLE CAMPELO CORREA
  • Avaliação do equilíbrio estático e dinâmico de pacientes com COVID-19 longa por meio de sensores inerciais em aparelhos de telefonia móvel: um estudo transversal controlado

  • Data: 09/03/2023
  • Mostrar Resumo
  • A Doença do Corona Vírus 2019 (COVID-19) representou um dos maiores desafios do nosso século, provocando mais de 6 milhões de mortes em todos os continentes. A alguns sobreviventes, a doença pode causar grande morbidade, pois pode acometer vários sistemas do organismo. Nesse sentido, convencionou-se chamar de COVID-19 longa ou Síndrome pós COVID-19 o conjunto de sintomas persistentes dessa patologia, os quais já foram registrados em pelo menos 65 milhões de indivíduos em todo o mundo. Muitas dessas sequelas são de origem neurológica, músculo-esquelética, labiríntica ou visual, podendo prejudicar sobremaneira a estabilidade corporal dos indivíduos acometidos. Sendo assim, o objetivo da presente pesquisa foi avaliar a qualidade do equilíbrio estático e dinâmico em pacientes com COVID-longa. Para tanto, utilizou-se uma tecnologia prática e de fácil manuseio: os sensores inerciais, os quais são sensores que captam oscilações de movimento indicando a qualidade da estabilidade postural do indivíduo. Os sensores usados foram o acelerômetro e o giroscópio presentes em smartphones; neste caso em um aparelho com sistema operacional Android, o qual foi fixado à cintura do participante para captar dados numéricos que traduzem os deslocamentos do centro de massa do voluntário. Observou-se que a qualidade do equilíbrio estático foi menor nos pacientes pós COVID-19 do que no grupo controle e na mensuração do equilíbrio dinâmico houve diferença em apenas um parâmetro. Pode-se concluir que a sintomatologia presente no grupo COVID-19 longa pode estar afetando seu controle postural.

  • BRUNO PONCIANO DA SILVA
  • ANÁLISE DA EXPRESSÃO DE CITOCINAS E NEURÔNIOS MADUROS EM RATOS QUE SOFRERAM STATUS EPILEPTICUS INDUZIDO POR PILOCARPINA

  • Data: 24/02/2023
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho teve como objetivo examinar a ação de citocinas envolvidas no processo inflamatório e o padrão de perda neuronal em ratos adultos com epilepsia do lobo temporal mesial (ELTM), induzido através da utilização da droga pilocarpina. Foram utilizados 11 ratos adultos da raça Wistar, onde 6 deles receberam tratamento com Pilocarpina e foram sacrificados em 1 e 7 dia pós status epilepticus respectivamente , 5 deles receberam tratamento com solução salina. O modelo experimental de pilocarpina foi bem sucedido em reproduzir os efeitos prejudiciais da ELTM em ratos, causando status epilepticus, danos localizados nos subcampos hipocampais e morte neuronal, utilizando a escala de escala de Racine (1972) para avaliação do comportamento das crises. O anticorpo anti-PCP4 permitiu a localização precisa e análise das características oculares da região CA2 hipocampal. Não foi encontrada uma relação clara entre a citocina anti-inflamatória IL-10 e a proteção neurológica da região CA2, mas a presença da citocina inflamatória IL-1β em CA2 e CA3 no grupo de 1 dia, bem como a diminuição dessa citocina na região CA2 do grupo 7 dias, sugere uma possível migração da inflamação ao longo do tempo, impulsada por fatores neuroprotetores, tais como a rede Perineuronal, receptor EP2 e outras citocinas anti-inflamatórias.

  • RAISSA DIAS FERNANDEZ
  • Doença de Parkinson: Percepção de Ansiedade, Qualidade de Vida e Estado Nutricional

  • Data: 30/01/2023
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A Doença de Parkinson (DP) é uma doença neurodegenerativa, apresenta sintomas motores e não motores, que pode impactar o estado nutricional, a qualidade de vida (QV) e os sintomas de ansiedade. Objetivo: Avaliar a correlação entre variáveis antropométricas, QV e os fatores relacionados aos sintomas de ansiedade de pessoas com Doença de Parkinson (DP). Métodos: Trata-se de dois estudos, transversais, descritivos e analíticos, o primeiro realizado por meio da coleta de dados antropométricos e aplicação do Questionário Parkinson’s Disease
    Questionnaire PDQ-39, o segundo também contém dados de antropometria para a identificação do estado nutricional, porém utiliza a Escala de ansiedade de Parkinson, Versão Brasileira (PAS-BV) para avaliar os sintomas de ansiedade. Os dados foram tabulados e analisados no software SPSS, v.21.0, foi considerado p&lt;0,05 como significância estatística Resultados: O primeiro estudo contou com 33 indivíduos, com idade média de 58,9 ± 11,6 anos, com prevalência entre os homens (69,7 %). Notou-se excesso de peso em 45,4 % dos entrevistados. A percepção de QV foi mais prejudicada nas dimensões de desconforto corporal (75,3 ± 16,6), suporte social (62,7 ± 15,7) e mobilidade (61,0 ± 23,6).Observou-se correlação entre o escore total de QV e a idade que se manteve estatisticamente significativa na regressão linear múltipla (modelo 1, B= 0,347; IC 0,004 - 0,902; p=0,048), independente do sexo (modelo 2, B=0,365; IC 0,016 - 0,937; p=0,043) e do IMC (modelo 3, B=0,363; IC 0,006 - 0,943; p=0,047), sugerindo que, nos participantes deste estudo, esta relação não depende do sexo e do estado nutricional. O segundo estudo contou com 91 participantes, com média de 63,4 ± 10,4 anos, a maioria eram homens, casados, com o ensino médio completo, aposentados, com renda de até 3 salários mínimos, não receberam auxílio emergencial, realizaram isolamento social total na pandemia e 60% apresentavam sintomas de ansiedade. A maioria dos adultos (40,6%) apresentavam estado nutricional eutrófico ou sobrepeso e a maioria dos idosos apresentavam sobrepeso (42,3%). Foi maior o escore de ansiedade em participantes do sexo feminino (p=0,005), sem companheiro (a) (p=0,0034) e sem auxilio emergencial (p=0,001). Houve correlação negativa entre a idade e o escore de ansiedade (r 2 =0,180; p=0,044) e uma correlação positiva entre a prega cutânea triciptal e ansiedade (r 2 =0,183; p=0,041). Observou-se que a correlação entre o sexo feminino e nível de ansiedade se manteve estatisticamente significativa na regressão linear múltipla (modelo 1, B=0290; IC=2137;11,935; p=0,005) independentemente do estado civil (modelo 2, B=0,239;IC=0,518;11,114;p=0,032) e da idade (modelo 3, B=0,230; IC=0,302;10,856; p=0,039) Conclusão: Ressalta-se a importância de investimentos dentro dos serviços públicos em campanhas e grupos de apoio para esse público, com a realização de mapeamento em maior escala destes pacientes, além de ofertar, principalmente, uma equipe multiprofissional para o tratamento da DP, a fim de controlar os sintomas e a QV destes indivíduos. Além disso, é imprescindível diagnosticar desvios nutricionais e nível de ansiedade precocemente em pessoas com DP, em especial do sexo feminino, pois pode prejudicar a situação clínica.

2022
Descrição
  • GERALDO MAGELA PINTO DE SOUZA JÚNIOR
  • Investigação sobre vieses cognitivos no julgamento de discentes do Curso de Bacharelado em Direito

  • Data: 14/07/2022
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho teve por objetivo investigar vieses cognitivos em julgamentos de discentes do Curso de Bacharelado em Direito através do desempenho em um caso jurídico simulado com informações incertas e ambíguas. Ele se fundamentou nos estudos em Economia Comportamental sobre tomada de decisão humana a partir de heurísticas e vieses cognitivos em situação de incerteza e ambiguidade. Participaram 63 discentes, sendo 27 concluintes e 36 calouros. O projeto usou da Escala de Intolerância à Incerteza (IUS-12), a Critical Thinking Disposition Scale (CTDS) e um Caso Jurídico Simulado como instrumentos de levantamento de dados. Estes foram analisados a partir de Análise Fatorial Exploratória, Teste de Mann-Whitney e Correlação Policórica. Os resultados demonstraram que alunos tiveram baixa resistência aos vieses e não houve diferença significativa no desempenho de alunos concluintes com alunos calouros.

  • WENDERSON LENON PAIVA FARACHE
  • Reprodutibilidade de um teste progressivo máximo com Airbike para estimar a aptidão aeróbica em praticantes de Crossfit™

  • Data: 04/07/2022
  • Mostrar Resumo
  • Protocolos de avaliação em ergômetros são comumente utilizados para mensurar as cargas de treinamento e monitorar a aptidão física. Entretanto são escassos os protocolos que avaliem aptidão física utilizando a Airbike. Objetivo: O presente estudo tem como objetivo testar a reprodutibilidade de um teste progressivo utilizando AirBike. Método: A amostra foi composta por 32 sujeitos, com idade média de média de 28,6 ± 8,0 sendo 15 homens e 7 mulheres praticantes de Crossfit® a no mínimo 3 meses. O protocolo de avaliação consistia em um teste progressivo até a exaustão autodefinida pelo voluntário, iniciando a 40 rotações por minuto (RPM), com estágios de 1 minuto, 5 RPM eram adicionados a cada estágio. Foi realizado um teste e após um período de 48h a 7 dias o reteste. Para mensurar a percepção subjetiva de esforço (PSE) foi utilizada a escala Borg. Para mensurar a frequência cardíaca (FC) durante o teste foi utilizado o frequencímetro cardíaco Polar® H10, para a análise estatística foi utilizada o coeficiente de correlação intraclasse (ICC) com nível de significância de p&lt;,001. Resultados: Foram encontrados valores de ICC entre 0,3 e 0,9 na comparação do teste e reteste. Foram encontradas diferenças significativas (p&lt;0,05) na comparação entre os sexos nas variáveis potência máxima (W), limiar anaeróbio(rpm) e RPM máximas Conclusão: Conclui-se com base nos resultados encontrado que o teste progressivo máximo para avaliação da aptidão cardiorrespiratória utilizado Airbike é reprodutível.

  • ARTHUR GONSALES DA SILVA
  • Modelo Híbrido Inception-XGB para Discriminação de Padrões Artefatuais em Eletroencefalografia de Pacientes com Epilepsia

  • Data: 19/04/2022
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo deste trabalho foi comparar o desempenho de diferentes algoritmos de machine learning em uma tarefa de classificação de quatro tipos de padrões artefatuais comumente encontrados em registros de Eletroencefalografia (EEG). Os padrões foram processados usando uma Rede Neura Convolucional (CNN) do tipo Inception. Foram usados registros de pacientes portadores de Epilepsia de uma base pública de dados. Um total de 200 pacientes participaram do estudo, sendo 100 homens e 100 mulheres, com idades e comorbidades associadas variadas. Na engenharia de dados nós utilizamos a Transformada de Hilbert-Huang (HHT) para extração de potência e fase instantâneas de amostras correspondendo à 1 segundo de registro cada, distribuídas em quatro classes de padrões artefatuais. Sendo estas: a) movimento ocular, b) movimento muscular, c) ruído eletrostático, e d) tremores musculares. As amostras bidimensionais compostas por potência e fase foram processadas pela arquitetura Inception, reduzidas à um vetor unidimensional e então alimentaram quatro diferentes algoritmos de machine learning, sendo estes: a) Extreme Gradient Boosting (XGB), b) Random ssifier (RFC), c) K-Neighbors Classifier (k-NN) e d) Logistic Regression (LR). A média das acurácias de cada modelo, por instancia de treinamento (fold), foi comparada através do teste estatístico ANOVA, para verificar diferenças estatísticas entre os modelos. Os resultados mostraram que o algoritmo XGB obteve melhor performance, com acurácia de 94,82% superior em cerca de 13% ao modelo linha de base, que teve acurácia de 83,97% quando treinado nos dados brutos. Foi estabelecido assim um modelo final híbrido Inception-XGB inédito, em conjunto com um eficiente processo de extração de características. 



  • MARINA MALATO FURTADO FERREIRA
  • Análise de contingências aversivas associadas à Covid-19 em pacientes ansiosos com neoplasia

  • Data: 15/03/2022
  • Mostrar Resumo
  • Com o surgimento da pandemia de Covid-19, medidas de proteção foram indicadas por órgãos de saúde em nível global, e vários grupos foram identificados como de risco para a doença, inclusive pacientes em tratamento de neoplasias. Considerando a escassez de estudos associando pacientes com neoplasias em fase de remissão, ansiedade, contexto da pandemia e Análise do comportamento, a presente investigação objetivou identificar as contigências aversivas que pacientes em fase de remissão de neoplasias estão expostos no contexto da pandemia de Covid-19. Participaram da pesquisa sete mulheres na Fase 1, e duas na Fase 2, com idades entre 46 e 51 anos. Os instrumentos utilizados na Fase 1 foram: Questionário sociodemográfico e escala autoaplicável DASS-2. Na Fase 2 com as duas participantes que completaram a pesquisa, foram utilizados: Roteiro de situações potencialmente aversivas, Registro de automonitoramento, e Tabela de análise de contingências. Os resultados das análises de contingências demonstraram predominantemente comportamentos mantidos por reforçamento negativo relacionados principalmente a contextos sociais.

  • LUCAS RAPHAEL LACERDA CUNHA
  • Efeitos do formato do alvo e tempo de exibição de estímulos pseudoisocromáticos sobre os limiares de discriminação de cores

  • Data: 11/03/2022
  • Mostrar Resumo
  • Estímulo pseudoisocromáticos são amplamente utilizados na literatura de visão de cores e são a base do Cambridge Colour Test (CCT). Poucos estudos recentes têm se dedicado a entender como variáveis do estímulo e da testagem no CCT podem influenciar os limiares de discriminação de cromaticidades obtidos. A presente pesquisa buscou avaliar os efeitos do tempo de exibição do estímulo (1 e 3 segundos) e formato do alvo (C de Landolt e Quadrado) sobre os limiares de discriminação cromática. Para tanto, utilizou um protocolo de testagem trivetor do CCT com duas cromaticidades complementares por vetor cromático. Foram testaParticiparam 12 humanos adultos com idades entre 18 e 34 anos (média = 25,1 ± 5 anos), com acuidade visual normal ou corrigida para logMAR 0,0 e visão de cores normal. A coleta  de dados aconteceu em dois dias distintos. Os conjuntos de dados obtidos foram avaliados quanto à sua normalidade através do teste de Shapiro-Wilk. Para as comparações entre grupos e intrassujeito, foi utilizado o teste de U de Mann-Whitney. Os resultados indicaram que não houve diferença significativa entre as condições de tempo de exibição e parte das condições de formatos de alvo. As diferenças identificadas para algumas condições provavelmente ocorreram em virtude do baixo tamanho amostral e ocorrência de valores limiares extremos.

  • EDUARDO CANDIDO VELOSO FERREIRA
  • Validade e confiabilidade do uso de sensores de aceleração para avaliação do desempenho motor no teste de sentar e levantar

  • Data: 25/02/2022
  • Mostrar Resumo
  • O teste de sentar e levantar da cadeira em 30 segundos (30s STS) é utilizado na prática clínica para quantificar o desempenho funcional de grupos especiais. Com o desenvolvimento e sofisticação dos smartphones nos últimos anos, pesquisas vêm sendo realizadas para o desenvolvimento de aplicativos de dispositivos móveis que possam extrair dados confiáveis das medidas de aceleração para quantificar e qualificar o comportamento motor em determinada tarefa. Objetivo. Na presente pesquisa, se teve o objetivo de testar validar e testar a confiabilidade de um aplicativo de dispositivo móvel para captação dos sinais de aceleração do centro de massa corporal, para análise e descrição de eventos no teste de sentar e levantar em 30 segundos. Método. Para tal se fez uso de um smartphone e sensor inercial posicionados à nível da quinta vértebra lombar, comparando seus desempenhos com o sistema de cinemetria, padrão ouro nesta pesquisa. A sincronização dos sinais de aceleração foi efetuada com os parâmetros do centro de pressão captados pela plataforma de força em um salto vertical inicial; posteriormente se observou o comportamento motor do centro de massa corporal na execução da tarefa. Os dados foram processados off line e foram extraídas 21 variáveis de análise. Cada ciclo de movimento foi dividido em 3 fases: impulso, sentar/levantar e levantar/sentar; nos permitindo observar o tempo de duração de cada ciclo, o número de ciclos realizados, a frequência de execução, suas áreas de aceleração positiva e negativa de cada fase; os picos máximos e mínimos de aceleração por fase, e suas amplitudes. Resultados. Nossa hipótese obteve validação relativa ao padrão ouro em todas as variáveis de análise temporal; sendo observada similaridade das médias com o smartphone (p = 0.257 – 1; r= 0.979 – 0.999 / rho= 0.532 – 1) e sensor inercial (p = 0.164 – 1; r= 0.979 – 0.999 / rho= 0.532 – 1). As variáveis de aceleração, nossa hipótese foi apenas  parcialmente respondida; pois demonstraram diferenças estatísticas, porém com correlação positiva entre os instrumentos e o padrão ouro. Foi verificada confiabilidade parcial das médias das variáveis temporais; duração total e P1 para cinemetria (p = 0.001 / p = 0.019 respectivamente) e sensor inercial (p = 0.001 / p = 0.008 respectivamente); e nas variáveis de aceleração em Min Acc de P1 (p = 0.049) e P2 (p = 0.030) para o sensor inercial. Com ICC expressas como fraca nas fases P1 (ICC = 0.279) do aplicativo; P2 e P3 do aplicativo (P1-ICC = - 0.003; P2- ICC = 0.485) e sensor (P1-ICC = 0.402; P2-ICC = 0.458).

  • LEANDRO AUGUSTO DE ALMEIDA COSTA
  • DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE PARA TREINO DE DISCRIMINAÇÃO SIMPLES

  • Data: 23/02/2022
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação apresenta dois estudos. O Estudo 1 relata o desenvolvimento de um software livre, utilizando a plataforma GNU Octave. O Estudo 2 relata a aplicação do referido software para treino de discriminação simples e testes de controle misto e de generalização de função via procedimento de máscara em humanos adultos. O software foi desenvolvido com funções básicas de apresentação de tarefas visuais e registro de desempenho, bem como características específicas para o tipo de tarefa proposta, incluindo aleatorização de tentativas e posições de estímulos, equilíbrio de tipos de tentativas apresentadas, critérios automatizados de transição entre tentativas, encerramento de sessão em função de desempenho e registro automático de variáveis relevantes. No Estudo 2, imagens de elipses (S+) e triângulos (S-) foram apresentadas em pares para treinos consecutivos de discriminação simples, seguidos por testes de avaliação do controle misto [por seleção (controle por S+) e por rejeição (controle por S-)] por meio do procedimento de máscara, no qual a máscara ora substituía o S+, ora o S-. Após treino de três pares de estímulos e avaliação de controle misto, foram aplicados testes de generalização, nos quais novos pares de elipses e triângulos foram apresentados em tentativas com máscara (elipse nova+/MK-; MK+/triângulo novo). Todos os participantes, com exceção de um, aprenderam as discriminações e demonstraram controle misto e generalização; a maioria deles passou pelo procedimento praticamente sem erros. A aplicação do software foi efetiva para avaliar o repertório planejado. O procedimento de máscara pareceu uma alternativa viável para avaliar controle misto e generalização de função de estímulos com adultos.

2021
Descrição
  • ELIZABETH BEZERRA NEVES
  • Condicionamento de elogios como reforçadores sociais para crianças diagnosticadas com Transtorno do Espectro do Autismo: uma revisão bibliográfica.

  • Data: 21/12/2021
  • Mostrar Resumo
  • O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) é caracterizado por déficits na comunicação social e na interação social de maneira persistente e em múltiplos contextos e pela presença de padrões de comportamento, interesses ou atividades restritos e repetitivos. Diferenças no padrão de aprendizagem social e sensibilidade a estímulos sociais de crianças típicas e crianças com TEA são identificados com frequência. As Neurociências apresentam evidências sobre os padrões de aprendizagem típicos e atípicos no início da vida; a Abordagem Biocomportamental desenvolve interlocuções entre os dados fisiológicos e as investigações acerca dos processos comportamentais investigados pela Análise do Comportamento. Procedimentos para aumentar o interesse de crianças com TEA em estímulos sociais, a exemplo dos procedimentos envolvendo pareamento estímulo-estímulo (S-S) e controle discriminativo (PCD) têm sido desenvolvidos. Considerando a alta incidência de TEA e a necessidade de corroborar com dados que avaliam a eficiência de procedimentos de condicionamento de elogios como reforçadores, este estudo teórico teve como objetivos: (1) realizar uma aproximação entre evidências de investigações em diferentes níveis de análise relevantes para o fenômeno da aprendizagem social e (2) realizar uma revisão bibliográfica acerca dos procedimentos de pareamento S-S e de PCD para estabelecer função reforçadora a elogios para crianças com TEA. Considerou-se que a interlocução entre as evidências fornecidas pelas áreas do conhecimento mencionadas favoreceria o controle de variáveis como intervalo entre sessões, idade dos participantes e características dos estímulos sociais nos estudos de condicionamento de elogios.

  • LETICIA SILVA MADONADO CUNHA
  • Análise de Respostas Autocontroladas e Impulsivas em Participantes Flexíveis e Inflexíveis.

  • Data: 20/12/2021
  • Mostrar Resumo
  • Considerando: a) a sugestão de que o comportamento autocontrolado de humanos ocorre sob controle de consequências futuras relatadas em regras e que o comportamento impulsivo ocorre sob controle de consequências imediatas; b) os resultados experimentais indicando que indivíduos classificados como flexíveis, sob algumas condições, tendem a não seguir regras discrepantes e que indivíduos classificados como inflexíveis, sob algumas condições, tendem a seguir regras discrepantes e, c) que essa variabilidade comportamental tem sido atribuída a diferentes histórias pré-experimentais; perguntou-se se a variabilidade comportamental observada em alguns estudos que investigaram o comportamento autocontrolado também pode ser atribuída a diferenças nas histórias pré-experimentais dos participantes. O Experimento 1 investigou se participantes classificados como flexíveis e inflexíveis, de acordo com a Escala de Rigidez de Rehfisch (1958), emitiriam mais respostas impulsivas ou mais respostas autocontroladas, quando estes eram expostos a um delineamento experimental similar ao utilizado por Flora et al. (1992). Adicionalmente, verificou se ocorreria correspondência entre a classificação como flexível ou inflexível, o desempenho experimental impulsivo ou autocontrolado e o resultado da aplicação da Escala de Impulsividade de Barratt - BIS11. Participaram 12 universitários, seis classificados como flexíveis e seis como inflexíveis. Desses, oito apresentaram responder impulsivo, um apresentou responder autocontrolado e três emitiram responder considerado neutro. Todos os participantes apresentaram classificação intermediária na Escala de Impulsividade. O Experimento 2 teve o mesmo objetivo do Experimento 1, utilizando um delineamento experimental modificado, no qual foi requerido que os participantes descrevessem a tarefa experimental, aumentado o número de tentativas de demonstração das relações de dependência entre respostas e consequências, inserido frases indicando os ganhos obtidos e reduzido o número total de tentativas do experimento. Participaram oito universitários, quatro flexíveis e quatro inflexíveis. Desses, um apresentou responder impulsivo, seis emitiram responder autocontrolado e um emitiu responder considerado neutro. No debriefing, todos os participantes entenderam o objetivo da tarefa, mas dois participantes do Grupo flexível não descreveram corretamente as contingências. Todos os participantes apresentaram classificação intermediária na Escala de Impulsividade. Nos dois experimentos não foi observada associação entre flexibilidade e inflexibilidade, impulsividade e autocontrole. Embora estaticamente não significativa, foi observado uma tendência do Grupo inflexível em emitir respostas mais autocontroladas em relação ao Grupo flexível. Também foi verificado que as variáveis manipuladas no Experimento 2 favoreceram o responder autocontrolado na tarefa.

