Notícias

Banca de DEFESA: JULIANO SACRAMENTO MUNDIM

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JULIANO SACRAMENTO MUNDIM
DATA: 22/12/2020
HORA: 14:00
LOCAL: VÍDEO CONFERÊNCIA
TÍTULO:

"IMPACTO DA COVID19 NO PROGRAMA DE TRANSPLANTE RENAL BRASILEIRO"


PALAVRAS-CHAVES:

novo coronavírus, COVID-19, transplante renal, transplante de rim, doença renal crônica, diálise.


PÁGINAS: 46
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

Em dezembro de 2019, foi reconhecida uma nova doençacausada pelo Coronavírus da síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV-2). Essa doença, identificada primeiramente em Wuhan, província de Hubei, China, contaminou mais de 50.000.000 de pessoas em todo o mundo. O impacto provocado por esse vírus está sendo catastrófico em vários aspectos e setores, acometendo a maioria dos países do planeta de alguma forma, seja por contaminação em massa, seja por conflito econômico, político e até devido as restrições de mobilidade. Uma preocupação especial, dentre os indivíduos de maior vulnerabilidade, é a população portadora de doença renal crônica, em terapia renal substitutiva, já vulnerável pela sua condição de saúde, e que agora pode ter sua esperança de melhorar de vida e sobrevida com o transplante renal reduzida drasticamente após a instalação da pandemia do novo coronavírus.Dessa forma, com o intuito de verificar o impacto da COVID-19 nos transplantes renais, essa pesquisa comparou o número de doadores efetivos e o número de transplantes renais realizados nos três primeiros trimestres de 2019 com o mesmo período de 2020, em meio a pandemia da COVID-19 no Brasil e na Espanha. Os dados obtidos foram utilizados para estimar o impacto causado pela pandemia da COVID-19 no número de transplantes realizados no Brasil e fornecer dados estatísticos para a criação de políticas públicas de estímulo a doação de órgãos e transplante. Os resultados, medidos por milhão de população (pmp), mostraram que o número de doadores efetivos no Brasil nos três primeiros trimestres de 2019 foi de 17,7 pmp, enquanto que nesse mesmo período em 2020 foi de 15,5 pmp. O número de transplantes de rim no Brasil nos três primeiros trimestres de 2019 foi de 29,5pmp transplantes, enquanto em 2020 foi de 22,1pmp. No Brasil, no ano de 2019 houve 18,1 pmp doadores, enquanto a Espanha teve no mesmo ano 49,6 pmp de doadores efetivos. O número de transplantes de rim no Brasil em 2019 foi de 30,1 pmp, e na Espanha 73,8 pmp. Na vigência da pandemia pelo novo coronavírus, o Brasil apresentou redução em 12% no número de doadores e de 25% no número de transplantes, e até esse último trimestre ainda não hoouve recuperação de suas atividades de transplante. Já a Espanha apresentou redução em mais de 80% de seu programa no auge da primeira onda da COVID-19, entretanto, observou-se expressiva retomada estando atualmente a números próximos a era pré pandemia. Dessa forma, sugerimos que a Espanha deve ser utilizada como referência na recuperação dos programas de transplantes na era da COVID-19, conseguindo em poucos meses restabelecer um serviço vital para a população dos portadores de doenças renais crônicas


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1220143 - EDIVALDO HERCULANO CORREA DE OLIVEIRA
Externo à Instituição - FERNANDA ANDREZA DE PINHO LOTT FIGUEIREDO
Externo à Instituição - MICHELE AMARAL DA SILVEIRA
Notícia cadastrada em: 22/12/2020 08:56
SIGAA | Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação (CTIC) - | Copyright © 2006-2022 - UFPA - castanha.ufpa.br.castanha2