  • DAHIS MOANA LOBATO TAVARES
  • Efeitos de justificativas presentes em histórias infantis sobre o brincar social de crianças com o Transtorno do Espectro Autista

  • Data: 20/12/2021
  • Mostrar Resumo
  • Justificativas são propriedades formais de regras, constituídas por relatos antecedentes verbais de eventos atuais, históricos e futuros, podendo alterar função de estímulos, determinar a topografia de um comportamento e a probabilidade de um evento ocorrer e ser mantido. Histórias infantis, de um modo geral são repletas de justificativas do Tipo 5, que são definidas como relatos de comportamentos a serem observados. Estudos tem apontado que elas são eficazes em evocar e controlar comportamentos que tem baixa probabilidade de ocorrer. Desse modo, o objetivo dessa pesquisa foi investigar os efeitos de justificativas do Tipo 5 em histórias infantis sobre comportamentos de brincar social em crianças com TEA. Participaram desta pesquisa quatro crianças com TEA e cinco crianças típicas, entre 5 e 7 anos de idade, divididas em duas condições experimentais. As duas condições diferiam quanto a realização, ou não, de teste de generalização. Para avaliar o repertório inicial das crianças foram utilizados como instrumentos o VBMAPP, Teste de Compreensão de Histórias e o Teste de Seguimento de Instruções. Foram realizadas ao todo 14 sessões de coleta de dados, divididas em cinco etapas: Etapa 1: captação dos participantes; Etapa 2: testes de requisitos, tem o objetivo de verificar se os participantes correspondem aos critérios de exclusão/inclusão; Etapa 3: linha de base, o objetivo é avaliar o repertório de interação social antes da intervenção; Etapa 4: intervenção com as justificativas do Tipo 5 e sondagem dos comportamentos de brincar social; Etapa 5: teste de generalização (realizado apenas na Condição I). O comportamento de brincar social era avaliado em uma situação de interação social entre uma criança típica e uma com TEA. Os resultados mostraram que as histórias infantis foram eficazes em aumentar a duração de alguns comportamentos-alvo, tendo correlação significativamente estatística entre a quantidade de histórias apresentadas e o tempo de duração de comportamentos de brincar social. No entanto, para os comportamentos de aproximar-se do par e convidar para brincar não foi observado efeito. Os resultados indicam que as histórias infantis com justificativas do Tipo 5 podem ser parcialmente efetivas quando utilizado pares típicos treinados.

  • THIAGO PEREIRA CRUZ
  • Escolhas Alimentares de Cuidadores de Crianças e Adolescentes com Epilepsia

  • Data: 17/12/2021
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo visou apresentar como estão relacionados o comportamento alimentar, mais precisamente as escolhas alimentares, dos cuidadores de crianças e adolescentes com epilepsia, seus status sociodemográfico e a frequência de crises convulsivas de seus dependentes, além de verificar como estão relacionadas as condições sociodemográficas entre esses indivíduos. Trata-se de um estudo transversal, vinculado ao projeto de extensão intitulado “Abordagem multiprofissional Epilepsia: trabalhando pais e cuidadores” realizado em um hospital universitário referência em doenças neurológicas na região metropolitana de Belém, em que foram entrevistados 42 cuidadores cujos dependentes tinham diagnósticos de epilepsia. Foi observado que as escolhas alimentares estão correlacionadas com o status sociodemográfico dos cuidadores, assim como elas estão correlacionadas com a frequência de crises convulsivas dos seus dependentes. Além disso, foram encontradas correlações entre a idade do cuidador e a frequência de crises convulsivas de seus dependentes e a idade do dependente e a renda familiar. Os achados encontrados neste estudo permitiram identificar o motivo das escolhas alimentares dos cuidadores de crianças e adolescentes com epilepsia, contribuindo para que novos estudos com foco no comportamento alimentar desses indivíduos (tanto dos cuidadores quanto dos seus dependentes com epilepsia) aconteçam futuramente e que desta forma possam vir a contribuir com o desenvolvimento de estratégias para uma assistência nutricional voltada para a orientação de escolhas alimentares mais adequadas por parte da equipe multidisciplinar, de modo auxiliar o tratamento dessas crianças e adolescentes, na remissão dos sintomas e na adesão dietética desses indivíduos.

  • IGOR EDUARDO FARINHA GUIMARAES
  • Correlatos Neurais do Estresse Percebido: Uma Investigação Preliminar

  • Data: 14/12/2021
  • Mostrar Resumo
  • Atualmente há um interesse crescente nos correlatos neurais do estresse obtidos por meio de eletroencefalografia (EEG), com vista a sua utilização no diagnóstico clínico e suporte ao tratamento de psicopatologias diversas. Um dos principais correlatos neurais do estresse, identificado por meio do EEG, é uma maior ativação da região direita do córtex frontal em relação à região esquerda, indicada pelo cálculo de assimetria alfa frontal (frontal alpha asymmetry). Alguns estudos também tem correlacionado uma elevada potência beta (beta power) na região frontal do córtex com o estresse. A maior parte dos estudos, entretanto, tem como delineamento a indução experimental do estresse e são poucos aqueles que envolveram estresse em situações naturalísticas, isto é, de estresse não induzido. Este estudo teve como objetivo investigar correlatos neurais do estresse percebido de maneira naturalística, avaliando o nível de correlação entre estresse percebido (medido por meio da Escala do Estresse Percebido) e os valores de assimetria alfa frontal, potência alfa e potência beta nas regiões frontais dos cérebros dos participantes, por meio de exame eletroencefalográfico aplicado em situação de repouso e com olhos fechados. Os participantes foram sete estudantes de pós-graduação de uma universidade brasileira. Os resultados deste estudo indicam uma associação entre o estresse percebido e uma maior ativação da região direita do córtex frontal relação à região esquerda do córtex frontal, corroborando a literatura da área. Não foram encontrados resultados significativos envolvendo as ondas beta e o estresse percebido pelos participantes. Tais resultados apontam também para a assimetria alfa frontal como um melhor biomarcador do estresse percebido em comparação às ondas beta.

  • LARISSA HASNAH QUEIROZ DOS SANTOS
  • Limites de Percepção Olfativa do Urubu-de-cabeça-preta (Coragyps atratus)

     

  • Data: 02/12/2021
  • Mostrar Resumo
  • A família Cathartidae é amplamente estudada devido ao seu poder olfativo, visto que as espécies do gênero Cathartes são capazes de localizar alimento através do olfato, sem pistas visuais e em lugares de pouco alcance, além de possuírem aparato olfativo bem desenvolvido. Enquanto o urubu-decabeça-preta (Coragyps atratus), porque dispõe de aparato olfativo menos desenvolvido, concluiu-se que a espécie não possui olfato ou que não o utilizam durante o forrageio. No entanto, poucas evidências e nenhum estudo experimental suporta esta ideia. Dessa forma, nós conduzimos um experimento de campo, em que apresentamos duas opções para os urubus-de-cabeça-preta, uma sacola plástica contendo peixe pútrido e outra sacola contendo areia, servindo como controle. Os indivíduos escolheram a sacola de peixe 81% de vezes em que se aproximaram das sacolas plásticas. A aproximação às sacolas ocorreu com mais frequência quando colocadas em distâncias menores e mostraram pouca reação em 40 e 50 metros. Os urubus-de-cabeça-preta reagiram mais ao peixe com elevado grau de decomposição (7 dias). Os resultados mostram que, provavelmente, o urubu-decabeça-preta utiliza o senso olfativo para identificar sacolas plásticas escondidas contendo alimento, que caracteriza o ambiente de forrageio da espécie em áreas urbanas.

  • JUAN PABLO ARISTIZABAL GALLEGO
  • Intervenção por Neurofeedback em mulheres com alta ansiedade Estado-Traço

  • Data: 11/11/2021
  • Mostrar Resumo
  • Segundo a Organização Mundial da Saúde, a ansiedade é uma das categorias diagnósticas de transtornos mentais com maior prevalência na população mundial e com maior impacto na qualidade de vida das pessoas. Neurofeedback é uma ferramenta tecnológica que vem se estabelecendo como um instrumento não invasivo e não medicamentoso de intervenção eficaz para transtornos mentais como a ansiedade. O objetivo do presente estudo foi avaliar a eficácia da intervenção por Neurofeedback no tratamento da ansiedade como um traço da personalidade, mensurados no Inventario de Ansiedade Traço-Estado (IDATE), e estimar o efeito da intervenção nas mudanças dos padrões cerebrais dos ritmos beta e hi-beta nos lobos temporais esquerdo (T3) e direito (T4). Seis mulheres estudantes universitárias destras, foram submetidas a uma condição de controle, na qual não receberam intervenção, e uma condição experimental, na qual receberam cinco (5) sessões de intervenção por Neurofeedback. O protocolo de intervenção aplicado neste estudo foi focado na diminuição da amplitude da banda de frequência de 19-38 Hz nos lobos temporais. Na etapa de controle não se apresentaram mudanças estatisticamente significativas nas respostas ao questionario. Ja na etapa experimental, os resultados indicam uma diminuição estatisticamente significativa dos sintomas da ansiedade reportados, tanto para a forma A-traco, quanto A-estado. Por outro lado, mesmo que houve uma diminuição do poder relativo das bandas de frequência beta e hi-beta, está foi estatisticamente na banda beta nos dois lobos temporais e na banda hi-beta no temporal esquerdo. Em conclusão nos resultados do presente estudo, o Neurofeedback se apresenta como uma ferramenta potencialmente efetiva para o tratamento da ansiedade.

  • FLAVIA LUCIANA PINHEIRO DE SOUZA
  • Associação entre o comportamento mastigatório e a presença de sintomas digestivos em pacientes candidatos à cirurgia bariátrica.

  • Data: 15/09/2021
  • Mostrar Resumo
  • A adequação no padrão mastigatório faz-se necessária não somente devido ao impacto na digestão, mas também na relação com a perda de peso, principal meta dos candidatos à cirurgia bariátrica. Considerando o impacto da mastigação incorreta na presença de sintomas digestivos nesses pacientes, além da escassez de pesquisas nessa temática, este estudo tem por objetivo testar a associação entre a autopercepção da mastigação, o comportamento mastigatório e a presença de sintomas gastrointestinais em pacientes no pré-operatório de cirurgia bariátrica. Método: Trata-se de um estudo transversal, descritivo e analítico, desenvolvido em um hospital público em Belém/PA referência em cirurgia bariátrica. Foram avaliados 60 adultos candidatos à cirurgia bariátrica, de ambos os sexos, sendo avaliado o comportamento mastigatório pela pesquisadora fonoaudióloga, seguido de aplicação de um questionário de autopercepção sobre a mastigação e um questionário com informações clínicas, de sintomas gastrointestinais, e sociodemográficas. Foi realizada análise estatística por meio do programa SPSS, v. 26, considerando nível de significância p<0,05.  Resultados: A maioria dos participantes era do sexo feminino (96,7%), com ensino médio completo (43,3%) e renda entre 1 a 3 salários mínimos (56,7%). Os participantes apresentaram padrão mastigatório predominantemente unilateral (32; 91,6%), ritmo mastigatório rápido 44 (73,3%), movimentos mandibulares rotatórios 35 (58,3%), bolo alimentar grande colocado na boca 48 (80%), necessidade de ingestão de líquidos durante as refeições 22 (36,7%) e 25 (41,7%) referiram que a mastigação pode causar algum problema. Pode-se observar que muitos desses dados obtidos na avaliação não se assemelharam com a autopercepção desses participantes e a presença de sintomas gastrointestinais desagradáveis. Além disso, foi encontrada associação entre perceber que a mastigação causa problemas com a escassez mastigatória (p=0,006), diarreia (p=0,004), perceber que nunca mastiga devagar (p=0,048), cortar os alimentos com os dentes da frente frequentemente (p=0,034) e apresentar engasgos frequentemente (p=0,035).Conclusão: Os participantes tiveram autopercepção discrepante da mastigação, apesar de relatarem execução incorreta durante a mastigação, ainda assim não associavam a uma mastigação incorreta, ao processo de digestão e sintomas gastrointestinais.

  • PEDRO RICARDO CRISTO DE FREITAS
  • Desempenho no ENEM a partir da perspectiva evolucionista e do autocontrole

  • Data: 13/07/2021
  • Mostrar Resumo
  • Dentre as diversas variáveis associadas ao desempenho acadêmico, a valorização de resultados futuros tem contribuído para explicar o desempenho de jovens e adolescentes. De acordo com a literatura, os jovens que valorizam mais as recompensas futuras podem ter um melhor desempenho, enquanto os que menosprezam o futuro tendem a ter um pior desempenho. A preferência pela opção de maior valor e atrasada de um reforçador pode ser um protótipo do comportamento cotidiano de autocontrole. Em alguns estudos sobre jovens, a tendência em desvalorizar o futuro é vista pela psicologia como disfuncional. No entanto, preferir a recompensa mais próxima em comparação com a recompensa mais atrasada, pode ser adaptativo em alguns contextos, principalmente quando analisamos sob a perspectiva evolucionista. O objetivo desta pesquisa foi verificar se as altas taxas de desconto do futuro e as estratégias rápidas de história de vida apresentavam relação com as notas baixas no ENEM 2019. Através de um questionário online, 66 participantes, inscritos no ENEM 2019, entre 18 e 20 anos, da região metropolitana de Belém, de instituições públicas e privadas, responderam à tarefa de escolha monetária, questões sobre o tempo de vida, percepção de futuro, estimativa de vida útil, à Escala de estratégia de História de vida (mini-k), perguntas sobre dados sociodemográficos e sobre o desempenho. A análise foi realizada através do software R e composta por testes de hipóteses e regressão linear múltipla generalizada. Os resultados não apresentaram as relações esperadas entre as taxas de desconto do futuro e as estratégias de história de vida e o desempenho no ENEM 2019. Contudo, o preditor percepção de futuro apresentou uma relação significativa positiva com o desempenho, e os participantes que se prepararam em instituições particulares tiveram o desempenho significativamente maior. Os participantes que possuíam mais itens de bens, tendiam a frequentar instituições particulares, e por sua vez estes tendiam a ter desempenhos melhores no ENEM. A presente pesquisa confirma que o desempenho acadêmico é resultado de muitos fatores, que nem sempre serão individuais, como o autocontrole, mas podem envolver outras questões, como a instituição na qual o jovem se preparou. Isto pode exigir uma ampliação na forma de conduzir pesquisas e de pensar intervenções.

  • WANDERSON DA SILVA COSTA
  • Diferenças no estilo cognitivo em homens de acordo com a atração sexual, performance sexual e contínuo masculino-feminino

  • Data: 06/07/2021
  • Mostrar Resumo
  • Estilo cognitivo refere-se às preferências e diferenças individuais e/ou grupais nos processos de aprendizagem, raciocínio e pensamento nos indivíduos. A Teoria EmpatiaSistematização (E-S) propõe duas dimensões psicológicas as diferenças nos estilos cognitivos. Empatia é a atribuição de emoções, sentimentos, objetivos, etc., como os nossos próprios para os outros (mais comum no sexo feminino) e sistematização refere-se à aptidão para desenvolver um sistema e analisar suas variáveis (mais comum no sexo masculino). A testosterona, hormônio mais comum em homens, parece ser fundamental para sistematizar o estilo cognitivo. É possível que influencie nas diferenças intrassexuais em homens de diferentes orientações sexuais (hetero/ginefílicos e homo/androfílicos) e de diferentes performances sexuais (insertivo, versátil, receptivo) em estilos cognitivos, características físicas masculinas e conformidade de gênero. Zheng (2015) encontrou diferenças entre homens homossexuais no estilo cognitivo e o presente trabalho replica parcialmente este estudo. O objetivo deste trabalho foi investigar as diferenças individuais no estilo cognitivo a partir da atração sexual, performance sexual e autodeclaração quanto ao masculino e feminino dos participantes. Foi utilizado o método bola de neve para convidar participantes. Foram utilizados o questionário socioeconômico, Escala Klein, Versão Curta das Escalas de Medição do Quociente Empatia-Sistematização, Escala de Pelos Corporais e Faciais. A amostra foi constituída de 304 participantes do sexo masculino. Destes, 73,3% foram da região Norte do Brasil, com idade média de 27 anos, em fase de graduação acadêmica e declarados pardos. Não foram encontradas diferenças significativas nos estilos cognitivos entre androfílicos e ginefílicos, nem entre performances sexuais, porém androfílicos mais conformes de gênero apresentaram maiores escores em sistematização. Androfílicos também apresentaram resultados significativos em não-conformidade de gênero, sendo os insertivos os que tiveram maiores escores em sistematização. Entre a características masculinas como pelos faciais e corporais não foram achadas diferenças significativas entre os grupos. Outras medidas antropométricas teriam sido utilizadas, porém a presente pesquisa teve de adaptar-se por conta da pandemia do novo coronavírus. Os resultados de Zheng não foram confirmados nessa pesquisa, as diferenças entre os QE-S podem ter influenciado o resultado, bem como diferenças culturais entre Brasil e China.

  • PAULO DIOVANNE DA SILVA COSTA
  • EFEITO ERGOGÊNICO DA CAFEÍNA E DA EXPECTATIVA DE EFICÁCIA NO DESEMPENHO FÍSICO.

  • Data: 27/05/2021
  • Mostrar Resumo
  • Os praticantes de treinamento resistido (TR) consomem cafeína (CAF) com a expectativa de melhorar o desempenho físico. Porém, os benefícios atribuídos podem estar relacionados mais ao fator psicológico do que a propriedade fisiológica da substância. Assim, o propósito do estudo foi de verificar se o consumo de (CAF) ou a expectativa de resultado aumentariam a força e a resistência muscular de praticantes de treinamento resistido. [VC1] Participaram do estudo 11 sujeitos (9 homens com idade 25,43±2,4 anos e 7 mulheres com idade 25,43±5,61 anos) fisicamente ativos, com experiência de TR (média 1,8 ± 0,47 anos) que completaram testes de 1RM e do número de repetições (NMR) no supino reto (SR) e no agachamento máquina (AM). Para tanto, utilizamos o modelo duplo-dissociativo que tem por intuito isolar a expectativa de resultado que existe em consumir determinada substância. Para a realização dos testes, todo os participantes foram submetidos a quatro condições, onde a expectativa foi manipulada pelo percentual de certeza (0%, 50%, 50% e 100%) do que estava sendo entregue pelos pesquisadores. Na condição 100%, foi dito que era CAF e foi entregue CAF; na condição 50%CAF, foi informado que poderia ser ou não CAF, mas foi entregue CAF; na outra condição 50%PLA foi gerado a mesma dúvida, mas foi entregue placebo; e a outra condição serviu de controle 0%, onde não houve consumo de cápsulas. As cápsulas de CAF ou placebo foram consumidas 1h antes dos testes, cada uma contendo 345 ± 69,02 mg de CAF por kg de massa corporal. Os resultadosevidenciaram que nem a CAF e nem a expectativa promoveram aumento do desempenho físico nos testes de 1RM no SR e AM, não atingindo significância (p > 0,41 e p > 0,95). No teste NMR feito SR e AM os valores de foram p > 0,38 e p > 0,45, também não alcançaram significância estatística. Concluímos que o consumo de CAF com o intuito de aumentar a força ou resistência muscular não é justificável de acordo com os dados apresentados aqui neste estudo.

  • PAULO HENRIQUE CARMONA DE VASCONCELOS
  • Distanciamento social, atividade física e COVID-19: implicações no Diabetes Mellitus tipo 1 no Brasil. 

  • Data: 04/05/2021
  • Mostrar Resumo
  • Há evidências de que o descontrole glicêmico e o diabetes sejam fatores de risco para complicações relacionadas ao COVID-19. Para minimizar os riscos de contágio, medidas de distanciamento social foram adotadas no Brasil em março de 2020. No entanto, o isolamento social pode dificultar a adesão a um estilo de vida saudável, principalmente relacionado à prática de atividade física e controle do estresse. O objetivo do presente estudo foi avaliar os possíveis impactos das medidas de distanciamento social nos hábitos e prática de atividade física de indivíduos com diabetes tipo I. Tratou-se de um estudo transversal realizado em julho de 2020 por meio de um formulário online para coleta de dados sociodemográficos, situação financeira, prática de atividade física e distanciamento social. Quanto aos resultados 472 pessoas (406 mulheres e 66 homens) responderam ao formulário e 404(85.6%) relataram estarem respeitando as medidas de distanciamento social. A condição de distanciamento social afetou negativamente a prática de atividade física na adesão ao hábito de praticar, na frequência, duração e percepção de mudança na intensidade durante o distanciamento. Apesar de a maioria relatar pouco estresse no ambiente doméstico em situação de distanciamento, foram relatados grandes impactos financeiros e de convívio social. Quanto às associações entre as principais variáveis, foi encontrada associação direta entre perceber muito estresse no ambiente doméstico e parar de fazer atividade física. Também percepções de piores graus de tolerância ao distanciamento social estavam associadas a menor prática de atividade física. Apesar de não ter sido encontrada associação entre adesão às medidas de distanciamento social e mudança no hábito de praticar atividade física nos indivíduos que seguiram se movimentando durante a pandemia, verificou-se que manter o hábito de praticar atividade física estava associado a diminuir a intensidade desta prática. Portanto o distanciamento social e algumas de suas consequências prejudicaram a prática de atividade física como parte do tratamento de indivíduos com diabetes tipo I, tanto no hábito de praticar quanto nas características destas práticas de atividade física como frequência, duração e intensidade.

  • NELSON CORREA MEDRADO
  • Intensidade da paixão e do vínculo de pessoas em diferentes períodos do relacionamento

  • Data: 08/04/2021
  • Mostrar Resumo
  • A paixão e a formação de relacionamentos amorosos são uma das características marcantes da espécie humana. Acredita-se que formar casais, e permanecer juntos por um determinado período de tempo, garantiu vantagens para os ancestrais hominíneos, e por isso, este comportamento teria sido selecionado e mantido ao longo da evolução. Adicionalmente, sugere-se que, nos primeiros três anos do relacionamento, o casal apresenta mudanças neuro-hormonais específicas, como um alto nível de vinculação e uma intensa paixão pelo parceiro. No entanto, ainda existem lacunas sobre como estas mudanças ocorrem e de que maneira estas acontecem. Dessa forma, no presente estudo investigou-se os níveis de vinculação afetiva e da intensidade da paixão de adultos em um relacionamento, comparando pessoas em relacionamentos recentes, de até 6 meses, com pessoas em relacionamentos entre 12 e 36 meses. No total, participaram 246 pessoas (159 mulheres e 85 homens), com, em média, 25 anos de idade, que afirmaram estar em um tipo de relacionamento amoroso. Os participantes responderam a quatro instrumentos: 1) um questionário socioeconômico; 2) um questionário de relacionamentos, como objetivo de acessar informações gerais sobre o relacionamento amoroso dos participantes; 3) a Escala do Amor do Marriage and Relationships Questionnaire (MARQ), o qual visa mensurar o nível de vínculo emocional na relação; e 4) Escala do Amor Apaixonado (EAA), que foi desenvolvido para mensurar a intensidade da paixão. Verificou-se que os dois grupos alcançaram níveis de vinculação afetiva e de intensidade da paixão bem elevados, porém, o grupo relacionamento recente apresentou uma vinculação afetiva significativamente maior do que o grupo relacionamento longo. Adicionalmente, o teste de correlação identificou que o nível de vinculação afetiva diminui com o tempo do relacionamento. Os resultados corroboram a hipótese de que a paixão e a vinculação afetiva são respostas dinâmicas, selecionadas durante a evolução da espécie, e que dependem fortemente do tempo da relação amorosa, ou tempo em que o indivíduo sente gostar do parceiro.

2020
Descrição
  • ANDRESSA MONTENEGRO DE SA ROSSY
  • Efeito da Cinoterapia no desenvolvimento de habilidades sociais em crianças no espectro autista

  • Data: 18/09/2020
  • Mostrar Resumo
  • Habilidades Sociais é um termo que pode ser aplicado a diferentes comportamentos do indivíduo, que contribuem para a competência social, o que favorece um relacionamento saudável e produtivo com as demais pessoas. As habilidades sociais podem ser desenvolvidas através de intervenções. Isso é especialmente importante para crianças com o Transtorno do Espectro Autista (TEA), que é um transtorno que causa deficiências no processo de comunicação social e interação social em diversos contextos, e tem como característica importante o prejuízo nas habilidades sociais. Estas habilidades podem ser desenvolvidas através de terapias, por exemplo, através da Cinoterapia, que é uma modalidade de intervenção assistida por cães, onde os animais com um perfil comportamental específico são utilizados como facilitadores no tratamento de pacientes em diversas áreas da saúde. Diante da necessidade de se conhecer os benefícios de novas formas de terapia no contexto da região Amazônica, o objetivo desta pesquisa foi investigar os ganhos terapêuticos da Cinoterapia para o desenvolvimento de habilidades sociais em crianças com o transtorno do espectro autista. Foi aplicado a seis cuidadores primários, maiores de 18 anos, antes e depois das intervenções, o instrumento Autism treatment evaluation checklist (ATEC), que avalia a efetividade de tratamentos para o autismo; e nas crianças, foram aplicados os níveis 1, 2 e 3 do marco de desenvolvimento “comportamento social e brincar social” do Verbal Behavior Milestones Assessment and Placement Program - VB-MAPP para avaliar as habilidades sociais diretamente antes e após as intervenções. Quanto ao ATEC, das 3 crianças do grupo experimental, duas tiveram melhora dos comportamentos no pós-teste, assim como duas crianças do grupo controle. Quanto ao VB-MAPP, observou-se um avanço nas habilidades sociais das crianças dentro do Espectro Autista deste estudo após intervenção com Cinoterapia, em todas as crianças do grupo experimental, e em apenas uma do grupo controle. A disparidade com os resultados do ATEC pode indicar que instrumentos aplicados por especialistas, como o VB-MAPP, podem ser mais sensíveis do que questionários auto-respondentes. Sugere-se para futuras pesquisas que seja desenvolvido um protocolo de intervenção, que seja dado um tempo maior para a intervenção e que seja investigada a intervenção de Cinoterapia no desenvolvimento de outras áreas dentro do Espectro do Autismo, como a melhora da saúde física, no desenvolvimento motor e na questão afetiva da criança, além de pesquisas com outros transtornos do desenvolvimento. 

  • MAYARA NEGRAO GOMES
  • Comportamento alimentar e imagem corporal em praticantes de Crossfit.

  • Data: 28/08/2020
  • Mostrar Resumo
  • Estudos sobre a melhora do físico associado à prática de exercícios e controle alimentar tem sido mais frequente na literatura. No entanto, práticas esportivas excessivas e alterações de comportamento alimentar podem causar impacto negativo na saúde do indivíduo, sendo que a propagação de pressões socioculturais motivadas pelo padrão corporal ideal, no ambiente esportivo, pode levar a atitudes alimentares transtornadas. Portanto, este trabalho teve como objetivo analisar o comportamento e atitudes alimentares em praticantes de crossfit e compará-los entre sexo, estado nutricional, composição corporal e imagem corporal. Estudo transversal realizado com adultos, com pelo menos 3 meses de prática de crossfit. Para a avaliação do estado nutricional e proporção de gordura corporal foram coletados, massa corporal, estatura, circunferência da cintura e dobras cutâneas. Foram aplicados três instrumentos: o Body Shape Questionnaire (BSQ) para avaliar a insatisfação com a forma corporal, o Disordered Eating Attitude Scale (DEAS) para a análise de atitudes alimentares de risco e o questionário desenvolvido pela pesquisadora para análise nutricional e de saúde. Os dados foram submetidos à estatística descritiva, por meio de medidas de tendência central e dispersão, e analítica, por meio de testes qui- quadrado, binomial, teste T para amostras independentes e testes de correlação. O nível de significância estatístico adotado foi de p<0,05. Participaram da pesquisa 70 praticantes com idade média de 28,6±5,6 anos. A pontuação média total das atitudes alimentares (78,5±11,7) mostrou que os praticantes não apresentavam atitudes alimentares disfuncionais e cerca de 20% da amostra apresentou grau leve (14,28%), moderado (4,28%) ou grave (1,42%) de insatisfação corporal. Apesar de apresentarem boas atitudes alimentares, observou-se que os praticantes com maior percentual de gordura corporal apresentaram maior escore em 2 subescalas do DEAS: preocupação com o peso (9,4 ± 3,2; p=0,029) e práticas restritivas e compensatórias (7,5 ± 3,7; p=0,011); além de maior escore geral de atitudes alimentares (83,3 ± 10,6; p=0,006). Já os praticantes insatisfeitos com a imagem corporal foram os que mostraram ter uma pior relação com alimento (p<0,000) e atitudes alimentares mais transtornadas (p<0,000). Os praticantes com maior pontuação no BSQ, foram os do sexo feminino (93,5 ± 29,9; p=0,017), os com excesso de peso (93,5 ± 32,6; p=0,029) e os com maior proporção de gordura corporal (98,4 ± 31,0; p=0,012). O primeiro modelo de regressão linear mostrou que a associação entre a insatisfação com a imagem corporal e uma pior relação com o alimento pode ser aumentada se o praticante for do sexo feminino e tiver maior proporção de gordura corporal. Já o segundo modelo de regressão linear mostrou que a associação entre excesso de peso e insatisfação com a imagem corporal era dependente do percentual de gordura, mas que ser do sexo feminino mantém essa associação independente da proporção de gordura corporal. Ainda que alguns participantes possam ter apresentado atitudes alimentares transtornadas, parece que a maioria deles é esclarecida quanto à alimentação. Concluiu-se, que, de forma geral, apesar das atitudes alimentares desses indivíduos serem pouco transtornadas, e, a pontuação geral não ter ultrapassado a média, tanto no DEAS quanto no BSQ, foi evidenciado que a insatisfação com a imagem corporal pode influenciar no desenvolvimento de atitudes alimentares transtornadas, além de depender fortemente do estado nutricional e da distribuição de gordura corporal.

  • TALITA NOGUEIRA BERINO
  • Relação entre comportamento alimentar, percepção de qualidade de vida e recidiva de peso em mulheres com mais de 24 meses de cirurgia bariátrica

  • Data: 07/08/2020
  • Mostrar Resumo
  • A cirurgia bariátrica surgiu como uma alternativa para o tratamento da obesidade grave, e as mulheres são as que mais se submetem a esta intervenção. Nos meses após a cirurgia bariátrica geralmente ocorre uma perda de peso acentuada, porém, com a estabilização fisiológica do organismo, pode ocorrer recuperação de parte do peso perdido em longo prazo. O comportamento alimentar é um dos fatores que podem interferir na recidiva de peso, que por sua vez, pode afetar a percepção de qualidade de vida. Muito se tem estudado sobre os padrões de comportamento alimentar de pessoas submetidas à cirurgia bariátrica e também como a qualidade de vida é percebida à medida que o tempo pós-operatório aumenta. O objetivo do presente estudo foi avaliar a relação entre a percepção de qualidade de vida, comportamento alimentar e recidiva de peso em mulheres com mais de 24 meses de cirurgia bariátrica. Estudo transversal realizado com mulheres entre 18 e 59 anos de idade que haviam realizado a cirurgia bariátrica (Bypass gástrico em Y-de-Roux ou sleeve) há pelos menos 24 meses. Foram coletados dados antropométricos, sendo considerada a ocorrência de recidiva de peso quando esta atingia ≥15% do menor peso após cirurgia. Foram aplicados um questionário sociodemográfico, um questionário para avaliar o comportamento alimentar (Three Factor Eating Questionnaire - TFEQ-21) e o Item Short Form Healthy Survey (SF-36), instrumento para avaliar a percepção de qualidade de vida. Participaram do estudo 50 mulheres com idade média de 40 anos. O tempo de cirurgia variou entre 24 e 204 meses (61,9±47,2). A média de recidiva de peso foi de 23,3% (±18,4). Dos padrões de comportamento alimentar, o comer emocional foi o mais frequente nas mulheres estudadas. Na divisão da amostra por grupos em relação à recidiva de peso, além do comer emocional também eram frequentes o descontrole alimentar e a restrição cognitiva, porém não foram encontradas diferenças significativas entre os grupos. Em relação à percepção de qualidade de vida os domínios capacidade funcional e limitação por aspectos físicos foram com melhor percepção. Na divisão por grupos, o grupo que não apresentou recidiva de peso mostrou melhor percepção dos aspectos capacidade funcional, limitação por aspectos físicos, aspectos sociais e componentes físicos gerais de qualidade de vida. Foi encontrada correlação positiva entre tempo de cirurgia e recidiva de peso; recidiva e descontrole alimentar; perda do excesso de peso e melhora de capacidade funcional, limitação por aspectos físicos, vitalidade e limitação por aspectos emocionais. Correlação negativa foi encontrada entre recidiva de peso e capacidade funcional, limitação por aspectos físicos, dor e aspectos sociais; componentes físicos e emocionais da qualidade de vida foram relacionados ao comportamento de descontrole alimentar. A recidiva de peso foi associada ao descontrole alimentar, e fortalecida com o aumento do tempo de cirurgia e também foi associada negativamente à percepção de qualidade de vida em componentes físicos. Conclui-se que a recidiva de peso é frequente em longo prazo e que pode ser influenciada por diversos fatores, incluindo o comportamento alimentar. A ocorrência de recidiva de peso interfere negativamente na percepção de qualidade de vida, principalmente nos aspectos físicos. O acompanhamento em longo prazo se mostra essencial para avaliar o comportamento de mulheres submetidas à cirurgia bariátrica, a fim de evitar que voltem à classificação de obesidade e tenham sua qualidade de vida prejudicadas.

  • SUELLEN SOARES DE MELO
  • AVALIAÇÃO DE MEMÓRIA DE CURTO PRAZO EM CRIANÇAS: O PAPEL DA NOMEAÇÃO E DO TIPO DE ESTÍMULOS

  • Data: 04/08/2020
  • Mostrar Resumo
  • Muitos dos estudos que buscam determinar a função de esquecimento em humanos e não humanos em tarefas de memória de curto-prazo utilizam o procedimento de escolha de acordo com o modelo (delayed matching-to-sample: DMTS). O presente estudo tem como objetivo geral avaliar o papel da nomeação e do tipo de estímulos sobre o desempenho em tarefas de DMTS em crianças com idade de 4 e 5 anos e 9 e 10 anos, com atrasos variados entre curtos (1 s, 3 s, 6 s), médios (9 s, 12 s, 15 s) e longos (20 s, 25 s, 30). Participaram 30 crianças residentes da região metropolitana de Ananindeua, 15 crianças entre 4 e 5 anos e 15 crianças entre 9 e 10 anos. Os participantes foram expostos a três condições, a de preparação à tarefa, a de testes de DMTS com valores distintos de atraso com conjuntos de estímulos variados (letras do alfabeto, caracteres japoneses e formas geométricas) e de teste de nomeação dos estímulos usados no DMTS, que antecediam ou sucediam o DMTS. O desempenho dos participantes foi avaliado como função do atraso, da idade, dos diferentes conjuntos de estímulos usados, e das respostas de nomeação a cada estímulo dos diferentes conjuntos. As crianças de todos os grupos desempenharam melhor no conjunto de estímulos letras, os estímulos mais familiares. Apresentaram leve queda de desempenho conforme o atraso aumentava; no entanto, o pior desempenho ocorreu no atraso de 6 s. As crianças mais velhas tiveram média de desempenho superior às menores. A nomeação não interferiu no desempenho. Novas pesquisas poderiam verificar efeitos da familiaridade do estímulo sobre o desempenho na tarefa.

  • FERNANDA MENDES RABELO
  • Agrupamento perceptual em macacos-prego (Sapajus spp.): Discriminação de formas em estímulos de mosaico e estímulos hierárquicos

  • Data: 30/07/2020
  • Mostrar Resumo
  • Estudos que investigaram o agrupamento perceptual de estímulos visuais por diferentes espécies, indicam diferenças perceptuais no processo de agrupamento dos elementos que compõem uma imagem entre humanos, chimpanzés, babuínos, macacos rhesus, saguis cabeça-de-algodão e macacos-prego. O objetivo desta dissertação foi investigar a discriminação perceptual em estímulos de mosaico (Experimento 1) e em estímulos hierárquicos (Experimento 2), ambos em macacos-prego do gênero Sapajus. Participaram deste estudo dois macacos-prego alojados na Escola Experimental de Primatas (EEP) da Universidade Federal do Pará. No Experimento 1, dois grupos de estímulos mosaicos foram usados para avaliação da discriminação de forma dos alvos: os de contraste de cor, com ruído de luminância e os estímulos de contraste de luminância. Outros dois grupos de estímulos sólidos foram utilizados como linha de base para avaliação da discriminação de forma dos alvos em estímulos cujo percepto não resultaria do agrupamento de elementos: estímulos sólidos de contraste de cor e estímulos sólidos de contraste de luminância. Dois procedimentos foram usados: 1) a escolha de acordo com o modelo (DMTS), em que a resposta de escolha do estímulo de comparação correspondente ao modelo (S+) produzia a liberação de uma pelota de banana e um intervalo entre tentativas (IET) de 6 s, e 2) o de discriminação simples (DS) simultânea, em que o sujeito deveria escolher o estímulo distinto dos demais para produzir a pelota de banana e o IET, também de 6 s. No experimento 2 foram usados estímulos hierárquicos em duas condições de aplicação do procedimento de DMTS: 1) a condição global, em que o modelo e o comparação positivo eram compatíveis nos elementos local e global, enquanto o comparação negativo diferia do modelo em nível global e 2) a condição local, em que modelo e o comparação positivo eram compatíveis em nível local e global, mas o comparação negativo diferia do modelo nos elementos locais. Além disso, avaliou-se a possível interferência produzida por estímulos consistentes e inconsistentes no processamento perceptual da forma global e local. Os resultados do Experimento 1 indicaram, para os dois sujeitos, que os macacos-prego parecem não ser capazes de discriminar as formas que poderiam emergir do agrupamento de pequenos círculos que compõem os estímulos de mosaico pseudoisocromáticos, tanto no procedimento de DMTS quanto de DS. Os resultados do Experimento 2 mostraram que os dois macacos-prego apresentaram maior facilidade em responder entre modelo e comparação quando o controle pelos elementos locais permitia escolhas corretas; quando as escolhas corretas dependiam da correspondência global entre modelo e comparação positivo, o desempenho apresentava-se ao nível do acaso. Embora pouca diferença tenha sido observada no desempenho entre as tentativas consistentes e inconsistentes nas duas condições, a precisão foi menor nas tentativas inconsistentes em ambas as condições. Os resultados desta dissertação mostram que o agrupamento de elementos por contraste de cor ou de luminância em estímulos de mosaico pseudoisocromático não produzem a emergência de percepção de formas em macacos-prego suficiente para permitir o estabelecimento de discriminações entre estímulos deste tipo nas tarefas de DMTS e DS, corroborando estudos que sugerem que macacos do novo mundo apresentam vantagens no processamento perceptual local de estímulos hierárquicos, também observado no Experimento 2 desta dissertação.

  • LUIZA PENHA PINHEIRO
  • RELAÇÃO ENTRE MÉTRICAS FACIAIS E A REJEIÇÃO DE PARCEIRAS PARA RELACIONAMENTO DE LONGO PRAZO INDICADA POR HOMENS HETEROSSEXUAIS

  • Data: 27/03/2020
  • Mostrar Resumo
  • A escolha de parceiros em nossa espécie é estudada conforme a preferência por características físicas e comportamentais, porém é legítimo supor que pressões evolutivas nos levaram tanto a afastar-nos de escolhas inadequadas (rejeitar) quanto preferirmos traços considerados adequados. A simetria facial parece ser uma das características levadas em consideração ao escolher um(a) parceiro(a) romântico, pois indicaria saúde e qualidade genética, importantes para a sobrevivência da espécie. No entanto, as diversas metodologias com as quais se estudou esta variável apresentaram resultados conflitantes: a maioria dos autores acredita que uma face simétrica é preferida, enquanto outros dizem que certo nível de assimetria é considerado mais atraente. Porém não foi encontrado na literatura qual valor objetivo de simetria facial é preferido ou rejeitado em seres humanos e as explicações para estes achados permanecem frágeis. Outras medidas faciais, como distância entre os olhos, distância entre o final do nariz e o queixo, parecem fazer variar a atratividade de um rosto, sendo importante, além da simetria, a harmonia facial, isto é, a disposição dos componentes faciais (olhos, nariz, boca, orelhas, etc.) e as distâncias entre eles. Neste estudo propusemos investigar a rejeição de parceiras para relacionamento de longo prazo por homens heterossexuais (n=63), da cidade de Belém/PA e São Paulo/SP, utilizando oito retratos de rostos femininos naturais (sem alterações gráficas) com diferentes níveis de simetria e harmonia facial, medidos objetivamente, por meio de cálculos matemáticos. Nossa hipótese é que rostos mais assimétricos e desarmônicos serão mais rejeitados. Os retratos foram exibidos em combinação de pares em um software no computador, e a tarefa do participante era indicar com as setas do teclado a fotografia mais rejeitada para um relacionamento de longo prazo a julgar apenas pelo rosto. Após esta tarefa, também foi requisitado que os participantes atribuíssem notas de atratividade para as oito faces. Foi aplicado o caso V de Thurstone sobre os dados de rejeição oriundos da primeira tarefa, a fim de se obter escalas intervalares com valores de rejeição de cada foto, atribuída por participantes de Belém, de São Paulo e dos dois grupos somados. Com o teste de Regressão múltipla, observamos que houve relação significativa somente entre a atratividade e a rejeição nas populações do estudo, evidenciando que quanto menos atraente, mais rejeitada a face era e vice-versa. Nossas hipóteses de relação entre simetria e rejeição e entre harmonia facial e rejeição não foram comprovadas, pois não houve relação significativa entre as variáveis, pelo menos com a faixa de valores de simetria e harmonia estudadas. Acreditamos que é necessário trabalhar com uma faixa maior de assimetria e harmonia para, possivelmente, encontrarmos resultados mais indicativos de rejeição por rostos que podem sinalizar patogenias. A atratividade, por ser composta por vários fatores não controlados aqui, deve ser melhor investigada futuramente.

  • URSULA AMANDA DOS SANTOS SIQUEIRA
  • O Trabalho do Futuro? Motivações Para o Trabalho na Economia Compartilhada

  • Data: 06/03/2020
  • Mostrar Resumo
  • As plataformas de economia compartilhada implantaram um novo modelo de trabalho e com ele um
    novo perfil de trabalhador. Este estudo buscou identificar os principais motivadores de escolha de
    engajamento neste modelo de plataforma e possíveis relações com fatores socioeconômicos. A
    hipótese do estudo era de que aspectos socioeconômicos teriam influência sobre os diferentes
    motivadores. Os resultados corroboraram com a hipótese; dos 14 motivadores investigados, 10
    apresentaram interações estatisticamente significativas com aspectos socioeconômicos como renda
    individual e renda familiar anterior à entrada na plataforma, ocupação anterior, possuir dependentes,
    idade, nível de escolaridade e estado civil. Esta constatação demonstra a importância de se
    considerar fatores socioeconômicos em estudos de motivação, além disso, os resultados apontam
    para motivações diferentes das encontradas em estudos em outros países, alertando para a
    necessidade de um olhar diferenciado para a realidade brasileira, por meio de mais estudos voltados
    para esse novo modelo de trabalho.

2019
Descrição
  • ANA CLEIDE VIEIRA GOMES GUIMBAL DE AQUINO
  • CONTEXTO DE PEDIDO DE ALIMENTO EM AVES E BEBÊS HUMANOS SUGEREM SEMELHANÇAS ADAPTATIVAS

  • Data: 07/11/2019
  • Mostrar Resumo
  • A comunicação sonora está presente na maioria dos vertebrados, desde peixes, principalmente em espécies que vivem em águas turvas, em algumas espécies de répteis, anfíbios anuros, aves e mamíferos, incluindo os primatas. Há, de fato, semelhanças pertinentes entre a linguagem humana e a comunicação sonora animal e dentre essas semelhanças estão as vocalizações denominadas de chamados, especificamente os chamados por alimento, conhecidos como begging calls. Os begging calls são motivados pela necessidade de alimento e também por efetivar a interação filhote-cuidador, com vistas à comunicação de solicitação e pedido, com vistas à sobrevivência da espécie. O presente estudo constitui-se de uma pesquisa exploratória que tem por finalidade o estudo comparativo de características comuns entre vocalizações de aves no contexto de begging calls e a função da palavra “mamãe” por bebês a partir da seleção da palavra em diferentes línguas a partir do Google tradutor, com o objetivo de delinear a origem dos primeiros sons com valor de comunicação entre humanos e aves. A pesquisa foi realizada em três etapas que se dividem em seleção de dados de fonemas vocálicos e consonantais pertencentes à palavra “mamãe” em diferentes línguas num total de 63 línguas, a partir do enfoque da Fonética Articulatória e Acústica, com a transcrição fonética para a descrição desses sons e também seleção a partir de banco de dados como do LoBio (Laboratório de Bioacústica e Ornitologia da UFPA) e da plataforma Xeno-Canto de espectrogramas de begging calls de aves de espécies diferentes, como Amazona amazonica (Papagaio-do-mangue), Troglodytes troglodytes (Corruíra da europa), Phaethornis superciliosus (Besourão-de-rabo-branco) e Cacatua galerita galerita (Cacatua-de-crista-amarela), para observação da faixa de frequência, com vistas à comparação das características comuns entre vocalizações de aves e contexto comportamental da palavra “mamãe”, ou equivalente para designar a progenitora cuja função seja chamado por alimento. Como resultados foram encontradas características comuns em todos os grupos independente da distinção de parentesco, tanto em espectrogramas de aves de espécies diferentes quanto na palavra “mamãe” de línguas diferentes, e que os begging calls são constituído por sons repetitivos, de começo abrupto e ampla faixa de frequência e que esse pedido de alimento está relacionado ao mesmo contexto comportamental de produção dos primeiros sons humanos com função comunicativa, na qual os fonemas /m/ e o par /m/ /m/ são o de maior ocorrência nas línguas selecionadas.

  • ALINE LEAO REIS
  • Efeitos de diferentes estratégias de Educação Alimentar e Nutricional na adesão à prescrição dietética por adultos com Diabetes Mellitus Tipo 1

  • Data: 30/09/2019
  • Mostrar Resumo
  • O Diabetes Mellitus é um distúrbio metabólico de caráter crônico, sua principal característica é a hiperglicemia. Dentre os tipos de diabetes há o Diabetes Mellitus Tipo 1, o qual é resultado da destruição imunomediada de células β pancreáticas com consequente deficiência de insulina. A terapêutica da doença requer a emissão de comportamentos de autocuidado durante toda a vida, tornando difícil a adesão ao tratamento. Para que ocorra tal adesão é necessário substituir rotinas comportamentais relacionadas ao comportamento alimentar. A técnica mindfulness visa essa substituição, pela “tomada de consciência”, e prática do mindful eating. Outra técnica a ser utilizada é a das oficinas culinárias, com o objetivo de aumentar as habilidades culinárias dos participantes e contribuir para melhores escolhas alimentares.  As práticas de mindful eating e oficinas culinárias são bem difundidas em estudos relacionados a outras doenças crônicas não-transmissíveis para a melhora de aspectos psicológicos, mas não em estudos envolvendo pacientes com diabetes Mellitus tipo 1. Objetivo: Analisar os efeitos de diferentes estratégias de educação alimentar e nutricional baseadas em atenção plena e técnicas culinárias na adesão ao tratamento nutricional de adultos com Diabetes Mellitus Tipo 1. Metodologia: Foram utilizados os seguintes instrumentos: Protocolo de Triagem; Protocolo Sociodemográfico e de Histórico Familiar; Roteiro de Hábitos; Aplicativo Glic®; Escala de Conhecimentos sobre Diabetes; Questionário de Atitude no Diabetes Mellitus; Manual de Alimentação e Nutrição para pacientes com Diabetes, The Eating Motivation Survey e Escala de Atenção e Consciência Plenas. O estudo foi analítico-descritivo e experimental, com delineamento longitudinal com duração de 12 semanas. Público-alvo: Adultos entre 20 e 40 anos, com Diabetes Mellitus Tipo 1 há, no mínimo, 1 ano. A coleta de dados ocorreu no Laboratório de Patologia da Nutrição do Hospital Universitário João de Barros Barreto e nas residências dos participantes, os quais foram distribuídos, conforme randomização em blocos, em três grupos: Controle (GC), Intervenção 1(G1; Oficina de alimentação saudável e Prescrição Dietética) e Intervenção 2 (G2; Oficina de alimentação saudável,  Treinamento de discriminação de eventos privados e Oficinas Culinárias). Resultados: Participaram da pesquisa 5 indivíduos randomizados em grupo controle (N=1, P1), Grupo Intervenção 1 (N=2, P2 e P3) e Grupo Intervenção 2 (N=2, P4 e P5). Quando comparados os dados de linha de base e follow up, a análise intergrupos mostrou que G2 aumentou seu escore de autoeficácia em sua percepção sobre habilidades culinárias, diferente de G1, o qual diminui. Destaca-se que os membros de G1 não seguiram a prescrição dietética e os membros de G2 tiveram alterações quanto aos determinantes de escolhas alimentares e aumento no nível de mindfulness pós-intervenções. A análise intra sujeito expôs diferenças entre os sujeitos do G1, destacando-se o estágio de pré-contemplação de P3 e sua dificuldade em aderir ao tratamento, em G2 foi possível observar influência do luto na diminuição de emissão de comportamentos de adesão ao tratamento (P5). Conclusão: As intervenções baseadas em atenção plena e oficinas culinárias foram mais efetivas na adesão ao tratamento nutricional, no que concerne às alterações nos determinantes de escolhas alimentares e nível de mindfulness, enquanto a prescrição dietética mostrou-se insuficiente quanto à adesão ao tratamento nutricional.

  • JOELMA COUTINHO PINHEIRO
  • Adesão ao tratamento em pacientes portadores de Diabetes Tipo 2:  uso de diferentes regras de contagem de carboidrato

  • Data: 27/09/2019
  • Mostrar Resumo
  • Pacientes portadores de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), como a diabetes, apresentam dificuldades em relação ao tratamento por este ser contínuo, e não haver cura, apenas controle e prevenção. Para a adesão ao tratamento considera-se que o comportamento de seguir regras pode dar sustentabilidade ao paciente. As regras podem atuar como forma de aprender novos comportamentos durante a ontogênese (história de vida) do indivíduo, sendo que o tratamento nutricional, em forma de tabelas de contagens de nutrientes, são tipos de regras. Para isso, procurou-se investigar a adesão ao tratamento nutricional de diabéticos pelo uso de duas formas de tabelas de contagens de nutrientes. Foram utilizados duas tabelas de contagem de carboidratos adaptadas à região Norte, uma que contava apenas os carboidratos em gramas, e a outra contava a quantidade de carboidratos, gordura e sódio. Participaram da pesquisa 8 indivíduos divididos entre o Grupo 1 ( iniciava a pesquisa contabdo apenas carboidrato), 2 homens e 2 mulheres, e Grupo 2 (iniciava a pesquisa contando carboidratos, gordura e sódio), 1 homem e 3 mulheres. Eles tinham que planejar suas refeições ao longo do dia, registrar em diários alimentares e fazer as contagens dos nutrientes sob o controle de uma meta prescrita pela pesquisadora. Os resultados mostraram que todos os participantes emitiram apenas a respostas de registrar e somar as quantidades, porém não fizeram o planejamento de suas refeições, evidenciado por suas escolhas alimentares registradas. Esse comportamento possivelmente ficou sob controle da consequencia aversiva que era a substituição de seus alimentos mais apreciados por outros de melhor valor nutricional. Observou-se que 6 dos 8 participantes tiveram preferência de uso pela tabela que contava somente carboidratos, ou seja, a que possuía respostas de contagem mais simples, independente da ordem a que foram apresentados às tabelas, mostrando que o não seguimento de regras para a emissão da cadeia completa de respostas ficou sob controle da variável de custo de respsosta. Concluímos que o seguimento de regras depende do custo de resposta e de suas consequências imeditas.

  • ROBERTA COUTINHO PROENCA
  • Efeitos de Justificativas sobre a Aquisição de Respostas Assertivas

     

  • Data: 27/09/2019
  • Mostrar Resumo
  • Objetivou-se avaliar os efeitos de justificativas dos Tipos 1 e 5 (relatos indicadores de consequências do seguir regras e do que observar) sobre a aquisição de respostas assertivas em contextos amorosos, especificamente comportamentos de recusar pedidos, pedir mudança de comportamento e lidar com críticas. Trinta e seis mulheres heterossexuais, entre 19 e 30 anos, comprometidas com outra pessoa entre um a três anos, que emitiram menos de 50,00% de respostas assertivas no pré-teste, foram divididas aleatoriamente em Grupo Intervenção e Grupo Controle. No pré-teste e pós-teste as participantes responderam o inventário de assertividade, assistiram cenas de interações entre casais, responderam o que fariam em cada situação e participaram de role plays. O Grupo Intervenção foi exposto a justificativas dos Tipos 1 e 5 por meio de uma cartilha, um conto e um vídeo. O grupo Controle não foi exposto a justificativas, apenas a poemas. Seis participantes do Grupo Intervenção emitiram mais de 50,00% de respostas assertivas no pós-teste. No Grupo Controle, apenas uma participante emitiu mais de 50,00% de respostas assertivas pós-teste. Os resultados sugerem que justificativas podem aumentar a probabilidade de emissão de respostas assertivas.

  • MARINA TEIXEIRA PEREIRA
  • Impacto de regras sobre o comportamento de adesão ao cuidado com os pés em diabéticos Tipo 2

  • Data: 27/09/2019
  • Mostrar Resumo
  • Resumo: O Diabetes Mellitus (DM) possui destaque como uma epidemia em nível global. Cerca de 90% a 95% dos pacientes que possuem diabetes pertencem ao Tipo 2 da patologia, tendo a maioria já atingido a idade adulta. Um dos fatores de risco de maior destaque que afeta pacientes diabéticos, em especial os portadores de diabetes Tipo 2, é o pé diabético. Frequentemente conceituado como qualquer infecção inframaleolar detectada em um portador de diabetes mellitus, interfere a longo prazo nos riscos de morbidade e mortalidade. De modo geral, o tratamento consiste na apresentação de orientações que nada mais são do que regras a serem seguidas, sendo as mesmas utilizadas como recurso para a adesão ao tratamento e adoção de comportamentos preventivos. Em suma, a presente pesquisa pretendeu comparar os efeitos de diferentes tipos de regras sobre os comportamentos de adesão ao tratamento de cuidado com os pés por pacientes diabéticos do Tipo 2. A amostra foi composta por 28 indivíduos, por demanda espontânea, diagnosticados com diabetes mellitus Tipo 2, com idade a partir de 60 anos, devidamente inscritos no Programa Hiperdia de uma Unidade de Saúde. Os participantes foram divididos aleatoriamente em três grupos (G1=8), (G2=10) e (G3=10). O primeiro grupo (G1) foi submetido aos questionários da linha de base com subsequente entrega do instrumento Manual de orientações de cuidados com os pés sem qualquer feedback ou instrução adicional, retornando após três meses para avaliação por meio do Roteiro de Perguntas (Najjar, 2011) e da ferramenta Medidas sobre Comportamentos de Cuidado com os Pés. O segundo grupo (G2) além de ter sido submetido à linha de base, participou da fase 1 e da fase 2 da pesquisa (momentos de reavaliação, separados por um mês cada, onde a ferramenta Medidas sobre Comportamentos de Cuidado com os Pés foi reaplicada), por fim, o terceiro grupo (G3) além de participar das referidas fases vivenciou um treinamento prático, que consistiu em um conjunto de instruções com demonstração, sobre algumas das medidas de autocuidado, orientadas durante a pesquisa por meio dos instrumentos propostos. As informações coletadas ao longo da pesquisa foram analisadas de maneira em que se busque determinar: a) o conhecimento prévio de G1, G2 e G3 acerca de sua patologia; b) os comportamentos de autocuidado com os pés adotados por G1, G2 e G3. Portanto, nota-se que os participantes dos 3 grupos apresentavam maior facilidade na emissão dos comportamentos A (lavar os pés), B (manter os pés secos) e E (andar calçado) e, apesar de apresentarem alguma variabilidade na emissão de comportamentos após a intervenção, todos os grupos aumentaram seu índice de adesão. Os achados deste estudo demonstram a importância de tornar acessíveis as regras de autocuidado para essa população, porque a medida que a mesma tiver o seu comportamento de autocuidado determinado pelas regras e suas justificativas, não haverá necessidade de contatar as consequências imediatas nocivas de uma postura negligente para que se compreenda a necessidade de manutenção desses cuidados, reduzindo os custos para a saúde pública. 

  • MARINA COUCEIRO ELIAS
  • Correlações entre Ortorexia Nervosa, Autorregras, Rigidez Comportamental e Autoimagem Corporal

  • Data: 26/09/2019
  • Mostrar Resumo
  • Foi investigado se universitários de várias áreas do conhecimento apresentam autorrelatos de comportamentos ortoréxicos e se há diferença entre os sexos e entre os grupos. Adicionalmente, investigou-se possíveis correlações entre autorrelatos ortoréxicos, autorregras alimentares não saudáveis, rigidez comportamental relativa ao seguir regras e distorção da autoimagem corporal. Participaram 246 estudantes; 73 homens e 106 mulheres com autorrelatos ortoréxicos, 37 homens e 30 mulheres sem autorrelatos ortoréxicos. A pesquisa foi feita em cinco etapas. Na Etapa 1 foi aplicado o formulário de dados pessoais, na Etapa 2 o questionário Orto-15, na Etapa 3 o Body Shape Questionnaire, na Etapa 4 a Escala de Rigidez e na Etapa 5 o Formulário de Regras Alimentares. Foi encontrada correlação positiva entre autorrelatos ortoréxicos e rigidez comportamental e correlação negativa entre autorrelatos ortoréxicos e autorregras não saudáveis. Não foi encontrada correlação entre autorrelatos ortoréxicos e distorção da autoimagem corporal. Não houve diferença significativa entre os sexos e entre os grupos com relação as variáveis investigadas. Porém, houve diferenças significativas entre sexos em relação à autoimagem corporal. Mulheres apresentaram maior distorção de autoimagem. Sugere-se a realização de novos estudos que possam corroborar os resultados encontrados e que permitam refinar o conceito de ortorexia nervosa.

  • LUIZA KARINA GONÇALVES MEIRELES
  • Caracterização do desempenho de macacos-pregos (Sapajus, spp.) em uma tarefa de discriminação supralimiar cromática

  • Data: 26/09/2019
  • Mostrar Resumo
  •  Caracterizar a visão de cores de primatas não humanos depende do treino ostensivo de um repertório de discriminação resiliente às variações inerentes às condições de teste. Em pesquisas com primatas, o ato de responder é mantido por reforçamento positivo, há o risco de deterioração do desempenho em testes que demandem muita exposição ao erro. Na avaliação supralimiar de cores há um número fixo de apresentação de estímulos, o procedimento tende a ser mais rápido que aqueles cujo controle da saturação de cores é controlado por um método de escada. O presente estudo objetivou caracterizar o desempenho de visão de cores de macacos-pregos (Sapajus, spp.) em um teste de discriminação de cores supralimiares, a partir do desempenho comportamental de animais com diferentes genótipos, em diferentes níveis de saturação. A amostra foi composta por 5 macacos-prego, alojados na Escola Experimental de Primatas (EEP) da Universidade Federal do Pará. O procedimento básico de treino foi reforçar positivamente toques sobre a região cromaticamente distinta (alvo) em mosaicos pseudoisocromáticos com ruído espacial de tamanho e de luminância. A fase de teste diferiu apenas pela inclusão de novos matizes. Foram testados 20 matizes, distribuídos ao redor da cromaticidade central (CIE1976: u’ = 0,198; v’ = 0,469), em 4 condições de saturação (0,06; 0,04; 0,03 e 0,02). Os resultados mostram que o protocolo de treino desenvolvido nesta pesquisa foi eficaz para estabelecer o repertório necessário para a realização do teste de discriminação de cores e que o desempenho de linha de base se manteve apesar da introdução de situações de erro na fase de teste. Em todas as condições de saturação o padrão de erro dos sujeitos machos foi compatível com o esperado para fenótipos dicromatas. O desempenho da fêmea foi indicativo de tricromacia anômala. Embora o procedimento precise de refinamentos para permitir a pronta diferenciação entre tipos de dicromacia, a análise de conglomerados sugere que a condição de saturação em 0,02 unidades u’v’ separou os dados de frequência de acertos mais de acordo com o esperado pela caracterização genotípica e fenotípica disponível. Os resultados mostram que o teste de discriminação supralimiar de cores tem potencial como alternativa a testes de discriminação de limiares de cor (método de escada) para caracterizar fenotipicamente a visão de cores macacos-pregos.

  • BELANNY BARBOSA LOPES
  • Ausência de efeito do ruído de luminância sobre as respostas corticais provocadas por estímulos pseudoisocromáticos

  • Data: 03/09/2019
  • Mostrar Resumo
  • O ruído de luminância em um estímulo pseudoisocromático caracteriza-se pela distribuição aleatória espacial de diferentes valores de luminância. Esta característica possibilita eliminar pista de brilho entre o alvo e o fundo dos estímulos, permitindo que a percepção da diferença entre eles ocorra apenas por seus conteúdos cromáticos. Tem sido observado que mudanças em parâmetros do ruído de luminância modificam a discriminação perceptual entre as cores do alvo e do fundo do estímulo. Não se sabe onde e como as informações de luminância e cor interagem para levar a tais modificações perceptuais. O objetivo desta dissertação foi avaliar a influência de modificação do ruído de luminância sobre respostas corticais provocadas por estímulos pseudoisocromáticos. Esta pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos do Núcleo de Medicina Tropical da Universidade Federal do Pará, protocolo #991.803. A amostra foi composta por 16 participantes tricromatas saudáveis, com idade entre 24 e 36 anos (26,5 ± 3,4 anos), sendo nove mulheres e sete homens. Os estímulos foram gerados no sistema ViSaGe e foram compostos por redes verde-vermelhas pseudoisocromáticas de 6° com frequência espacial de 2 cpg em um campo de 7,25°. O mosaico foi composto por 2448 círculos que variavam em tamanho e luminância. Dois experimentos testaram duas diferentes formas de manipulação do ruído de luminância, mantendo-se a luminância média (15 cd/m2) do estímulo em todas as condições: (i) No primeiro experimento, foram testados 16 participantes da amostra. Nele, houve variação da amplitude de luminância entre quatro condições: amplitude de 20 cd/m2; amplitude de 12 cd/m2; amplitude de 4 cd/m2 e amplitude de 1 cd/m2, mantendo-se o número de níveis de luminância em todas as condições (cinco níveis). (ii) No segundo experimento, foram testados sete participantes da amostra. Houve variação do nível de luminância entre três condições: 2, 5 e 11 níveis de luminância, mantendo-se a amplitude de luminância em 20 cd/m2 em todas as condições. A atividade cortical foi registrada por eletródios de superfície de ouro posicionados em Oz (ativo), Fpz (referência) e Fz (terra). Foi realizada amplificação de 50000 vezes, digitalizado em 1000 Hz e filtrado entre 0,1 e 100 Hz. A magnitude da resposta foi medida entre a linha de base e pico de amplitude do componente negativo (N1) esperado em torno de 120 ms e dos componentes positivos P1 e P2, esperados em torno de 70 e 230 ms, respectivamente. O tempo de resposta foi quantificado como o tempo para o valor do pico dos componentes N1, P1 e P2. Foi usado ANOVA de um critério para comparar as amplitudes e latências do componentes gerados pelas diferentes condições de estimulação. Os resultados do primeiro experimento mostraram que não houve efeito significativo da modificação da amplitude de luminância do ruído do estímulo sobre a amplitude dos componentes P1 (F[3,60] = 0,6452, p = 0,5929), N1 (F[3,60] = 0,0744, p = 0,97) e P2 (F[3,60] = 0,5183, p = 0,67655). O mesmo aconteceu com as latências, não houve efeito da modificação da amplitude de luminância sobre a latência dos componentes P1 (F[3,60] = 1,0987, p = 0,3578), N1 (F[3,60] = 0,0509, p = 0,98) e P2 (F[3,60] = 1,0384, p = 0,3831). Assim como aconteceu no primeiro experimento, os resultados do segundo experimento mostraram que não houve efeito significativo da manipulação do número de níveis de luminância do ruído do estímulo sobre a amplitude dos componentes P1 (F[2,18] = 0,1847, p = 0,8339), N1 (F[2,18] = 0,121, p = 0,89) e P2 (F[2,18] = 0,1057, p = 0,8998), bem como não foi observado efeito significativo da modificação do nível de luminância sobre a latência dos componentes P1 (F[2,18] = 0,8327, p = 0,5457), N1 (F[2,18] = 0,347, p = 0,71) e P2 (F[2,18] = 1,1412, p = 0,3423). A principal constatação desta dissertação foi que, apesar de produzirem mudanças nas respostas psicofísicas dos sujeitos, as alterações de amplitude e níveis de ruído de luminância, não produzem modificações equivalentes nas respostas corticais. Assim, supõe-se que as alterações de discriminação de cores observadas psicofisicamente pelas manipulações do ruído de luminância não devem ocorrer no córtex visual primário, mas sim em substratos anátomo-funcionais em níveis corticais superiores.

  • LAIZE SOUTO FARAGE DE SOUSA
  • ANÁLISE DA EXPRESSÃO DE CITOCINAS INFLAMATÓRIAS EM HIPOCAMPO DE PACIENTES COM EPILEPSIA MESIAL DO LOBO TEMPORAL

  • Data: 02/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • A neuroinflamação é um evento secundário importante da fisiopatologia dos distúrbios
    neurais agudos e crônicos. Ele compreende componentes humorais e celulares dos sistemas
    imunes inato e adaptativo. A ativação microglial é um evento crucial nos distúrbios neuronais
    crônicos, com consequências deletérias e/ou benéficas. Na doença de Alzheimer (DA), a
    microglia pode ser benéfica por fagocitar as placas amilóides, mas pode contribuir para danos
    neuronais apresentando distrofia e um fenótipo pró-inflamatório, dependendo da progressão
    da doença. Na epilepsia, uma reação microglial intensa e de longa duração tem sido descrita
    usando modelos experimentais de status epilepticus, o que indica um importante papel da
    microgliose no dano neuronal. No entanto, os padrões de ativação microglial não foram
    sistematicamente investigados no cérebro de pacientes humanos com diferentes graus de
    esclerose hipocampal devido à epilepsia do lobo temporal (ELT). Neste estudo, exploramos o
    padrão de reação microglial no hipocampo de pacientes com ELT com diferentes histórias
    clínicas e submetidos a hipocampectomia unilateral para tratamento de ELT refratária.
    Amostras de hipocampo foram obtidas através da ressecção desse hipocampo. Foram
    utilizados o tecido de um paciente que apresentou a primeira convulsão na infância, a qual se
    tornou contínua (P4) e de um paciente com latência de décadas após a primeira convulsão
    (P5). As amostras de tecido removidas durante a cirurgia foram coletadas em solução salina
    estéril e logo após foram colocadas em paraformaldeído a 4% por 24 horas. Após esse
    período, as amostras de tecido dos pacientes P4 e P5 foram crioprotegidas em diferentes
    gradientes de solução de glicerol e sacarose por duas semanas e cortadas usando um criostato
    a 40 μm de espessura. As secções foram submetidas à imuno-histoquímica para
    imunomarcação de microglia (anti-Iba1), citocina pró-inflamatória (IL-1β) e citocinas (TGF-
    β). Ativação microglial generalizada com diferentes graus de microgliose estava presente no
    hipocampo dos pacientes P4 e P5. No entanto, a reação microglial foi mais intensa em P4,
    caracterizada por um número considerável de microglia degenerativa e distrófica e células
    bastonetes. As células positivas para TGF-β estavam conspicuamente presentes no hipocampo
    de ambos os pacientes em cavidades parecidas com clusters e distribuídas de forma esparsa
    sobre o parênquima do hipocampo. As células positivas para IL-1β não estavam presentes. A
    história clínica de cada paciente, com mais ou menos convulsões ao longo do tempo, parece
    induzir padrões diferenciais de resposta microglial durante ELT. No presente estudo, o
    paciente com crises contínuas durante muitos anos, sem latência, apresentou intensa ativação
    microglial, distrofia e degeneração que se assemelham aos achados patológicos presentes na
    DA. Reações antiinflamatórias por células não microgliais também estavam presentes, como
    sugerido pela presença generalizada de células positivas para TGF-β sobre o parênquima do
    hipocampo.

  • LOUISE LOURENÇO ESCÓCIO DE FARIA
  • AVALIAÇÃO DE RELAÇÕES DE CONTROLE DURANTE O ENSINO DE RELAÇÕES
    ARBITRÁRIAS E TESTE DE EQUIVALÊNCIA EM CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN

  • Data: 19/06/2019
  • Mostrar Resumo
  • A escassez de metodologias efetivas para facilitar a aprendizagem de comportamento linguístico de pessoas com transtornos e/ou dificuldade de aprendizagem tem gerado estudos voltados para a criação de procedimentos para estes fins. Um dos métodos desenvolvidos é o Multigestos, que propõe o ensino de sons/fonemas e movimentos articulatórios da boca com auxílio de gestos. Um procedimento também amplamente utilizado para ensino é o emparelhamento de acordo com o modelo (matching-to-sample), que visa o estabelecimento de relações arbitrárias entre estímulos a partir da apresentação de um modelo e escolhas correspondentes. Propôs-se nesta pesquisa a aplicação automatizada do procedimento de matching-to-sample para treinar relações arbitrárias entre estímulos do Multigestos (vídeo com o som das letras e articulações motoras e gestos correspondentes) como Conjunto A, vogais (Conjunto B) e figuras (Conjunto C), com o objetivo de estabelecer classes de equivalência entre esses estímulos em crianças com Síndrome de Down. Propôs-se ainda a avaliação das relações de controle estabelecidas durante o ensino, como escolha por rejeição e/ou seleção, por meio da utilização do procedimento de máscara e a avaliação de controle pelas propriedades visual e auditiva dos modelos. Dois participantes foram expostos ao ensino individualizado de relações AB e AC, ao teste de desempenhos emergentes BC e CB e testes de controle pelos componentes auditivos e visuais dos modelos do Conjunto A sobre as escolhas dos Conjuntos B e C. Ambos os participantes aprenderam as relações AB e AC diretamente treinadas, apresentando desempenho de 100% de acertos após 26 sessões de treino. Um deles apresentou desempenhos quase perfeitos (próximo a 100% de acertos) nos testes de simetria da transitividade B-C e C-B, controle por rejeição e seleção nas escolhas de linha de base AB e AC, e controle pelos componentes auditivo e visual dos modelos sobre as escolhas na mesma linha de base. O segundo participante, no entanto, não apresentou relações emergentes B-C, C-B, nem controle pelos componentes auditivo e visual dos modelos. Os resultados demonstram a eficácia na automatização e utilização do método Multigestos combinado com o procedimento de escolha de acordo com o modelo para o estabelecimento de repertório base da alfabetização, mas indicam a necessidade de aperfeiçoamento do procedimento para um dos participantes. Sugerimos, por exemplo, um treino mais extenso de linha de base após aquisição de critério de 100% de acertos e a exposição ao treino com máscara na linha de base, antes do teste de desempenho emergente.

  • AMANDA CHAVES MARCUARTÚ
  • Efeitos de intervenções em mulheres com reganho de peso após cirurgia bariátrica.

  • Data: 11/03/2019
  • Mostrar Resumo
  • A obesidade tem alcançado prevalência preocupante em todo mundo. Nos casos de obesidade mórbida, a cirurgia bariátrica tem sido indicada como o tratamento eficaz para redução do peso e controle de comorbidades associadas. Porém, a dificuldade de adesão às regras nutricionais em longo prazo tem sido um desafio, podendo causar deficiências nutricionais e reganho de peso, predispondo à recorrência de comorbidades. Objetivo: Avaliar os efeitos de dois tipos de intervenções no estado nutricional, comportamento alimentar e nível de ansiedade de mulheres com reganho de peso após 24 meses de cirurgia bariátrica. Método: Participaram quatro mulheres adultas submetidas às técnicas cirúrgicas de Bypass gástrico ou Sleeve há pelo menos 24 meses, com reganho de peso maior ou igual a 10% em relação ao menor peso estável alcançado após a cirurgia e com dificuldades na adesão ao tratamento nutricional. A coleta de dados aconteceu no laboratório de Patologia da Nutrição e em ambiente domiciliar das participantes. O procedimento constou de: (1) Composição da amostra e entrevista para confirmação dos critérios de inclusão, nessa fase foi utilizado o questionário sobre os dados sociodemográficos e o de avaliação da história clínica e de adesão ao tratamento; (2) Caracterização da linha de base, onde foram plicados os questionário sobre o estágio de prontidão para a mudança de comportamento, questionário sobre o nível de ansiedade, questionário dos três fatores alimentares, questionário sobre atividade física e o questionário sobre o apoio familiar e foi coletado o primeiro recordatório alimentar de 24 horas; (3) Condição de Treino A (CTa): Intervenção com plano alimentar; (4) Condição de Treino B (CTb): Intervenção com técnicas de nutrição comportamental; nesta fase foi entregue apenas uma orientação nutricional impressa e padronizada sobre os 10 passos para uma alimentação adequada e saudável definida pelo Guia Alimentar para a População Brasileira (GAPB) e sobre a importância da suplementação nutricional. As participantes também receberam uma escala de avaliação de percepção de fome e saciedade e participaram de 4 sessões de grupo; (5) Follow-up. Todas as participantes foram submetidas a todas as condições de treino e ao final de cada uma, foi realizada a reavaliação através do questionário de três fatores alimentares adaptado para o paciente bariátrico, perfil bioquímico, antropométrico, composição corporal e inventário de ansiedade de Beck, utilizados também durante a linha de base. Resultados e Discussão: As duas condições de treino mostraram efeitos semelhantes em relação à composição corporal e valores bioquímicos, no entanto, em relação ao comportamento alimentar e ansiedade, a CTb mostrou melhores resultados. Ao termino das intervenções, todas as participates apontaram vantagens maiores no seguimento da CTb. No Follow-up, todas as participantes relataram seguimento das técnicas utilizadas durante a CTb. Conclusão: A intervenção com plano alimentar mostrou algum efeito em curto prazo porém, associado a isso trouxe maiores níveis de ansiedade e comportamentos alimentares disfuncionais. A intervenção comportamental pode ser eficaz em longo prazo, uma vez que promove o aumento na auto-observação e as mudanças no comportamento alimentar e na ansiedade. No entando é possível que o efeito sobre o peso e outrasmedidas biológicas seja gradual, portanto um acompanhamento multiprofissional mais longo parace ser necessário.

  • GABRIELA ARANTES NEUBER
  • CORRELATOS ELETROFISIOLÓGICOS NOS DISTÚRBIOS NEUROCOGNITIVOS LEVES ASSOCIADOS AO HIV: ALTERAÇÕES NA FREQUÊNCIA GAMA.

  • Data: 27/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • Os prejuízos cognitivos causados pela infecção do HIV já são bem documentados na literatura. O presente estudo investigou a existência de alterações eletrofisiológicas e cognitivas em indivíduos adultos vivendo com HIV (PVHIV) em terapia antirretroviral, dando um maior foco à alteração da frequência gama (30-45Hz). A amostra foi composta de 16 participantes no grupo experimental (adultos vivendo com o vírus HIV) e 10 participantes no grupo controle (adultos saudáveis). Todos os participantes realizaram o registro do eletroencefalograma de olhos abertos, em repouso, e foram submetidos à avalição neuropsicológica composta por testes de memória/aprendizagem, atenção, linguagem, velocidade de processamento de informação, memória de trabalho, flexibilidade cognitiva, controle inibitório e visuoconstrução. A amplitude média da frequência gama (30-45 Hz) em PVHIVesteve aumentada, em relação ao grupo controle, em todos os polos cerebrais (frontal, temporal, parietal e occipital), mais especificamente nas regiões frontal direita, linha média central e posterior esquerda. Também a frequência média de delta (polo temporal), teta (polo frontal e parietal), alfa (frontal, temporal e occipital) e beta (frontal, temporal e parietal) apresentaram aumento significativo. Nos testes neuropsicológicos, apenas a função cognitiva de velocidade de processamento de informação e o Exame Cognitivo de Addenbrook (versão revisada – ACE-R), como instrumento de rastreio breve para a identificação de prejuízos cognitivos associados ao HIV diferenciaram participantes com HIV dos controles saudáveis. Diferente do grupo controle, PVHIV não apresentaram correlação da potência gama com o desempenho nos testes de atenção (TMT-A), linguagem (Fluência Verbal – categoria animais) e memória operacional (Dígitos – WAIS-III). Comprovamos a importância da utilização do EEG para detecção precoce de danos cognitivos associados ao HIV e que alterações na frequência gama pode ser um biomarcador de alterações cognitivas causadas pela infecção do vírus.

  • GIULIANA THAISSA MODESTO CARDOSO
  • Efeitos da cirurgia de ressecção hipocampal unilateral sobre os padrões de neurogênese e memória em ratos Wistar adultos.


  • Data: 22/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • A epilepsia do lobo temporal (ELT) é o tipo mais comum de epilepsia focal em adultos e a esclerose hipocampal (EH) é o achado patológico mais comum neste tipo de epilepsia. Em casos refratários de ELT, os pacientes são indicados à cirurgia de ressecção unilateral do hipocampo afetado que geralmente não causa danos cognitivos aos pacientes. Sabe-se que no hipocampo existe uma área neurogênica que promove a formação de novos neurônios mesmo na vida adulta. A existência de neurogênese poderia explicar a ausência de danos cognitivos nesses pacientes. Pretendemos  investigar a modulação de neurogênese do hipocampo contralateral remanescente em modelos animais submetidos  a cirurgia de hipocampectomia unilateral assim como investigar e os processos de aprendizagem e memória. Para isto, utilizamos 18 ratos Wistar, divididos em três grupos, G15, G30 e controle (n=6). Os grupos G15 e G30 foram submetidos ao procedimento cirúrgico de hipocampectomia unilateral no qual os animais foram profundamente anestesiados com uma mistura de cetamina (80 mg/kg) e xilazina (10 mg/kg) até a completa ausência de movimentos oculares e reflexo interdigitálicos. Os mesmos foram posteriormente fixados em aparelho estereotáxico e o hipocampo dorsal localizado de acordo com as coordenadas estereotáxicas. Em seguida, o córtex adjacente e o hipocampo do hemisfério esquerdo foram completamente removidos cirurgicamente em bloco. Os animais G15 e G30 foram mantidos por um período de sobrevida de 15 e 30 dias, respectivamente, após a cirurgia. O grupo controle não foi submetido ao procedimento. Para analisarmos se houve algum comprometimento de aprendizado e memória, os animais dos três grupos foram submetidos à análise de aprendizagem no labirinto radial de oito braços durante 7 dias. Após esse período,  os animais foram perfundidos com solução salina a 0.9% e paraformaldeído a 4% em Tampão fosfato 0.1M. Os encéfalos foram pós-fixados por 48 horas e seccionados em criostato a 30µm. A seguir, uma análise histoquimica foi realizada em secções de hipocampo direito para a visualização de corpos celulares de neurônios maduros (anti-NeuN) e Neuroblastos migratórios (anti-DCX). Os resultados do teste comportamental não apresentaram diferenças significativas de aprendizado e memória entre os grupos. A imunomarcação apresentou diferenças entre os grupos G15 e G30 quando comparados ao grupo controle. Os grupos cirúrgicos apresentaram maior quantidade de neuroblastos marcados no giro denteado, no Hilo e na região de CA3 quando comparados ao grupo controle, o que nos leva a considerar a possibilidade dessa imunomarcação indicar uma possível neurogênese compensatória no hipocampo remanescente nesses animais. Além disso, a cirurgia de hipocampectomia unilateral não acarretou danos cognitivos nos nossos animais experimentais, o que valida essa metodologia como uma importante ferramenta para investigar as bases neurais que modulam a ELT nos pacientes humanos.

  • CRISTIANE MARTINEZ DE ALMEIDA
  • Efeitos de Justificativas do Tipo 5 e do Parentesco sobre o Comportamento de Cooperar

  • Data: 14/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • Cooperar pode ser compreendido como o ato que envolve custo para quem o está efetuando em direção à um indivíduo que receberá os benefícios desta cooperação. Três teorias podem permitir compreender a cooperação em humanos: Seleção de Parentesco (ocorre entre pais e filhos, conhecida como transmissão direta ou entre outros parentes, chamada de transmissão indireta), Altruísmo Recíproco (cooperação entre não aparentados) e a Reciprocidade Indireta (reputação envolvida no ato de ajudar ou recusar ajuda a alguém). Comportamentos novos podem ser aprendidos através da apresentação de regras que contém justificativas para a emissão destes comportamentos. Justificativas consistem em variáveis constituintes de uma regra que ao serem manipuladas alteram a probabilidade do comportamento especificado pela regra vir a ocorrer no futuro e podem ser de cinco tipos. Especificamente as do Tipo 5 descrevem comportamentos a serem observados e tidos como exemplo. Investigou-se através deste estudo os efeitos de justificativas do Tipo 5 e do parentesco sobre o comportamento de cooperar. Para tanto, 107 participantes foram distribuídos em 08 grupos (experimentais e controle). Todos os participantes foram expostos a três fases. Nas Fases 1 e 3 foi medido o comportamento de cooperar quantificando-se o número de fichas doadas para parentes, instituição e para si. Na Fase 2, foi lido um texto sem justificativas para os participantes dos grupos controle e textos com justificativas do Tipo 5 para os grupos experimentais. Os grupos controle diferiram dos grupos experimentais apenas quanto aos tipos de textos apresentados na Fase 2. Os resultados demonstraram mudanças na Fase 3 em relação à Fase 1 quanto ao comportamento de cooperar após a exposição aos textos com e sem justificativas do Tipo 5. Além disso, verificou-se que mesmo o participante cooperando mais em uma direção (para si, para o parente e para a instituição) do que outra, ele ainda se mantém cooperando com as demais opções disponíveis. Tais resultados corroboram com estudos feitos na área de controle por regras, mais especificamente aqueles que contém justificativas e também com o fato de que o ser humano é um ser multideterminado, ou seja, quando ele se comporta, ele o faz com base em uma interação entre variáveis relacionadas à história da espécie, história de vida e variáveis ambientais imediatas.

  • SUZY NYHIARA AMORIM ESTEVAM
  • correlato eletrofisiológico da discriminação de faces no processo de envelhecimento

  • Data: 30/01/2019
  • Mostrar Resumo
  • As respostas de identificação e nomeação que permitem discriminar pessoas familiares de pessoas não familiares advém de um longo histórico de reforçamento diferencial. Parte-se do pressuposto que quanto maior o tempo de exposição a um estímulo e a capacidade de nomeá-lo, maior será a discriminação. A onda N250 é um correlato eletrofisiológico que tem sido relacionado a estímulos familiares, com maior robustez diante destes em relação a estímulos desconhecidos. As pesquisas têm utilizado, preferencialmente, fotos de pessoas famosas para investigar a N250. Ademais, não analisaram sua ocorrência diante de faces de pessoas da mesma família ao longo do processo de envelhecimento, em um estudo transversal. Os objetivos do estudo foram verificar a presença de respostas comportamentais de identificação e nomeação de faces familiares e da ocorrência de correlatos eletrofisiológicos em participantes com idades variando entre 20 e 80 anos. O experimento foi dividido em cinco fases. Nas Fases 1, 2, 3 e 4 foram feitos registros eletrofisiológicos. A Fase 1 diferiu das demais pela apresentação apenas de fotografias de pessoas desconhecidas, a Fase 4 pela emissão de resposta motora e a Fase 5, sem registro de tempo, pela identificação e nomeação das pessoas constantes nas fotografias. Os resultados evidenciaram mudanças no responder correspondente à identificação das faces de acordo com o aumento da idade e a robustez da onda N250 diante de faces familiares em contraposição às faces desconhecidas, porém sem apontar para alterações na resposta de nomear e na amplitude da onda ao longo do processo de envelhecimento.

2018
Descrição
  • GILBERTO MARTINS LYNCH
  • MEDIDAS DE EFICIÊNCIA METACOGNITIVA NA APRENDIZAGEM DE DOMÍNIOS EM FÍSICA.

  • Data: 18/12/2018
  • Mostrar Resumo
  • Metacognição é a habilidade que o indivíduo tem de reconhecer o próprio processo de aprendizagem e a capacidade de aperfeiçoá-lo, seja ele em aspectos de simples discriminação de estímulos, tarefas que envolvem a memória, tomada de decisão ou resolução de problemas. Estudos avaliaram e concluíram que os sistemas regulatórios cerebrais - que são as bases neurofisiológicas das capacidades cognitivas humanas - tem uma relação direta com os processos metacognitivos. Tais processos envolvem o conhecimento e regulação da cognição, o que implica ter consciência dos fatores que influenciam a aprendizagem, conhecer estratégias para fomentá-la, escolher para cada situação específica as estratégias apropriadas, monitorar e controlar o processo, bem como avaliar a aprendizagem, discriminando e quantificando-a, por meio de medidas de viés metacognitivo (nível geral de confiança expresso, independentemente de o teste estar correto ou incorreto), sensibilidade metacognitiva (a acurácia em distinguir capacidade de discriminar julgamentos corretos de incorretos) e eficiência metacognitiva (nível de metacognição de um sujeito dado um determinado desempenho de tarefa básica). A Teoria de detecção de sinal (TDS) é uma importante metodologia para discriminar entre sensibilidade e desvio da resposta em atividades de julgamento de probabilidade bem como avaliar a confiança entre o julgamento e sua correspondência com o acerto no julgamento. Portanto, o presente estudo teve como objetivo quantificar algumas medidas metacognitivas, para avaliar se o grau de associação entre precisão e a confiança no julgamento de certos domínios de física pode ser tomada como uma medida quantitativa de eficiência metacognitiva. Para este estudo, interessa do ponto de vista metodológico, a quantificação de medidas baseadas no sinal teoria de detecção e análise de características de operação do receptor (ROC), também chamadas de Curvas ROC, o que possibilitará calcular e representar graficamente, as medidas metacognitivas acima referidas. Para este estudo, foram utilizados os dados de 16 alunos discentes ingressantes do primeiro ano de engenharia civil do instituto de Tecnologia, da Universidade Federal do Pará, que foram coletados no âmbito da disciplina Física I, no Laboratório de Inovação Didática em Física Richard Feynman. Os discentes responderam ao longo de 1 mês a 8 testes, cada um com 10 questões (40 itens) avaliaram como CERTO e ERRADO os domínios de física referentes à disciplina ministrada. Todos os julgamentos dos testes foram realizados segundo a metodologia Tipologia e Mapeamento de Erros (TME), que mede o nível de confiança (certeza/incerteza) com que o estudante julga certos domínios de aprendizagem. Na primeira fase da pesquisa, eles responderam a um questionário socioeconômico, para caracterização da amostra. Em um segundo momento, eles foram instruídos a como utilizar nos testes a metodologia TME. E num terceiro momento, os discentes realizaram os testes de física que versavam sobre tópicos de mecânica. Com base na análise da Teoria de Detecção de Sinal, os  resultados evidenciaram que há um grande déficit em termos de  sensibilidade e eficiência metacognitiva, uma vez que houve entre as classes metacognitivas um predomínio da classe III (classe I, caracterizada pelo fato de o indivíduo saber que efetivamente conhece um domínio; classe II, em que o indivíduo não sabe e sabe que desconhece um domínio; e por fim, a classe III, característica de um indivíduo que não conhece e pensa que conhece um certo domínio), o que demonstra pouca capacidade de julgamento sobre os próprios domínios de aprendizagem. Isso evidencia uma grande discrepância entre o que o indivíduo efetivamente sabe e o que ele julga saber, o que implica numa baixa sensibilidade metacognitiva e, consequentemente, num rebaixamento da eficiência metacognitiva desse indivíduo. Por fim, os resultados corroboram a importância da criação de metodologias de ensino que tenham como objetivo o desenvolvimento da metacognição no processo de aprendizado.

  • ADNA JANAINA DE ARAUJO SILVA
  • Evidências de Validade do Male Sexual Function Index em Homens de Diferentes Orientações Sexuais.

  • Data: 23/11/2018
  • Mostrar Resumo
  • Estudos sobre fatores que envolvem a sexualidade masculina, tais como a resposta sexual (desejo, excitação, ereção, ejaculação, orgasmo e satisfação) e o sexo anal receptivo geralmente tem um viés clínico e patológico, principalmente em homens homossexuais. Com o objetivo de investigar a resposta sexual masculina, buscou-se encontrar um instrumento aplicável a homens com diferentes orientações sexuais que pudesse ser aplicado em uma população não clínica. A partir deste objetivo geral, a presente dissertação está dividida em três capítulos referentes aos desdobramentos e dificuldades para encontrar um instrumento mais abrangente possível. No capítulo 1 foi realizada uma revisão sistemática da literatura afim de identificar os instrumentos utilizados para avaliar a resposta sexual de homens de diferentes orientações e advindos de amostras não clínica. Como resultado principal, obtivemos que apenas um instrumento apresentava-se amplo o suficiente para abarcar diversos aspectos os domínios da resposta sexual, o Male Sexual Function Index – MSFI, instrumento equivalente ao utilizado para mensurar a resposta sexual feminina, já validado no Brasil. Como resultado secundário, porém relevante em termos sociais, percebemos que a população homossexual tem sido sub-representada em pesquisas sobre o comportamento sexual, especialmente em relação ao prazer e dor anal. A partir disso, no capítulo 2, propusemos traduzir, adaptar e verificar as evidências de validade do MSFI para a Língua Portuguesa, por ser um instrumento validado em língua inglesa e que mensura cinco domínios da resposta sexual (desejo sexual, excitação, orgasmo, ereção e satisfação sexual/emocional). Neste estudo, o instrumento traduzido e adaptado apresentou evidências de validade satisfatória para a amostra de 449 homens heterossexuais, bissexuais e homossexuais naturais de 21 estados brasileiros e um Distrito Federal, e a tentativa de incluir itens relacionados à ejaculação não produziram ajuste aos dados, sugerindo um instrumento com cinco fatores correlacionados com os melhores índices de validade. Por último, o capítulo 3 trata-se de um estudo sobre a frequência da dor anal e peniana; e causas e consequências da dor anal em homens autoclassificados em diferentes performances sexuais (insertivo, insertivo/versátil, versátil, receptivo/versátil e receptivo). A frequência de dor anal e peniana declarada pelos participantes foi mínima e não houve diferenças significativas entre as diferentes performances. Quanto às causas da dor, baixa lubrificação, fatores psicológicos, posição sexual, tamanho do pênis e falta de preliminares foram as mais citadas. O tamanho do pênis foi declarado como causa da dor com maior frequência pelo grupo insertivo. Para consequências da dor anal, o grupo insertivo declarou sentir mais angústia, dificuldades nos relacionamentos, evitar o sexo anal e restringir-se a ser somente insertivo em comparação ao grupo versátil, receptivo/versátil e receptivo. É discutida a necessidade de investigar mais a fundo os fatores que podem determinar a preferência pela performance sexual autoclassificada em relação com a dor no sexo anal receptivo. Assim, por meio desse conjunto de estudos que compreende diferentes metodologias de investigação, revisão sistemática da literatura, estudo psicométrico e investigação empírica propriamente dita, são oferecidas contribuições para a melhor compreensão do comportamento sexual masculino em homens de diferentes orientações e performances sexuais.

  • TAMARA DANTAS MAUES
  • INVESTIGAÇÃO DO EFEITO NEUROPROTETOR DO AÇAÍ (EUTERPE OLERACEA) SOBRE AS ALTERAÇÕES ELETROFISIOLÓGICAS VISUAIS E COMPORTAMENTAIS DE RATOS WINSTAR COM RETINOPATIA DIABÉTICA INDUZIDA.


  • Data: 22/10/2018
  • Mostrar Resumo
  • O diabetes mellitus hoje é considerado um problema de saúde pública mundial. A doença é descrita como uma desordem metabólica de etiliogia múltipla, caracterizada pela hiperglicemia crônica e déficit absoluto ou relativo na secreção ou ação da insulina, que resultam em alterações microvasculares e neurais desencadeando diversas complicações. A retinopatia diabética é tida como umas das principais complicações que provocam cegueira. Estudos apontam que o estresse oxidativo tem participação central no mecanismo de alteração e dano na retina. O açaí (Euterpe Oleracea) tem atraído muita atenção dada à sua capacidade antioxidante e benefícios potenciais associados à saúde na prevenção e redução do estresse oxidativo. A presente pesquisa objetivou avaliar o possível efeito neuroprotetor do açaí (Euterpe oleracea) na função retiniana de ratos Winstar com diabetes induzida de forma transversal, a partir do eletrorretinograma de campo total (ffERG), bem como a avaliação do desempenho comportamental através do treino discriminativo claro/escuro. Optou-se por modelos de ratos Winstar com diabetes induzidas a partir da injeção com aloxano a 2% e tratamento com ração enriquecida com polpa de açaí por 30 dias. O animais foram divididos em 3 grupos: controle (recebeu ração padrão), DM (recebeu ração padrão)  e DM + açaí (ração enriquecida com açaí). Os procedimentos de análise comportamental tiveram início com todos animais antes da indução diabetogênica até a fase de CRF, posteriormente, foi retomado até o término do treino discriminativo claro/escuro. O ERG teve inicio após 30 dias de indução e dieta com açaí. Os resultados do presente estudo mostram que a utilização de dieta enriquecida com açaí é eficaz contra a diminuição da amplitude das respostas eletrofisiológicas visuais em animais com diabetes induzida e demonstrou influência na aquisição de aprendizagem operante, observado através do treino discriminativo claro/ escuro com menor tempo de sessões de treino no grupo diabetes + açaí em comparação ao diabético. Estes achados despertam o interesse em se buscar novas terapêuticas adjuvantes à insulina com uso dos fitoqímicos presentes no açaí no tratamento do Diabetes mellitus e suas complicações.

  • LAIS CAROLINE FERREIRA CARDOSO
  • Efeitos de Justificativas sobre o Seguir Regras por Participantes Ortoréxicos

  • Data: 17/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • A investigação das variáveis envolvidas no estabelecimento e manutenção do comportamento alimentar é importante, principalmente, porque os alimentos ingeridos interferem na sobrevivência do organismo. Transtornos alimentares como a Ortorexia Nervosa podem desencadear fatores que acarretam o comprometimento do convívio social dos indivíduos acometidos. Supõe-se que o comportamento ortoréxico seja controlado por regras associadas à justificativas. Portanto, o presente estudo teve como objetivo avaliar se participantes que apresentam um repertório de comportamentos classificados de ortoréxicos, apresentam tendência a seguir ou a não seguir regras associadas a justificativas. Para isso, na primeira etapa da pesquisa, foramaplicados em 200 estudantes de nutrição do sexto e do sétimo semestres de faculdades de Belém do Pará,dois questionários, o questionário de inflexibilidade (para encontrar indivíduos seguidores ou não de regras) e o questionário Orto-15, que apontou risco para comportamento ortoréxico em 72% dos mesmos. Na segunda etapa houve exposição de 12 participantes (6 inflexíveis, com tenência ao comportamento ortoréxico e 6 flexíveis, 2 destes com tendência e 4 sem tendência ao comportamento ortoréxico) à uma versão informatizada do procedimento de escolha para avaliar experimentalmente a competição entre o controle por justificativas para o seguimento de regras e o controle pelas consequências imediatas. Existiram 4 fases: na fase 1 somente as sequências CEF, CFE, FEC, ECF e EFC foram reforça das com pontos trocáveis por dinheiro em esquema de reforço contínuo, onde todos os participantes passaram para a fase 2, que por sua vez, tinha como regra discrepante a sequência FCE (forma, cor e espessura) e somente as sequências CEF, CFE, FEC, ECF e EFC foram reforçadas. Todos os participantes flexíveis e somente 2 inflexíveis passaram para a fase 3. Nesta fase a regra discrepante FCE foi associada a justificativas do tipo 5(indicadores antecedentes verbais do que observar: relatos que podem indicar exemplos de comportamentos a serem seguidos e exemplos de comportamentos a não serem seguidos) e novamente somente as sequências CEF, CFE, FEC, ECF e EFC foram reforçadas. Todos os seis participantes flexíveis deixaram de seguir a regra e todos os dois participantes inflexíveis deixaram de seguir a regra. Todos passaram para a fase 4, a regra discrepante FCE foi associada a justificativas do tipo 5(antecedentes verbais indicadores do que observar) novamente e somente as sequências CEF, CFE, FEC, ECF e EFC foram reforçadas.Todos os participantes flexíveis deixaram de seguir a regra. O participante inflexível P8 seguiu a regra até o final do experimento, o participante inflexível P10 deixou de seguir a regra na fase 4. O estudo reiterou que participantes com comportamento tendencioso à ortorexia tendem a seguir regras e que o uso de justificativas do tipo 5 podem influenciar neste seguimento.

  • JESSICA SILVA GAMA
  • RELAÇÃO ENTRE NEUROGÊNESE HIPOCAMPAL E HISTÓRIA DE VIDA EM PACIENTES ADULTOS COM EPILEPSIA REFRATÁRIA DO LOBO TEMPORAL

  • Data: 13/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • A epilepsia é um distúrbio neurológico caracterizado pela pré-disposição permanente do cérebro em gerar crises epilépticas, e que atinge cerca de 1% da população mundial. Nos países subdesenvolvidos esse percentual é ainda maior. No Brasil, por exemplo, a doença pode atingir de 2% a 4% da população. A maioria dos pacientes apresenta um bom prognóstico ao tratamento medicamentoso, todavia 30% dos pacientes apresentam crises refratárias ao tratamento. Entre as epilepsias que não apresentam um bom prognóstico encontra-se a Epilepsia do Lobo Temporal (ELT). A ELT nos pacientes adultos é caracterizada morfologicamente por uma perda seletiva de neurônios do complexo hipocampal, concomitantemente ao aumento da neurogênese hipocampal. Apesar de vários estudos demostrarem o papel do hipocampo na memória e na navegação espacial, não se sabe se a neurogênese no hipocampo adulto em pacientes com ELT pode contribuir para a epileptogênese, ou seja, seu surgimento. Utilizamos hipocampos de pacientes portadores de epilepsia, os quais foram submetidos a um processo cirúrgico, no qual, foi realizada a ressecção hipocampal unilateral. Esse material hipocampal foi captado e, a partir dos mesmos, investigou-se uma possível relação entre padrões neurogênicos com a evolução da doença. As entrevistas com os pacientes que foram submetidos a cirurgia demonstraram que o evento desencadeador (precipitante) da epilepsia ocorreu nos primeiros anos de vida dos pacientes, além disso, foram eventos de alta intensidade, e apresentaram, também, uma frequência elevada de crises epilépticas e refratariedade medicamentosa. A análise imunocitoquímica dos hipocampos mostrou de maneira equivalente que houve uma dispersão perceptível da camada de células granulares, indicando uma possível migração ectópica na marcação para neuroblastos (neurônios imaturos), os quais são gerados na neurogênese. Os resultados obtidos nesse trabalho são pioneiros, dado que os mesmos se fundamentam tanto em achados clínicos como histopatológicos, e a relação apresentada entre a neurogênese hipocampal e história clínica propõe uma nova visão de investigação. Esses achados podem auxiliar, ainda, em uma nova perspectiva de tratamento diferenciado nas epilepsias do lobo temporal.

  • PRISCILA IARA DA SILVA LOUZADA DA COSTA
  • Apego Adulto, Estratégia de História de Vida e Vínculo Afetivo em Gêmeos

     

  • Data: 02/03/2018
  • Mostrar Resumo
  • Na Perspectiva Evolucionista, pesquisadores sugerem que o amor romântico foi selecionado de modo que permitiu a permanência dos parceiros na relação. A construção do vínculo afetivo entre os pares desenvolveu-se, principalmente, por conta da prematuridade do bebê. Nessa relação, o sistema de apego propicia aos infantes procurar no seu principal cuidador segurança e conforto. Já os estilos de apego adulto são entendidos como uma representação padrão de vinculação pessoal, internalizada e abrangente. Considerou-se, também, a Teoria da História de Vida, que identifica as estratégias desenvolvidas na ontogênese do indivíduo. E, para entender as influências de possíveis fatores genéticos e ambientais em relação a esses aspectos, escolheu-se a Metodologia de Estudos com Gêmeos. Participaram da pesquisa 37 pares de gêmeos monozigóticos e 11 pares de dizigóticos, a maioria do sexo feminino, estudante universitário e de diversos estados do Brasil. Os gêmeos responderam um questionário online por meio da plataforma googleforms. Utilizou-se o Programa Statistical Package Social Sciences para realizar as análises estatísticas. Todos os gêmeos foram criados (X²=63,529; df=38; p=0,006)  e estudaram juntos (X²=14,860; df=14; p=0,388). Quanto à análise de confiabilidade do inventário de zigosidade, constatou-se boa consistência interna (α=0,876) para semelhança física e consistência interna muito boa (α=0,906) para identidade. A maioria dos gêmeos apresentaram estilos de apego seguro; vinculação baixa e estratégia lenta, como elevado investimento parental e pouco número de filhos. Reafirmou-se que os fatores ambientais possuem papel relevante no desenvolvimento socioafetivo do ser humano.

     

  • YUZO IGARASHI
  • Avaliação da discriminação supralimiar na visão de cores para determinação da faixa de normalidade.

  • Data: 27/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • A visão de cores enriquece e melhora a nossa experiência visual. A cor é uma experiência subjetiva vinculada à composição espectral da luz que são captadas pelos fotoceptores. Para avaliar a sensibilidade cromática há inúmeros testes. Os estímulos pseudoisocromáticos são amplamente utilizados para a identificação e a classificação das discromatopsias. O presente estudo objetiva avaliar o desempenho de um teste de discriminação de cores supralimiares para a identificação fenotípica da visão de cores. A amostra foi composta no total de 37 participantes saudáveis com idade que variou de 18 a 39 anos (27,49, ± 6,06 anos de idade), de ambos os sexos (21 homens e 16 mulheres), 28,6% com grau de escolaridade ensino médio completo e 71,4% com ensino superior completo. A amostra foi dividida em grupo de Tricromatas (29 participantes) e o grupo de Discromatópsico (8 participantes). Para avaliar a discriminação de cores supralimiar foram utilizados estímulos de mosaicos pseudoisocromáticos com o campo circular de 6,5 graus de ângulo visual. O mosaico foi composto por 450 círculos com 10 tamanhos que variavam linearmente entre 0,07 e 0,23 graus de ângulo visual. Cada círculo do mosaico apresentava uma de 6 luminâncias linearmente espaçadas entre 8 e 18 cd/m2. Cada mosaico continha um conjunto de círculos no centro do estímulo que diferiram do restante do mosaico pela cromaticidade, constituindo um alvo que perceptualmente teve o formato da letra C. O teste foi composto pela apresentação de mosaicos cujo o alvo teve cromaticidade em 20 diferentes eixos de cor distanciados da cromaticidade do alvo por um vetor cromático com 0,06, 0,04, 0,03, 0,02, 0,01 e 0,005 unidades no diagrama da CIE1976. Os resultados mostraram que a avaliação de discriminação de cores supralimiares tem potencial de distinguir os dados obtidos a partir de participantes com tricromacia normal e com discromatopsia congênita. O uso de estímulos com saturação entre 0,06 a 0,02 unidades do diagrama da CIE1976 mostraram alta eficiência na identificação do fenótipo da visão de cores dos participantes. Na análise de desempenho feito pela análise da curva ROC três condições de saturação apresentaram o modelo perfeito na sensibilidade e especificidade.

  • CAROLINA QUEIROZ MONTEIRO
  • Funcionamento Cognitivo e Cerebral no TDAH

  • Data: 26/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • O Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é um dos distúrbios neurocomportamentais mais prevalentes em crianças e adolescentes. Sua alta incidência tem despertado o interesse de diversos pesquisadores, principalmente em busca de suas causas. Contudo, apesar dos esforços envidados, a etiologia ainda não é clara e seu diagnóstico persevera no caráter eminentemente clínico. Na perspectiva de melhor compreensão do transtorno, o presente estudo buscou investigar o funcionamento cognitivo e cerebral em crianças com TDAH, empregando o eletroencefalograma (qEEG) e a Escala Wechsler de Inteligência para Crianças - WISC IV; realizar a correlação entre os dois instrumentos; além de buscar possível associação desta patologia com variáveis ambientais. Os participantes deste estudo foram divididos entre grupo experimental e grupo controle, compostos por crianças de 06 a 12 anos de idade, de ambos os sexos, respectivamente com e sem o diagnóstico de TDAH. Empregou-se o eletroencefalograma de 21 canais para registro da atividade neuronal em repouso, seguindo-se da decomposição espectral das faixas de frequência de 4 a 45  Hz, divididas nas bandas teta, alfa, beta e gama. O funcionamento cognitivo foi apurado através do WISC IV, que além do QI total forneceu informações sobre os seguintes índices: Índice de Compreensão Verbal (ICV), Índice de memória Operacional (IMO), Índice de Velocidade de Processamento (IVP) e Índice de Organização Perceptual (IOP). Foram empregados questionários sociodemográficos para levantamento das variáveis. Os resultados desta pesquisa evidenciaram que além do grupo experimental demonstrar maior relação com fatores psicossociais desfavoráveis, ele também apresenta menores pontuações no WISC-IV e maiores amplitudes nas frequências de oscilações neuronais estudadas em relação as crianças do grupo controle. A correlação entre os resultados do qEEG e o WISC IV mostrou correlações moderadas negativas e significativas da amplitude da frequência gama em ambos os hemisférios com os índices ICV e IVP no grupo controle, mas não no grupo experimental, assim como correlação moderada negativa e significativa da frequência gama no hemisfério esquerdo e o QI, no mesmo grupo. Os resultados obtidos estão de acordo com a maioria dos dados encontrados na literatura. Na medida em que o referido transtorno é multicausal, a união dos campos de conhecimento, oferecida neste trabalho, é importante por possibilitar uma compreensão mais abrangente do fenômeno, por meio da associação entre cérebro, comportamento e cognição.

  • RAYANNE MESQUITA BENDELACK
  • Função Sexual e Vínculo Afetivo em Mulheres com Vírus Linfotrópico de Células T Humana Tipo 1

  • Data: 23/02/2018
  • Mostrar Resumo
  •  

    A saúde sexual é um bem-estar físico, emocional, mental e social, não sendo apenas a ausência de doença ou de disfunções sexuais, mas a interação de aspectos biopsicossociais. Ela pode ser afetada por fatores sociais, familiares, falta de intimidade com o parceiro, história de abuso sexual, depressão, ansiedade e alguns medicamentos e infecções, a exemplo o vírus Linfotrópico de Células T Humano tipo 1 (HTLV-1), patógeno debilitante que possui propriedades biológicas capazes de infectar células do sistema imunológico humano. O objetivo do estudo foi investigar a função sexual e o vínculo afetivo em mulheres com e sem HTLV-1. Participaram da pesquisa 64 mulheres, alocadas em 4 grupos, 19 mulheres soropositivas para o HTLV-1(GER) e 20 mulheres sem o vírus (GCR) ambas no período reprodutivo e 10 mulheres soropositivas para o HTLV-1 (GEM) e 15 mulheres soronegativas para o HTLV-1 (GCM), ambas na menopausa e/ou pós-menopausa. Foram utilizados questionários Sociodemográficos, Female Sexual Function Index e a Escala do Amor. Verificou-se que mulheres na fase reprodutiva com HTLV-1 apresentaram diferenças estatísticas na função sexual, excitação e desejo ao comparadas a mulheres na fase reprodutiva sem o vírus. Houve correlação negativa entre o tempo de relacionamento e o vínculo afetivo em mulheres reprodutivas com o vírus, bem como o vínculo afetivo esteve correlacionado positivamente com a satisfação sexual e excitação em mulheres na menopausa e/ou pós-menopausa soropositivas.

2017
Descrição
  • FLAVIA INEZ BARBOSA BRANDAO
  •  

     

    Estudo da Orientação Sexual de Gêmeos no Norte do Brasil.

  • Data: 22/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • A combinação do estudo de gêmeos com a Psicologia Evolucionista pode ser considerada uma ferramenta importante para testar hipóteses evolucionárias, por meio da exploração das influências genéticas e ambientais sobre o desenvolvimento humano. No entanto, ao revisar a literatura, percebe-se que no Brasil os estudos com gêmeos são recentes e ainda não existem pesquisas sobre qualquer aspecto da sexualidade utilizando a metodologia de gêmeos. Sendo assim, nesta pesquisa exploratória foi realizado um levantamento da população de gêmeos adultos na região norte do país com o objetivo de investigar a orientação sexual de pares de gêmeos monozigóticos (MZ) e dizigóticos (DZ). Para tanto, uma amostra de 140 participantes respondeu via internet e presencialmente a um questionário sócio demográfico, a um inventário de zigosidade e à grade de orientação sexual de Klein. Os dados de zigosidade e sociodemográficos foram analisados por meio de estatística descritiva, o teste estatístico não paramétrico de significância, Mann-Whitney comparou os escores do inventário de zigosidade e o coeficiente de correlação intraclasse (ric), foi utilizado para verificar a concordância dos gêmeos com relação às variáveis de orientação sexual analisadas, todos com o auxílio do programa Statistical Package Social Sciences (SPSS) versão 22. Os resultados demonstraram alta confiabilidade na determinação de zigosidade por meio de questionários, com diferença estatística significativa entre as variáveis semelhança física e identidade. Desse modo, 69,3% dos gêmeos foram classificados como monozigóticos e 30,7% como dizigóticos.  Com relação a orientação sexual, 64,9% dos monozigóticos se auto identificaram como unicamente heterossexuais e 8,2% como unicamente homossexuais. Enquanto que, 65,1% dos dizigóticos se auto identificaram como unicamente heterossexuais e 9,3% como unicamente homossexuais. Os resultados sugeriram uma concordância maior em monozigóticos do que dizigóticos com relação às variáveis de orientação sexual analisadas, nos três períodos de vida: “comportamento sexual”, “atração sexual” e “identidade sexual”. Os gêmeos monozigóticos apresentaram valores de correlação intraclasse significativos e superiores aos dizigóticos em quase todos as variáveis, já entre os gêmeos dizigóticos houve correlação apenas na variável “identidade sexual presente”. Os dados indicaram que os aspectos relacionados à orientação sexual não são permanentes, demonstrando que a orientação sexual pode ser realmente um processo dinâmico. Além disso, os resultados apresentados nesta investigação, podem fornecer indícios de que os aspectos relacionados à orientação sexual sofrem influência tanto de fatores genéticos quanto de variáveis ambientais, tendo em vista que houve maior concordância entre o grupo de gêmeos monozigóticos. Entretanto, seriam necessárias análises estatísticas de herdabilidade para estimar o quanto dessas influências podem ser, de fato, atribuídas aos genes ou ao ambiente compartilhado. A partir desta pesquisa, foi criado um cadastro voluntário de gêmeos nesta região, que pode contribuir com novos estudos, com amostras maiores, principalmente de dizigóticos, e mais representativas de orientações sexuais não-heterossexuais, capazes de fomentar novas discussões acerca de uma temática tão relevante e complexa.

  • ERIKA LARISSA DE OLIVEIRA JIMENEZ
  • “Revisão integrativa sobre conceitos analítico-comportamentais relacionados ao Desenvolvimento”.


  • Data: 15/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa discute conceitos relacionados à mudanças no Desenvolvimento. No primeiro capítulo foram revisados os conceitos analítico-comportamentais: behavioral traps, cumulative-hierarchical learning, pivotal behaviors e behavioral cusps. A partir da revisão, possibilidades de interlocução e limites entre a Análise do Comportamento (AC) e a Abordagem de Sistemas em Desenvolvimento (ASD) são discutidos no segundo capítulo. Utilizou-se para a busca o Portal de Periódicos da CAPES e foram selecionados apenas artigos revisados por pares, publicados entre 1967 e dezembro de 2016, escritos em inglês ou português, que continham exatamente os termos de busca no título, resumo ou palavras-chave. Foram excluídas publicações editoriais, livros, revisões, artigos que apenas mencionavam ou que continham os descritores somente nas referências. Após a aplicação destes critérios e a eliminação das repetições, restaram 25 artigos selecionados. Estes artigos foram catalogados a partir do nome dos autores, título do artigo, ano de publicação, periódico da publicação, palavras-chave, objetivos, tipo de artigo (teórico ou empírico), se apresentava interface com outros conceitos/áreas, trechos que continham os descritores e variações do termo em questão. A análise apontou behavioral traps como um conceito que trata de arranjos sociais específicos não controlados experimentalmente relacionados com mudanças amplas no repertório. Cumulative-hierarchical learning (CHL) possui como subordinado o conceito de basic behavioral repertoires (BBR). Para CHL as aprendizagens ocorrem em processos longos e tendem a se tornar mais complexas ao longo da vida. O BBR se referiria à influência de aprendizagens prévias sobre o repertório atual. Ambos apresentam imprecisões em suas definições, de forma mais acentuada para BBR. Os conceitos de pivotal behaviors e behavioral cusps por apresentarem uma abordagem mais molecular do comportamento, também seriam subordinados ao conceito de CHL. Quanto aos fenômenos que abarcam, pivotal behaviors e behavioral cusps apresentam semelhanças entre si. No entanto, behavioral cusps é considerado mais abrangente por incluir comportamentos considerados indesejados e suas repercussões e; por ser proposto como uma alternativa a noção de marcos no desenvolvimento. A partir da aproximação entre a Análise do Comportamento e a Abordagem de Sistemas em Desenvolvimento, verificou-se que embora sejam disciplinas independentes e possuam particularidades importantes, há similaridade entre alguns conceitos da AC com conceitos e princípios da ASD. Resumidamente, CHL pode ser relacionado à noção de desenvolvimento como processo continuo e que ocorre ao longo da vida para a ASD, com ênfase para o caráter cumulativo das mudanças. Behavioral traps, em uma derivação teórica, poderia estar relacionado com o surgimento e manutenção de comportamentos cruciais para o desenvolvimento em períodos específicos da ontogênese, ao longo da evolução. O que pode contribuir para a discussão do caráter fixo de estágios do desenvolvimento. Behavioral cusps relaciona-se ao princípio da não-linearidade e ao conceito de phase shifts, mas também possui semelhanças com o conceito de developmental cascades, que enfatiza as repercussões decorrentes de uma mudança comportamental. A interlocução entre a AC e ASD pode contribuir para ampliar o escopo de variáveis passiveis de uma investigação comportamental ao questionar fenômenos antes designados como exclusivamente biológicos. 

  • MYENNE MIEKO AYRES TSUTSUMI
  • Efeito da utilização de jogos como intervenção lúdica no desempenho escolar: uma revisão integrativa.


  • Data: 03/10/2017
  • Mostrar Resumo
  • Um levantamento prévio verificou que há um número considerável de publicações relatando que o emprego de jogos é um método eficaz no contexto de ensino. No entanto, os dados que justifiquem práticas pedagógicas voltadas para o emprego de jogos e brincadeiras no contexto escolar carecem de organização. O objetivo do presente estudo foi realizar uma revisão sistemática da literatura sobre as pesquisas empíricas que investigaram os efeitos do uso de jogos como estratégia de intervenção lúdica no desempenho escolar e sugerir como a Análise do Comportamento e a Etologia podem contribuir no planejamento do ensino alicerçado no comportamento lúdico, sendo este último o compromisso epistemológico de convergir esses dois modelos explicativos para promover um entendimento mais completo da interpretação e alcance dos resultados. Foram incluídos artigos empíricos e/ou de relato de experiência/caso que descreviam a utilização de jogos como método de intervenção para o ensino de conteúdo escolar formal; que foram publicados em revistas indexadas; que mencionaram ou continham as palavras-chave previamente definidas; e que foram publicados em inglês ou português no período de janeiro de 2006 a dezembro de 2016. No total, 141 artigos foram encontrados, mas, no final, 19 artigos foram considerados adequados aos critérios de inclusão. Foi observado que as crianças foram os principais participantes, que os jogos eletrônicos foram os mais utilizados, que a matemática foi a disciplina que concentra mais estudos e que o uso de jogos teve efeitos de melhora no desempenho acadêmico dos alunos. Esses resultados lançaram luz sobre duas questões importante: 1) a necessidade de incluir eventos lúdicos no contexto de ensino, de planejamento e programação da aprendizagem tornando-a algo significativo para o aluno e para o professor; e 2) a importância de encarar a educação como parte dos interesses científicos e, principalmente, das ciências do comportamento, pois assim haverá coleta e avaliação de evidências que sustentem métodos e decisões pedagógicas.


  • ANTONIO CARLOS BASTOS DA SILVA
  • INVESTIGAÇÃO ELETROFISIOLÓGICA E COMPORTAMENTAL DOS DANOS VISUAIS PROVOCADOS PELO HIPOTIROIDISMO CONGÊNITO INDUZIDO POR METIMAZOL EM CAMUNDONGO SUÍÇO


  • Data: 02/02/2017
  • Mostrar Resumo
  • O hipotiroidismo é uma das doenças hormonais de maior ocorrência mundial, com causas relacionadas à alterações morfológicas da tireoide ou à problemas na expressão gênica dos receptores dos hormônios tireoideanos. Esta doença caracteriza-se pela diminuição dos níveis dos hormônios produzidos na tireoide: o Triidotironina (T3) e o Tiroxina (T4), presente no plasma sanguíneo. Estes hormônios tireoidianos apresentam importantes funções para o crescimento e a maturação de diversos órgãos e tecidos, exibindo ação observada no período embrionário e pós-natal, onde alguns órgãos e tecidos ainda se apresentam imaturos após o nascimento. Em se tratando de sistema nervoso, os hormônios são importantes para o desenvolvimento em diversas regiões deste sistema, dentre elas, as regiões que compõem o sistema visual. Atualmente, técnicas modernas de indução do hipotiroidismo, através do uso de drogas que inibem a ação da glândula tireoide têm sido aplicadas em diversos trabalhos que investigam os efeitos da doença. Nosso estudo investigou alterações visuais em camundongos suíços albinos com hipotiroidismo congênito, ocasionado pelo metimazol (MMI), através de técnicas de eletrofisiologia e avaliação do comportamento visual. Para isso, foram utilizados 12 animais, distribuídos entre o grupo experimental HC-MMI (Hipotiroidismo Congênito por Metimazol) com seis indivíduos nascidos de uma fêmea tratada com MMI durante a gestação, e o grupo controle, com os outros seis animais gerados por uma fêmea que não recebeu a droga. Os animais com 60 dias de vida foram submetidos ao testes de eletrorretinograma (ERG), para avaliar o desempenho funcional da retina, e a psicofísica visual utilizando um software adaptado a partir do Cambridge Colour Test, permitindo aplicá-lo em animais não humanos, com o propósito de observar o desempenho dos animais diante de estímulos cromáticos. Assim, como resultados, encontramos diferenças nas análises do ERG, onde observamos alterações estatisticamente consideráveis na amplitude da onda b, sendo menor em animais com hipotireoidismo congênito (51,082 ±24,848) em relação aos animais do grupo controle (99,592 ±26,520). Já a latência da onda b não apresentou dados com diferenças significativas, porém, nos animais do grupo experimental os valores foram maiores (37,881 ±7,419) em relação ao controle (31,506  ±11,386). Em se tratando de onda-a, a amplitude deste componente do ERG foi maior em animais com hipotiroidismo congênito, em comparação aos controle, também com significância estatística. Já o tempo implícito para a formação da onda-a não apresentou difereças significantes. Dessa forma, concluímos que a redução dos níveis dos hormônios da tireoide estão diretamente ligados a alterações funcionais na retina dos animais nascisdos de fêmeas que receberam o metimazol durante a gestação,

  • KEILLA GISELE MENDONCA CARDOSO
  • Análise comportamental e eletrofisiológica do uso de Glicocorticoides no Sistema Nervoso Central em modelos animais de depressão

  • Data: 31/01/2017
  • Mostrar Resumo

  • A Dexametasona é um glicocorticoide largamente prescrito na medicina utilizado como imunossupressor e anti-inflamatório, bem como, a fluoxetina, que é um antidepressivo, inibidor da recaptação de serotonina, que podem ser utilizados em algum momento ao mesmo tempo com o objetivo das suas respectivas finalidades. O objetivo deste trabalho foi estudar as alterações eletroencefalográficas em animais administrados com essas drogas, como também, os efeitos comportamentais avaliados num modelo animal de depressão, o nado forçado. O estudo foi realizado em ratos wistar machos adultos, submetidos à administração de dexametasona em dose aguda de 4 mg/kg, 24 horas antes do registro eletrocorticográfico, e crônica, administrada durante sete dias a cada 24 horas na dose de 4 mg/kg i.p. A fluoxetina foi administrada na dose de 5 mg/kg, por sete dias, por via oral, com ferramenta semelhante à sonda orogástrica, procedimento de gavagem. Após a administração, os parâmetros eletroencefalográficos da atuação das drogas foram registrados e analisados. Ao comparar, a administração aguda de dexametasona com a crônica, não houve diferença estatística, porém, houve uma tendência para a diminuição das forças Theta e Gamma, para o uso crônico. O grupo que recebeu fluoxetina teve média de amplitude de 2,661 ± 0,5850 mV²/Hz x 10−3comprovando a eficácia da fluoxetina no controle da depressão provocada pelo nado forçado. Para o grupo que recebeu dexametasona de forma crônica e fluoxetina para reverter o quadro a média de potência foi de 0,4758 ± 0,2514 mV²/Hz x 10−3, como não existe diferença estatística entre os grupos dexametasona e dexametasona fluoxetina, a fluoxetina não conseguiu reverter o quadro depressivo ocasionado pela dexametasona. No nado forçado, o grupo fluoxetina teve diminuição do tempo de flutuação, com média de tempo de 45,33 ± 23,26 segundos, demonstrando que o grupo não ficou depressivo. No grupo em que se administrou dexametasona de forma crônica e se avaliou a possibilidade de reverter o quadro depressivo com a fluoxetina a média de tempo de imobilidade foi de 169,8 ± 24,5 segundos indicando que a fluoxetina não teve efeito sobre a depressão ocasionada pela aplicação crônica de dexametasona. Concluímos nesse estudo que o glicocorticoide causa alterações no eletrocorticograma e depressão no teste do nado forçado (TNF). A fluoxetina não obteve efeito nos ratos submetidos ao TNF após o uso de dexametasona.

  • JULIO CEZAR PEREIRA DE OLIVEIRA
  • QUESTÕES CONCEITUAIS DA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO E DAS NEUROCIÊNCIAS NA INTERFACE COM A EDUCAÇÃO


  • Data: 31/01/2017
  • Mostrar Resumo
  • Atualmente o trabalho realizado por diferentes profissionais diante de uma demanda comum (trabalho multi/inter/transdisciplinar) é requisitado em diversos ambientes de aplicação de conhecimento, dentre eles o hospital, organizações e escolas. Esse trabalho de olhar múltiplo sobre um mesmo objeto também tem sido desenvolvido no campo da pesquisa científica. O objetivo deste estudo foi discutir pontos de convergências e divergências teóricas entre Análise do Comportamento e Neurociências dentro da interface com o contexto educacional. Para isso, foi produzido um estudo de caráter teórico, onde inicialmente foi realizado um levantamento da literatura analítico comportamental e de neurociências com viés educacional e posteriormente, o material selecionado foi lido e analisado por meio de duas etapas de categorização pré-definidas de acordo com os objetivos do presente trabalho. Constatou-se que ambas as áreas possuem produção significativa na interface com a educação, com variedade de temas discutidos e pesquisados. As convergências encontradas foram acerca do papel do educador, que para os autores de ambas as áreas deve estar fundamentado em seus pressupostos teóricos. As divergências foram a respeito da caracterização de educação/educar. Para a Análise do Comportamento, educar concerne ao ganho de habilidades preparatórias para o convívio em grupo e manipulação do ambiente. Para as Neurociências, educar está relacionado com modificações de estruturas cerebrais. Conclui-se que o método utilizado não beneficiou que uma amostra significativa da literatura fosse levantada, prejudicando de forma considerável a apresentação de convergências e divergências entre as duas áreas, tornando o direcionamento do estudo, substancialmente baseado no levantamento de semelhanças e diferenças, ineficaz em apresentar os pontos relevantes trabalhados nos dois campos de estudo. Contudo, parte dos objetivos foram alcançados, e o presente trabalho conseguiu apontar o que está sendo produzido na interface entre as áreas pesquisadas.


  • LUANA APARECIDA SILVA GOMES
  • AAvaliação comportamental e eletrofisiológica do sistema visual em camundongos com anemia a partir de um modelo de colite aguda.

  • Data: 31/01/2017
  • Mostrar Resumo
  • As doenças inflamatórias do intestino (DII) correspondem às principais causas da
    anemia e deficiência de ferro e tendem afetar tecidos metabolicamente ativos e
    distantes das áreas de inflamação, como a retina. A partir deste contexto, é interessante investigar o comportamento responsivo do sistema visual, através de testes psicofísicos e eletrofisiológico em animais com DII. O presente trabalho objetivou avaliar as alterações no comportamento e na fisiologia do sistema visual em camundongos induzidos à anemia, a partir de um modelo de colite aguda. Para tanto, utilizou-se 18 camundongos, divididos em três grupos: controle; colite (induzida por Dextran Sulfato de Sódio (DSS); e colite mãe (animais filhos de mães com colite induzida). as respostas eletrofisiológicas, coletadas 6 dias após a indução, foram avaliadas utilizando-se o eletrorretinograma de campo total (ffERG), onde foram medidas as respostas escotópicas (de bastonetes, mista 1 e mista 2) e fotópticas (de cones 1Hz e flicker em 12, 18, 24 e 30 Hz) aos 60 e 90 dias de vida. Além disso, foram realizados testes comportamentais, com treino ao bebedouro e avaliação a percepção de contraste, por meio de estimulo de grades senoidais, disposto em diferentes frequências. A análise estatística foi feita com o teste ANOVA uma via, com pós-teste Tukey, considerando p<0,05, como significante. Foram encontrados redução das amplitudes nas seguintes respostas escotópica de bastonetes  (colite: µ57 e σ6,7µV)  aos 90 dias  de teste, onda-b de mista 1 (colite: µ28,12 e σ7,96 µV; colite mãe: µ 42,180 e σ8,525 µV) no 60 e (colite: µ45,69 e σ7,86 µV e colite mãe: µ56,03 e σ17,130µV)90 dia; onda-a no 60º dia (colite µ39,85 e σ12,74) e 90º dia (colite µ25,99 e σ5,11µV) em respostas fotópicas de  cone 1Hz e cones S no 60º dia (colite µ36,64 e σ9,09µV) e no 90º dia (colite µ31,04 e σ4,835µV) e onda-b de respostas de Flicker de 18Hz  no 60º dia (colite: µ25,12 e σ5,62µV; colite mãe: µ38,37 e σ7,1µV) e 90º dia (colite µ29,1 e σ9,01µV); 24 Hz aos 60 dias (colite: µ22,46 e σ8,38µV; colite mãe: µ29,41 e σ9,676µV) e 30Hz aos 60 dias (colite:µ14,4 e σ3,25µV; colite mãe: µ27,13 e σ5,514µV) e 90 dias (colite: µ41,8e σ5,09µV; colite mãe: µ32,72 e σ11,4µV). Houve  elevação no tempo implícito em bastonetes (colite µ 0,024680σ0,003480 ms) e resposta Flicker de 12 Hz (colite: µ0,021690 e σ0,004652 ms; colite mãe µ0,022140 e σ0,004 ms)aos 60 dias e cone S (colite µ 0,013350 e σ0,001189 ms)e Flicker de 24Hz (colite mãe:(µ 0,028400 e σ0,003878 ms) no 90º  dia. .

    Os testes comportamentais evidenciaram diminuição das respostas e os grupos colite atraso na aprendizagem de resposta de pressão a barra. Portanto, a anemia causa diminui as amplitudes de respostas escotopicas de bastonetes e mista 1,  fotópica de cones de 1Hz e cones S e Fliker de 18, 24 e 30Hz; aumento no tempo implícito de bastonetes, cones S e respostas de Fliker de 12 e 24Hz, assim como dificuldades na tarefa de aprendizagem e função de sensibilidade ao contraste.

  • BRUNO DIEGO LIMA RIBEIRO
  • Ribeiro, B. D. L. (2017). Expressões vocais e interação social em macacos-prego (Sapajus sp.).

  • Data: 31/01/2017
  • Mostrar Resumo
  • A comunicação é uma característica intrínseca dos seres vivos. Cada animal comunica-se com outros de sua ou de outra espécie nas formas características de seus respectivos grupos. Nas interações sociais os indivíduos produzem sinais comunicativos que especificam ou predizem prováveis mudanças de comportamento em outros indivíduos, cujas respostas, por sua vez, geram também prováveis mudanças de comportamento nos primeiros. A vocalização é um elemento importante na comunicação animal e a investigação de suas funções pode se constituir em um modelo comparativo para entendermos a evolução da comunicação humana. Este estudo teve por objetivo identificar fenômenos simbólicos de comunicação entre macacos-prego (Sapajus sp.) nas interações sociais. Para tanto registramos e analisamos atividades e interações sociais em períodos determinados ao longo do dia, por meio dos métodos de scan sample e ad libitum. Registramos e analisamos vocalizações emitidas em ocorrências expontâneas (agonístico, alarme e alimentação) e em experimentos planejados (produção de alarme). Gravações das vocalizações foram apresentados aos indivíduos, e registradas e analisadas as respostas comportamentais. O comportamento verificado em cativeiro, comparado com registros na natureza, apresenta alterações como restrita diversidade de interações sociais. No repertório vocal identificou-se diferentes vocalizações relacionadas a comportamentos específicos, adequados ao contexto. Nossos resultados estão de acordo com indicações de plasticidade cerebral e complexidade social do gênero Sapajus.

     

  • RODRIGO CANTO MOREIRA
  • Influência da luminância de fundo de estímulos pseudoisocromáticos sobre a discriminação de cores em humanos.

  • Data: 31/01/2017
  • Mostrar Resumo
  • A percepção de cores é uma das mais complexas atribuições do sistema sensorial humano e contribui para a sobrevivência na expressão de comportamentos alimentares, reprodutivos, sexuais, de vigilância e outros. Estímulos pseudoisocromáticos são largamente utilizados para a avaliação da visão de cores de humanos e outros primatas. Apesar do grande uso, não há normatizações para sua aplicação. Sendo que cada desenvolvedor destes testes tem usado configurações de estímulos variadas. Esta dissertação objetiva estudar qual o efeito da mudança da luminância do fundo das placas pseudoisocromáticas sobre a percepção limiar de cor em humanos. O presente estudo objetiva avaliar os efeitos da luminância de fundo sobre a discriminação de cores em humanos utilizando estímulos pseudoisocromáticos. Foram testados 10 sujeitos tricromatas de ambos os sexos com idades entre 26 e 54 anos (32.3 ±8.3 anos de idade), acuidade visual normal e sem histórico de doenças pregressas que potencialmente tenham afetado o aparato visual e/ou sistema nervoso. Para avaliar a influência da luminância de fundo na discriminação de cor, foi utilizado um estímulo pseudoisocromático com ruído espacial de tamanho e de luminância (ruído de luminância entre 5 a 35 cd/m2), com um fundo de iluminação de 0 cd/m2, 7,5 cd/m2, 15 cd/m2, 22,5 cd/m2 e 30 cd/m2. O alvo foi composto por um conjunto de círculos centrais que formavam uma letra C, os quais apresentavam diferentes cromaticidades em relação ao campo do mosaico em oito diferentes eixos cromáticos (0º, 45°, 90°, 135°, 180º, 225°, 270°, 315°) em torno de uma coordenada do diagrama da CIE 1976 (u’ = 0,219; v’ = 0,48). Os limiares de discriminação de cor em cada eixo foram estimados usando um método de escolha forçada de 4 alternativas e uma escada (staircase) de 21 reversões, com regra de 2 acertos para 1 erro e o limiar era calculado como a média das 15 últimas reversões. A variação dos limiares de discriminação de cor em função da luminância do fundo foi dependente do ângulo que estava sendo estudado. Nos ângulos 0°, 45°, 180° e 225°, a função apresentou-se assimétrica. Os limiares foram maiores em 0 cd/m2 e diminuíram acentuadamente em 7,5 cd/m2, onde alcançaram seus menores valores. Em seguida, os limiares voltaram a aumentar discretamente nas luminâncias de fundo superiores. Nos ângulos 90°, 135°, 270° e 315° a funções mostrou-se simétrica. Os valores dos limiares foram máximos em 0 cd/m2 e 30 cd/m2 e a taxa de variação em direção aos menores valores de limiar que aconteceram em 7,5 cd/m2 foi semelhante e as taxas de variação foram discretas. A área da elipse de discriminação de cores variou semelhante aos limiares de 0°, 45°, 180° e 225°, mostrando sua maior dependência às mudanças ocorridas nestes eixos. Os resultados mostram que a discriminação de cor é dependente de dois sistemas de processamento, os quais podem ser as vias ON e OFF do sistema visual.

     

    Palavras chave:

     

  • PATRICIA SEIXAS ALVES SANTOS
  • Função de sensibilidade ao contraste de luminância e de cor para estímulos que combinam ambas informações.

  • Data: 31/01/2017
  • Mostrar Resumo
  • Imagens naturais são compostas por diferentes combinações de cor e luminância.No sistema visual há canais de processamento de cor e luminância que possuem distintas sensibilidades para ambas as informações. A via parvocelular tem alta sensibilidade ao contraste de cor verde-vermelho e baixo sensibilidade ao contraste de luminância e a via magnocelularpossui baixa sensibilidade ao contraste de cor verde-vermelho e alta sensibilidade ao contraste de luminância. Estímulos de mosaicos que combinem as informações de cor e luminância podem nos ajudar a compreender como o sistema visual processa a informação da combinação de cor e luminância. Este trabalho busca investigar a função de sensibilidade ao contraste de cor e luminância usando estímulos que combinam ambas as informações. Foram estudados 15 indivíduos tricromatas normaise 1 sujeito discromatópsico congênito. Para estimar a função de sensibilidade ao contraste de cor, foram utilizados estímulos com configuração pseudoisocromáticas no qual o estímulo teste é constituído por um mosaico com ruído espacial de tamanhoe de luminância. O alvo foi composto por uma rede cromáticaverde-vermelho que se diferenciava do fundo apenas pela cromaticidade.Para estimar a função de sensibilidade ao contraste de luminância, foram utilizados estímulos com ruído espacial de tamanho e de cor. O alvo era composto por uma rede de contraste de luminância que se diferia do fundo pela luminância. Foram utilizadas 9 frequencias espaciais entre 0,1 e 5,4 cpg. Foi aplicado um método de escolha forçada de dois intervalos. O limiar foi estimado usando-se uma escada (staircase) de 20 reversões com regra de 2 acertos para 1 erro. O limiar foi estimado com as 14 últimas reversões. Para comparar ambas as funções, os limiares estimados em cada teste foram relativizados em função da maior sensibilidade de cada sujeito dentro de cada teste. A função de sensibilidade ao contraste de cor observada mostrou uma sintonia passa-banda, com maiores sensibilidades ao contraste nas frequências espaciais médias e baixas, enquanto a função de sensibilidade ao contraste de luminância apresentou uma sintonia passa banda, com diminuição da sensibilidade ao contraste nas frequências espaciais maiores e menores que 2,7 cpg. Os resultados sugerem que a percepção limiar de ambos os estímulos pode ter como substrato fisiológico a ativação da via paralela visual parvocelular ou via P.

  • CARLA FAVACHO DOS SANTOS
  • Aplicação de um programa de ensino informatizado para o estabelecimento de habilidades de leitura básica em indivíduos com dificuldades de aprendizagem.


  • Data: 30/01/2017
  • Mostrar Resumo
  • Pessoas que apresentam dificuldades de aprendizagem, por possuírem algum transtorno do desenvolvimento ou deficiência intelectual, têm o aprendizado prejudicado, principalmente de repertórios acadêmicos, que exigem foco da atenção e raciocínio abstrato, mas apresentam a capacidade de aprender, desde que fornecidas condições especiais, necessitando de metodologias diferenciadas e ambientes adaptados para facilitar o seu aprendizado. A leitura é uma habilidade básica para acesso à linguagem escrita que pode ser facilitada por um programa de ensino informatizado, baseado no paradigma da equivalência de estímulos e na aprendizagem sem erros para ensinar o repertório de leitura a alunos com dificuldades de aprendizagem no ensino regular. Este estudo teve como objetivo o ensino de leitura a sete estudantes com dificuldades de aprendizagem de uma escola pública da região metropolitana de Belém, com e sem histórico de fracasso escolar e a análise das diferenças no processo de aquisição do repertório de leitura entre esses indivíduos, quatro deles com histórico de fracasso escolar, medido pelo período de um ano ou mais de alfabetização programada pela instituição sem aquisição do repertório, e os outros três, recém inseridos na alfabetização. Os resultados evidenciam diferenças entre os grupos de alunos com e sem histórico de fracasso escolar. Ao contrário do que foi inicialmente suposto, os alunos com histórico de fracasso escolar, obtiveram um melhor desempenho nas tarefas do software de leitura.


     

  • AIRTON ICARO CANTUARIA GONZAGA
  • Transferência de aprendizagem - uso conceitual em análise do comportamento e neurociências.

  • Data: 30/01/2017
  • Mostrar Resumo
  • O fenômeno da transferência de aprendizagem, comumente definido como o desempenho previamente treinado sendo emitido em um contexto onde não houve treino, relaciona-se a qualquer contexto em que se objetive modificar comportamentos. Em análise comportamental, o conceito se refere a pelo menos cinco fenômenos distintos: generalização de estímulos, indução, irradiação, generalização funcional, e learning-set. Em neurociências, alguns mecanismos de aprendizagem (perceptual, estímulo-resposta, motora e relacional) propõem formas de transferência ou retenção de aprendizagem em outro nível explicativo, complementar e necessário para a compreensão mais ampla do fenômeno. Entretanto, apesar de ser um critério para avaliar a eficácia de intervenções e de procedimentos comportamentais em geral, a definição acerca do que é transferência de aprendizagem exige refinamentos, sendo estes alcançáveis mediante revisões comparativas entre literaturas, a fim de propor integrações conceituais entre os modelos explicativos. O uso desse modo de investigação se justifica pela abrangência dos dados abarcados e pelo baixo uso dentro da análise comportamental, permitindo consolidar definições conceituais e sinalizando novas possibilidades de investigação. No que se refere à transferência de aprendizagem, a consolidação conceitual tende a ser mais refinada na presença de mais de um nível de análise do fenômeno, um recorte pertinente, considerando a múltipla determinação do comportamento, e necessário, uma vez que a importância da transferência de aprendizagem a transforma em um objeto de investigações em outros domínios, como a neurociência e os estudos de memória. O presente projeto investigou, por meio de uma revisão comparativa entre periódicos de alto impacto em análise do comportamento e em neurociências, o fenômeno da transferência de aprendizagem. Todos os trabalhos de revisão teórica disponíveis no período compreendido entre 2005 e 2015. Os periódicos selecionados foram aqueles categorizados como A1 pela Qualis-CAPES, segundo lista atualizada em 2014, nas áreas de Psicologia e Ciências Biológicas II, por meio de descritores referentes a cinco diferentes tipos de transferência de aprendizagem analítico-comportamentais (generalização de estímulos, generalização funcional, indução, irradiação, learning-set) e a quatro mecanismos de aprendizagem (perceptual, estímulo-resposta, motora e relacional) descritos comumente em neurociência cognitiva. As categorias analíticas foram organizadas em duas seções principais: Diferenciação entre tipos de transferência de aprendizagem em análise do comportamento (com 30 resultados selecionados) e Mecanismos correlatos em neurociências (com 26 revisões selecionadas). Os diferentes tipos de transferência de aprendizagem em análise comportamental, nos últimos dez anos, podem ser compreendidos segundo as duas formas mais frequentemente encontradas na proposta skinneriana – generalização operante e generalização respondente, pelo menos na literatura de revisão teórica. Não houve menção aos fenômenos de indução, irradiação, generalização funcional ou learning set. A generalização operante foi compreendida como uma ferramenta de análise fundamental, tanto para procedimentos aplicados quanto para investigação básica, por ser adotada como um critério indireto de eficácia na modificação comportamental programada e do estabelecimento de controle discriminativo. A generalização respondente, em psicologia experimental, foi frequentemente conceituada como aprendizagem associativa, com diferentes propriedades e arranjos experimentais de investigação poucos frequentes em análise comportamental. Definições conceituais presentes na literatura teórica recente não resolveram problemas de sobreposição com outros conceitos (p.ex. ressurgência).   Os mecanismos correlatos encontrados na literatura, voltados para padrões comportamentais diversos, permitiam a visualização de um painel diverso de interfaces entre comportamento e neurociência. Contudo, a maioria dos estudos em neurociência com descrição detalhada dos mecanismos envolvidos focaram em aprendizagem associativa. Aprendizagens operantes foram selecionadas como foco de investigação em neurociências (como comportamento de escolha e memória a longo prazo). Houve descrição de uma grande quantidade de mecanismos potencialmente envolvidos, mas sem descrições do funcionamento neurofisiológico total.  Sugeriu-se a realização de novas revisões e investigações teóricas voltadas a padrões comportamentais específicos, de modo que modelos explicativos que integrem comportamento e substrato neurofisiológico possam  ser produzidos. Também ressalta-se a necessidade da análise comportamental integrar em sua agenda de pesquisa os fenômenos relativos à condicionamento respondente e aprendizagem associativa, que parecem mal representados na literatura comportamental caso a amostra de revisões desta pesquisa seja significativa do cenário geral na análise do comportamento.

  • YURI SOBRAL CAMPOS
  • DESENVOLVIMENTO DE TESTE IMPRESSO PROGRAMÁVEL PARA AVALIAÇÃO VISUAL PARA VISÃO DE CORES E DE LUMINÂNCIA

  • Data: 27/01/2017
  • Mostrar Resumo
  • Atualmente é abrangente o uso de testes computadorizados de não computadorizados para a avaliação de visual, porém os mesmos apresentam vantagens e desvantagens. O presente estudo propõe o desenvolvimento de um teste impresso para avaliar a descriminação de cores e contrastes, o mesmo teste busca apresentar um método sofisticado de discriminação de cor e contraste porém com fácil portabilidade. A ideia é que o experimentador possa programar o teste para que eles atenda as necessidades que mais lhe agradar.

  • ALNA CAROLINA MENDES PARANHOS
  • Teste de Equivalência e exame eletrofisiológico em pessoas acometidas por Acidente Vascular Cerebral com e sem comprometimento cognitivo.

  • Data: 27/01/2017
  • Mostrar Resumo
  • O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma disfunção neurológica causada por uma anormalidade na circulação cerebral. Cerca de 30% das vítimas apresentarão comprometimento cognitivo três meses após a lesão e 10% algum tipo de demência. Na área da Neurociência e Comportamento, estudos têm sugerido que a onda N400 é ativada tanto em tarefas de escolha semântica quanto em teste de equivalência. O presente estudo objetivou verificar a eficácia de um protocolo de ensino de relações condicionais arbitrárias em uma população pós AVC e realizar registros eletrofisiológicos antes e após treino das relações condicionais. Para tanto, dezoito participantes (nove em cada estudo) foram divididos em três grupos – Grupo Controle (GC), composto por adultos saudáveis; e dois Grupos Experimentais, sendo um com pacientes de AVC sem comprometimento cognitivo (GE1) e outro com comprometimento cognitivo (GE2). No Estudo 1, todos os participantes foram expostos a uma estrutura de treino de relações condicionais arbitrárias do tipo AB, AC e AD, e posterior teste de equivalência. O Estudo 2, era idêntico ao Estudo 1 no que se refere ao protocolo de ensino de relações condicionais utilizado, a diferença constou na realização de registros eletrofisiológicos nos participantes, antes e depois do procedimento comportamental. Os resultados do Estudo 1 e 2 sugerem que o protocolo de ensino utilizado foi eficaz no estabelecimento de relações condicionais arbitrárias e formação de classes de equivalência para os participantes dos Grupos GC e GE1, e não eficaz para os participantes do GE2. No Estudo 2, quando comparadas as latências e amplitudes de onda dos participantes no momento da apresentação de pares de estímulos equivalentes e não equivalentes, dois participantes do GC apresentaram diminuição da latência e aumento da amplitude de onda, um participante do GE1 apresentou aumento da latência e da amplitude e um participante do GE2 apresentou aumento da latência diminuição da amplitude de onda. Estes resultados replicam os de outros estudos em relação a sensibilidade do procedimento de pareamento segundo o modelo na avaliação de habilidades cognitivas em populações com distúrbios neurocognitivos e, também, reafirmam a aplicabilidade da técnica do PRE na mensuração da atividade cerebral durante uma atividade que envolve aprendizagem.    

  • ANNE ABREU DE LIMA
  • EFEITOS DO USO DE HISTÓRIAS INFANTIS SOBRE O RECONHECIMENTO DE EXPRESSÕES FACIAIS DE EMOÇÕES EM CRIANÇAS COM AUTISMO

  • Data: 26/01/2017
  • Mostrar Resumo
  • Entre os déficits em comunicação e interação social frequentemente observados em indivíduos com autismo, destaca-se a dificuldade no reconhecimento de expressões faciais de emoções. Sendo esta uma das habilidades mais importantes para interações sociais eficazes, estudos têm buscado desenvolver procedimentos de ensino desta competência. Este trabalho objetivou avaliar a eficácia do uso de histórias infantis, no treino de reconhecimento de expressões faciais de emoções em crianças com autismo. Participaram do estudo seis crianças com diagnóstico de autismo, no nível leve a moderado com faixa etária entre 6 a 7 anos. O procedimento consistiu de seis fases: Pré - Teste, Treino, Pós - Teste, Teste de Generalização, Teste do Espelho e Follow-Up. Foram utilizados no pré e no pós - teste 40 estímulos compostos de desenhos e fotografias de rostos (de diferentes faixas etárias e raças) com quatro diferentes expressões faciais – alegria, tristeza, raiva e medo. O Pré - Teste e o Pós – Teste eram compostos por 10 tentativas. Em cada tentativa eram apresentadas quatro diferentes estímulos com as quatro expressões e era requerido que o participante apontasse a figura com a expressão solicitada. No Treino foram utilizadas 20 histórias, sendo cinco sobre cada uma das expressões. As histórias eram apresentadas e, após, era solicitado ao participante apontar a figura correspondente a expressão destacada na história. O Teste de Generalização foi constituído da apresentação em vídeo de quatro histórias (uma de cada expressão facial). Após assistir o vídeo era solicitado ao participante apontar à figura correspondente a expressão destacada no vídeo.  No Teste do Espelho era solicitado ao participante expressar em frente a um espelho as quatro emoções trabalhadas no estudo. O Follow -up consistiu na reapresentação do Teste de Generalização, quatro semanas após a aplicação do primeiro teste. O critério de mudança do Pré-Teste para o Treino era 70% de erros e do Treino para o Pós – Teste e deste para o Teste de Generalização era 90% de acertos. Os resultados mostraram que todos os participantes não identificavam expressões faciais de emoções no Pré - Teste, mas passaram a reconhecê-las após o Treino e apresentaram desempenho generalizado de reconhecimento de emoções no Teste de Generalização. Já no Teste do Espelho apenas um participante (P1) conseguiu expressar corretamente as quatro expressões faciais e no Follow – up apenas os participantes P1, P2, P3, e P6 mantiveram o desempenho do Teste de Generalização. Estes resultados indicam que a utilização de histórias infantis é um recurso lúdico – didático eficaz para ensinar o reconhecimento de expressões faciais de emoções à crianças com autismo.

  • ESTER LILIAN LOUREIRO BENITAH
  • ANÁLISE DA CORRESPONDÊNCIA VERBAL/NÃO VERBAL DO RELATO DE PESCADORES SOBRE SUA INTERAÇÃO COM OS BOTOS NA ILHA DE MOSQUEIRO, REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM, PARÁ

  • Orientador : MARIA LUISA DA SILVA
  • Data: 23/01/2017
  • Mostrar Resumo
  • A pesca artesanal é uma atividade muito expressiva na região norte do Brasil. Com importante impacto para a economia local, esta é fonte de emprego e alimento, principalmente para as populações ribeirinhas. Esta atividade acaba interagindo muito frequentemente com espécies de pequenos cetáceos, os botos tucuxi (Sotalia sp.) e cor-de-rosa (Innia geoffrensis), que habitam as áreas costeiras e rios do estado do Pará. Adquirir informações acerca dessa interação, no entanto, é desafiador, pois muitas vezes os relatos dos pescadores não correspondem com a realidade, uma vez que questões acerca do imaginário local em relação aos botos, a exemplo das lendas que acabam desenhando uma imagem negativa destes, bem como questões de competição por pescado e outros pontos relacionados à prática pesqueira, podem influenciar no que é relatado. Neste cenário, o presente estudo buscou analisar a correspondência entre o relato verbal e o comportamento não-verbal de pescadores com relação à sua interação com os botos. A pesquisa foi realizada na colônia de pescadores Z-9, localizada na praia Baía do Sol, Ilha de Mosqueiro, região metropolitana de Belém, e contou com a participação de 30 indivíduos, que foram entrevistados e em seguida realizaram um teste de associação implícita (TAI), que indicou o grau de associação do boto como um estímulo positivo (agradável) ou negativo (desagradável). Dos 30 entrevistados, 43,33% (n=13) apresentaram d-score positivo no TAI, indicando leve a moderada associação automática do boto com agradável, e os outros 46,66% (n=17) apresentaram d-score negativo, indicando leve a moderada associação automática do boto com desagradável. Nos relatos verbais os entrevistados afirmaram que o boto-rosa ocorre com mais frequência nos arredores da ilha e que ele atrapalha a pesca, chegando a afirmar que não gostavam do boto por este motivo. Embora considerem o boto, em especial o cor-de-rosa, uma ameaça à sua atividade, quase metade dos entrevistados não mostraram associação negativa com os referidos mamíferos aquáticos. Este fato pode ser explicado pela variação das áreas de pesca, mostrando que os que mantém suas atividades em áreas mais afastadas e em água salgada possuem menor contato com o boto-rosa. Além disso, não separamos as espécies de boto durante o teste e uma vez que o boto declarado nas entrevistas como “mau” foi o cor-de-rosa, a manutenção das duas espécies como entidade única pode ter influenciado para o resultado equilibrado dos d-scores do teste de associação implícita. Pretendemos realizar testes futuros com incluindo a definição dos locais de pesca e a separação das espécies em categorias diferentes para uma abordagem mais detalhada.

  • BRUNO LEONARDO SIMOES DA COSTA
  • Título: Caracterização da orientação espacial em pacientes idosos com doenças neurodegenerativas em ambiente previamente conhecido

  • Data: 17/01/2017
  • Mostrar Resumo
  • O envelhecimento populacional é hoje um fenômeno que atinge todas as regiões do planeta, determinando demandas específicas, já que este fenômeno vem acompanhado por déficits metabólicos, vasculares, neurológicos, osteomioarticulares e outros que podem debilitar a autonomia da pessoa idosa.Um dos fatores que podem vir a debilitar a autonomia do idoso, consiste na perturbação da orientação espacial, já que esta relaciona-se, nos humanos, com a capacidade de elaborar rotas familiares, nomear pontos de referência em ambientes previamente conhecidos, aprender novas rotas e interagir com o ambiente utilizando auto informações a fim de se localizar e se deslocar. Estes déficits na orientação espacial, apresentam íntima relação com as doenças neurodegenerativas (DNs), que se caracterizam por serem doenças que geram destruição de neurônios de forma progressiva, dentre as principais DNs, destacam-se a  Doença de Parkinson (DP) que afeta de 1% a 2% da população mundial, e caracteriza-se por ser um distúrbio progressivo do sistema nervoso central (SNC), em decorrência da degradação dos neurônios dopaminérgicos, especificamente da parte compacta da substância negra. Outra patologia muito incidente é a doença de Alzheimer (DA), entidade patológica que apresenta várias manifestações clínicas, porém nenhuma de caráter patognomônica e que apresenta a perda da memória recente como sendo uma das primeiras características da doença. Nesta perspectiva é de suma importância comparar idosos com e sem DN com relação a orientação espacial, pois só se conhece relatos científicos que mostram que pessoas com DN se orientam mal, mas observar como o fator idade pode interferir nesta característica pode fornecer informações para posteriores intervenções. Assim, esta pesquisa tem como objetivo geral, caracterizar a orientação espacial de idosos que apresentam diagnóstico de desordens neurodegenerativas e idosos que não apresentam nenhum tipo de alteração do SNC. Método: Esta pesquisa foi realizada no ambulatório de Fisioterapia do Centro de Atenção à Saúde do Idoso – Casa do Idoso – com a participação de 53 indivíduos com idade superior a sessenta anos, sendo 21 que apresentam diagnóstico clínico de DN, e 22, na mesma faixa etária, sem diagnóstico de DN e 10 com idade entre 30 e 40 anos.Resultados: observou-se resultados muito semelhantes entre os grupos de idosos (experimental e controle) durante a realização dos cinco testes de orientação espacial, obtendo-se melhores resultados nos testes que exigiam mais o padrão de orientação alôcentrica e piores resultados nos testes que exigiam mais o padrão egocêntrico. Quando comparado com os participantes mais jovens, observou-se, resultados bem díspares, no tocante a número de acertos e erros nos testes em que o padrão egocêntrico foi mais exigido e com relação ao tempo de execução dos testes. Conclusão: Nesta pesquisa foi observado que os idosos, de maneira geral, apresentam um grau moderado de dificuldade de orientação espacial, principalmente quando o padrão de orientação egocêntrico é o mais exigido e que a idade pode ser o principal desencadeador de déficits de orientação espacial.

2016
Descrição
  • IGOR DIAS SERIQUE
  • MODELAGEM DA RESPOSTA DE ARRASTAR UM CURSOS EM TELA SENSIVEL COMO PRÉ-REQUISITO PARA TREINO DE COMPORTAMENTO PRÉ-SIMBÓLICO EM MACACOS-PREGO (SAPAJUS  spp.)

  • Data: 07/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • Nos animais longevos ocorre grande desenvolvimento motor ao longo da vida, e os movimentos finos são parte importante na adaptação às necessidades impostas pelo ambiente. Os movimentos melhoram com a prática à medida que se aprende a antecipar obstáculos e corrigi-los conforme os resultados obtidos. Com as novas tecnologias de informática interativa, o uso da tela sensível ao toque passou a requerer diversos movimentos para executar diferentes tarefas que exigem compreensão dos estímulos visualizados. A habilidade manual e o uso de ferramentas por macacos-prego já foram descritas por diversos pesquisadores, indicando que além do toque na tela, resposta usada no modelo atual de estudos do potencial simbólico, o macaco-prego seria capaz, por exemplo, de aprender a arrastar um estímulo na tela entre dois pontos definidos, permitindo ampliar o modelo de estudos do potencial simbólico. Este estudo é uma experiência original de ensinar macacos-prego a arrastar estímulos até um dado alvo, o que corresponde a um primeiro passo para estudos posteriores envolvendo discriminação entre alvos e pistas falsas. Usando-se quatro macacos-prego (do gênero Sapajus spp.) foi feita a modelagem, através de reforçamento diferencial por aproximações sucessivas, da resposta de arrastar, em um monitor touchscreen, um estímulo apresentado no centro da tela até uma barreira circular em torno dele, cuja distância aumentava gradualmente. Os sujeitos adquiriram a resposta, ficando demonstrado que podemos avançar no uso da resposta de arrastar, aumentando o escopo das pesquisas sobre cognição e potencial simbólico do macaco-prego com a inclusão de tarefas que envolvem arrastar estímulos para alvos, permitindo ensinar novos repertórios relacionais e testar relações emergentes.

  • TAMYRES ROBERTA COLARES LEAL
  • EFEITOS DO REFORÇAMENTO NÃO CONTINGENTE DURANTE O INTERVALO ENTRE TENTATIVAS SOBRE O DESEMPENHO NO EMPARELHAMENTO AO MODELO COM ATRASO EM SAPAJUS SPP.

     


  • Data: 27/10/2016
  • Mostrar Resumo
  • O presente projeto possui uma perspectiva translacional biocomportamental e se dedica ao mapeamento de variáveis relevantes ao desempenho em tarefas de Delayed-Matching-to-Sample (DMTS), que servem de base para muitos estudos que avaliam déficits de memória. Estudos prévios neste laboratório desenvolvidos com macacos-prego buscaram verificar efeitos do aumento do atraso e do intervalo entre tentativas (IET) sobre o desempenho na tarefa. Os resultados indicaram que quando o atraso é aumentado, o desempenho do sujeito tende a diminuir, mas que o aumento do IET favorece a recuperação do desempenho. Durante o desenvolvimento desses estudos prévios, para que os sujeitos se mantivessem na tarefa quando atrasos e IET’s longos eram programados, pelotas de ração de 45 mg eram liberadas ao acaso durante o IET. Os estudos relatados neste projeto investigarão especificamente os efeitos comportamentais e correlatos neurais deste reforçamento não contingente sobre o desempenho no DMTS em macacos-prego e crianças. Os efeitos comportamentais serão estudados em macacos e crianças, e os correlatos neurais apenas em crianças, em função da possibilidade de mensuração, que será realizada com o equipamento de captação de sinais eletrofisiológicos o Emotiv EPOC Headset. Assim, o presente projeto está dividido em dois experimentos. O Experimento 1 terá como sujeitos os macacos-prego e o Experimento 2 terá crianças como participantes. A diferença entre os procedimentos utilizados com macacos e com crianças são: 1) Com macacos, as consequências para acertos serão pelotas de banana e com as crianças serão utilizados diferentes tipos de consequências: notas de dinheiro de brincadeira e/ou uma estrela no centro da tela; 2) As sessões realizadas com as crianças contarão com um número menor de tentativas para evitar perda de motivação na tarefa; 3) Os estímulos utilizados com as crianças aparecerão, cada um, apenas uma vez, para evitar nomeação. Nos dois experimentos, as tentativas de DMTS começam com a apresentação de um estímulo modelo; após a emissão de 5 toques ao modelo, inicia-se um atraso e ao término do atraso estímulos de comparação são apresentados para que a resposta de escolha ocorra. Respostas corretas são seguidas por uma consequência programada e pelo intervalo entre tentativas (IET) e respostas incorretas, apenas pelo IET. As sessões serão compostas por tentativas com atrasos de 1 s, 5 s, e 20 s e IET de 30 s. Para estudar os efeitos comportamentais do reforçamento não contingente, a consequência reforçadora será liberada durante o IET de 30 s, conforme cinco condições apresentadas randomicamente: early – liberação do reforçamento não contingente após 5 s do início do IET; middle – liberação após 15 s do início do IET; late – liberação após 25 s do início do IET; all – liberação após 5 s, 15 s, e 25 s do início do IET; e, none – não haverá liberação de reforço durante o IET. As atividades cerebrais serão registradas dentro de 1 segundo após a apresentação de um estímulo reforçador, tanto contingente à resposta (quando o sujeito escolhe a comparação correta) quanto não contingente à resposta (durante o IET). Seguindo os dados da literatura é provável que o reforçamento não contingente apresente efeito de deterioração do desempenho dos sujeitos em tentativas em que há o reforço é apresentado ao final do IET. Com relação aos dados neurais, não é possível estabelecer uma previsão dos resultados visto que não foram encontrados relatos de pesquisas que mediram os efeitos da liberação desse tipo de consequência sobre o funcionamento neural.

  • MAELLY LARISSA MENDES PANTOJA
  • Efeitos da Estrutura Gramatical e da Entonação da voz na identificação de frases do tipo Ordem e Sugestão

  • Data: 06/10/2016
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo objetivou avaliar se determinadas características dos estímulos verbais como Estrutura Gramatical e a Entonação da voz são variáveis relevantes para a identificação de um estímulo verbal como uma Ordem e/ou uma Sugestão, ou ainda, se uma ou outra dessas duas características é mais relevante para a ocorrência desta identificação. Participaram do estudo 180 universitários (entre 18 e 30 anos) de vários cursos de graduação, que foram expostos a quatro diferentes frases que variavam em conteúdo, Estrutura Gramatical e Entonação. As três frases em português eram apresentadas com a Estrutura Gramatical de Ordem e Sugestão, sendo cada uma apresentada com duas Entonações – Ordem e Sugestão - a quarta frase em Mandarim também era apresentada com as mesmas duas entonações; totalizando 14 frases. As frases foram apresentadas de modo aleatório aos participantes, através de uma gravação de áudio. A tarefa era registrar em uma folha de respostas a opção correspondente à forma que identificava ser a frase: Ordem, Sugestão ou Nenhuma das Anteriores. Os participantes foram divididos em dois grupos, Grupo I e Grupo II, que diferiram apenas quanto à voz utilizada na gravação de áudio. Os resultados do Conjunto 1 - constituído pelas frases com Estrutura de Ordem e Entonação de Sugestão e Ordem - mostraram que os participantes do Grupo I escolheram 55,1% e do Grupo II 58,9% das vezes a opção Ordem quando a Estrutura Gramatical não correspondia a Entonação, e que 93,3% e 93,7% das respostas de escolhas dos participantes dos Grupos I e II, respectivamente, foi a opção Ordem quando a Estrutura Gramatical correspondia à Entonação. Os resultados do Conjunto 2 - constituído pelas frases com Estrutura de Sugestão e Entonação de Sugestão e Ordem - indicaram que no Grupo I 48,5% das frases foram identificadas como Ordem e no Grupo II 54,4% como Sugestão quando a Estrutura Gramatical não correspondia a Entonação, e que nos Grupo I e II 91,1% e 89,3% das frases, respectivamente, foram identificadas como Sugestão quando a Estrutura Gramatical correspondia à Entonação. Os resultados do Conjunto 3 - constituído pelas frases em Mandarim com Entonação de Ordem e Sugestão - mostraram que os participantes do Grupo I marcaram 85,6% e do Grupo II 70% das vezes a opção Nenhuma das Anteriores quando a Entonação era de Ordem e que os participantes do Grupo II marcaram 85,6% do Grupo I e 82,2% a opção Nenhuma das Anteriores quando a Entonação era Sugestão. Estes resultados indicam que o controle pela Estrutura Gramatical prevaleceu sob o controle pela Entonação da voz na identificação de frases como sendo do tipo Ordem ou Sugestão.

  • RAQUEL LEITE CASTRO DE LIMA
  • TESTES DE SIMETRIA E TRANSITIVIDADE EM MACACO-PREGO


  • Data: 29/09/2016
  • Mostrar Resumo
  • Lima, R. L. C. Testes de Simetria e Transitividade em Macaco-prego. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Neurociências e Comportamento. Universidade Federal do Pará. 2016. X páginas.

    Uma das formas de investigação do comportamento simbólico e seus pré-requisitos envolve o ensino de relações arbitrárias entre estímulos em um modelo de treino de escolha condicional visando a aplicação de testes de desempenhos emergentes. O objetivo deste estudo foi treinar relações arbitrárias entre estímulos em dois procedimentos de escolha condicional distintos visando verificar a emergência de desempenhos simétricos e transitivos, indicativos de comportamento pré-simbólico. O sujeito experimental foi um macaco-prego da Escola Experimental de Primatas (NTPC-UFPA), macho adulto, com ampla experiência em tarefas de escolha. Na primeira fase do experimento, foram retreinadas relações arbitrárias A-B, B-A e A-C, estabelecidas em experimento prévio, alternando-se o treino dessas relações em procedimentos de matching-to-sample (MTS) simultâneo e com atraso. Na segunda fase, foram treinadas, na mesma sessão, tentativas das mesmas relações arbitrárias A-B, B-A e A-C intercaladas a tentativas das relações de identidade A-A, B-B e C-C, também com alternância de procedimentos. Na terceira fase, foi reduzida a probabilidade de reforçamento nesse tipo de sessão, como preparação para as sessões de testes que envolveriam algumas tentativas aplicadas sem reforço programado. Na quarta fase, foram testadas as relações simétricas C-A, e as relações B-C e C-B. Em todas as fases de treino, o critério exigido era de desempenho mínimo de 90% de acertos e, no máximo, um erro por relação treinada. Os desempenhos foram avaliados em termos de porcentagens de acerto no total de tentativas. Na Fase 1, o sujeito apresentou os desempenhos mais precisos no MTS com atraso (mínimo de 75% e máximo de 100% de acertos), provavelmente em função de que sua história experimental prévia envolvia geralmente o treino nessa tarefa; no MTS simultâneo, a variação de desempenho ficou entre 64,44% e 97,78%, sendo o total de sessões para critério maior no MTS simultâneo. Foram aplicadas 23 sessões na Fase 2, com desempenho médio de 89,32% de acertos no MTS com atraso (total de seis sessões) e 87,75% (em 11 sessões) no MTS simultâneo. O sujeito encontrou mais dificuldades nas tentativas de MTS simultâneo, particularmente nas de treino das relações de identidade, em que dois estímulos iguais permaneciam na tela do computador. Essa configuração de tentativa gerou erros que foram sanados por restrições dos locais de apresentação do modelo. Na Fase 3, foram necessárias apenas 7 sessões experimentais para o alcance do critério, sendo o desempenho médio de 91,66% no MTS simultâneo em quatro sessões e 91,10% no MTS com atraso, em três sessões. Na Fase 4, os testes mostraram dados negativos para a emergência das relações C-A. A média de acertos nestas tentativas foi de 23,33%. Foi observada ainda queda no desempenho na linha de base e reações emocionais no sujeito provavelmente em razão da ausência de reforçamento, que foram sanadas com sessões com correção e entrega de duas pelotas para cada acerto. Nos testes das relações B-C, a média de acertos nas tentativas de teste foi de 71%, indicando desempenhos emergentes. Os resultados nos testes das relações C-B foram negativos. O desempenho nessas tentativas de teste teve média de apenas 12% de acertos. O procedimento utilizado foi suficiente para que se verificasse a emergência apenas de relações transitivas (B-C). Consistente com a literatura, não humanos parecem apresentar a emergência de relações transitivas mais prontamente do que de relações simétricas. Estudos futuros envolverão o treino das relações C-A e posterior re-teste da emergência de relações C-B.

              

  • HILARIO POVOAS DE LIMA


  • O papel das vocalizações de  Phlegopsis nigromaculata (Aves, Thamnophilidae) na detectabilidade de outras aves seguidoras de correição.


  • Data: 19/09/2016
  • Mostrar Resumo
  • Formigas de correição são espécies nômades que quando forrageiam afugentam insetos que vivem no solo da floresta, tornando-os presas fáceis para outros animais. Há espécies de aves que seguem e se alimentam ao redor de correições e são consideradas seguidoras obrigatórias ou podem ser menos especializadas, se alimentando em correições apenas quando estas passam em seus territórios. Realizamos então um experimento para verificar se os sons emitidos por uma espécie seguidora de correição especializada, Phlegopsis nigromaculata, influencia o comportamento de outras espécies de aves seguidoras especializadas ou menos especializadas em seguir correições. O presente estudo foi realizado  no Parque Ecológico de GUNMA (PEG) e investigamos se o playback (PB) de vocalizações de Phlegopsis nigromaculata pode aumentar a detectabilidade de outras espécies no local e se estas espécies afetadas tem alguma ligação com o forrageio em correições. Em locais diferentes no PEG, foram gravados 5 minutos do som ambiente sem emissão de PB e 5 minutos no mesmo ambiente com a emissão de PB. Os resultados mostraram que o PB aumentou significativamente a detectabilidade, onde 94.4% das espécies com maior detectabilidade no pós PB frequentam bandos mistos e que 27.7% são seguidoras de correição. Na pontuação que correlacionava as espécies que foram mais detectadas no momento pós PB de P. nigromaculata com comportamentos de seguir bandos mistos e correição, as espécies Glyphorynchus spirurus, Isleria hauxwelli, Pyriglena leuconota, Lanio surinamus, Lepidothrix iris, Veniliornis affinis, e Willisornis vidua  obtiveram as maiores pontuações, sendo que todas elas frequentam bando misto e 71.4 % frequentam correição, sugerindo que a maior detectabilidade delas no pós PB está ligada ao forrageio em correições. Os resultados indicam que muitas espécies são influenciadas por vocalizações de Phlegopsis nigromaculata já que esta pode ter um papel significativo no forrageio de outras aves insetívoras, que seguem correição ou que frequentam bandos mistos, e que sua extinção pode ter um impacto importante na capacidade destas espécies em obter alimento.

    Palavras-chave: correição, seguidores de correição, playback, bando misto, comunicação interespecífica.

     

SIGAA | Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação (CTIC) - (91)3201-7793 | Copyright © 2006-2024 - UFPA - morango.ufpa.br.morango1